Quando é necessário declarar um imóvel no Imposto de Renda?

Declarar um imóvel no Imposto de Renda é uma questão que surge entre os contribuintes, tendo em vista que existem algumas regras para declarar esse bem no imposto de renda. Qualquer tipo de imóvel, independentemente do seu valor, deve inserido no relatório. Muitas pessoas acham que, não é necessário inserir os imóveis e assim o valor do imposto será menor, mas isso não é assim.

 

O valor gasto com construções, manutenções e reformas, deve ser acrescentado ao preço do imóvel. E esse cálculo é feito baseado em notas fiscais e recibos resultantes dos gastos. Mas, a valorização do mercado imobiliário não pode servir para elevar o preço do bem.

Quando o imóvel é vendido, a prestação de contas possui algumas peculiaridades, por exemplo como o imposto deve ser recolhido durante o seguinte mês ao recebimento do valor, através do Programa de Apuração de Ganhos de Capital, o GCAP. Esse recebimento de capital é a diferença entre o valor declarado nos anos seguintes e o valor de venda, que se torna sujeito a tributação de 15%. Os financiamentos também possuem peculiaridades, e precisam ser considerados como uma dívida, o valor valor pago ao longo do ano para as construtoras e incorporadoras precisam ser atualizados na declaração. Não é necessário declarar o quanto falta para a quitação ou não. Imóveis adquiridos por meio de doações e herança só podem ser inseridos após a publicação do inventário.

Isenções

 

O contribuinte que vender um imóvel e comprar outro com o valor recebido em até 180 dias ficará isento. Para conseguir a isenção, é só fazer o informar as quantias recebidas e investidas na compra do novo apartamento, além de declarar o CPF ou CNPJ dos outros envolvidos nas transações.

Organizar a casa é desafio de quem sai da residência dos pais

Quando chega a hora de deixar a casa dos pais, independentemente da idade que se tem,  a primeira sensação que sentimos é a da de liberdade. Porém, não demora para descobrir que as roupas não se lavam e passam sozinhas, a comida não chega na mesa com um passe de mágica e a cama não é forrada automaticamente.

A decisão de ter seu próprio canto traz muita responsabilidade. A mudança significa deixar para trás uma época de conforto e comodidade e pensar que é o momento de aprender a organizar as finanças e também a própria casa. Para muitos, é o começo do zero, porém organizar a própria vida pode ser mais simples do que parece. Confira as dicas.

Se a etapa for encarada como algo natural, facilita a adaptação. “Ter o próprio espaço é uma das delícias de deixar para trás uma fase da vida e aprender a tomar conta de si mesmo e da casa. Difícil? Nem tanto. O mais bacana em ter seu próprio canto é a liberdade conquistada e as responsabilidades que você terá. Taxas de condomínio, luz, telefone, organização, compras, tudo o que você nunca fez pode ser simples”, garante a personal organizer Mônica Ayub.

Manter o guarda-roupa organizado é sempre um desafio (Foto: Shutterstock)

A economista Viviane Vasconcelos sentiu na pele as mudanças na hora de deixar a casa dos pais. Acostumada a ter comida e roupa lavada, até então não tinha se dado conta do que era preciso para manter a casa organizada. “Sempre morei com meus pais e fui muito acostumada a acordar e escolher o menu do dia. A funcionária fazia meu cafezinho, almoço e jantar. Então sempre fui muito acostumada a ter tudo no horário certinho, até casar com 31 anos”, afirma.

Porém, mesmo depois de casar, a rotina não mudou muito. “Não fugiu muito ao que eu vivia na casa dos meus pais porque continuei mantendo uma funcionária que sempre me ajudou demais”, acrescenta. A virada para as responsabilidades aconteceu mesmo depois que Viviane se separou, seis anos depois. Neste momento, ela decidiu morar sozinha com o filho e assumiu todas as responsabilidades da casa. “Foi bronca porque eu nunca entendi a mágica de se enxugar um chão molhado com muita água, por exemplo. Quando lavava, eu não sabia para onde ia aquela água quando não se via um ralo. Eu não sabia cozinhar, nem limpar a casa, a roupa, nada, foi um caos. Para receitas, eu contava com a ajuda da minha internet porque, quando ela parava de funcionar, eu não conseguia terminar o resto das refeições”, detalha.

É preciso aprender alguns truques culinários (Foto: Shutterstock)

No entanto, diante da necessidade, a economista foi aprendendo. “Hoje em dia já posso dizer que sei me virar sozinha. E como a vida é um eterno aprendizado, aos 37 anos descobri o que é um cará porque tive que começar a fazer feira e tive que começar a me virar em 30 pra dar conta de casa, filho e academia. Entendi que a gente sobrevive mesmo sem saber fazer nada porque, no final, a gente acaba aprendendo”, acrescenta.

Apenas o necessário

Com a parte financeira sob controle, é hora de partir para as questões mais práticas, como a organização da casa. Apesar de parecer missão complicada, o novo canto só fica bagunçado se o dono gostar, é o que garante a personal organizer Mônica Ayub. O primeiro passo deve ser uma seleção do que levar para a casa nova. “O primeiro passo é fazer uma triagem de verdade de tudo o que você tem na casa de seus pais: roupas, livros, objetos pessoais e objetos de decoração”, explica.

No caso das roupas e sapatos, ela aconselha fazer três pilhas, uma para o que será doado, uma para o que realmente é usado e a última para o que vai fora ou será reciclado. “Reduza ao máximo seu guarda-roupa para poder ter espaço para tudo na casa nova, que, possivelmente será algo menor”, afirma Mônica. “Lembre-se de ter camisas e calças fáceis de passar, ou mesmo nem passar, caso de camisetas, pólos, calças jeans, cuecas e meias”, completa.

A primeira faxina da casa é sempre um desafio (Foto: Shutterstock)

Para livros, a personal organizer afirma que o ideal é doar tudo o que não lê há mais dois anos. “Dê aos seus amigos os best sellers que você nunca mais irá ler. E arrume uma pequena biblioteca com o que conta: clássicos mundiais e grandes autores que transcendem o tempo”, diz. No caso dos CDs, a solução pode ser mais radical. “Vamos combinar que são totalmente “démodé”. Seu celular serve para as músicas e você e economiza espaço”.

Na hora de escolher a decoração, é possível economizar e não pesar o bolso neste início de nova vida. “Continue com foco minimalista. Converse com um arquiteto amigo e diga que você quer ideias de decoração sustentáveis. É mais barato e fica super bacana, da sala ao quarto”, esclarece. O pallet pode servir como solução para sofás, puffs, cama, armário, poltrona, mesa de centro, sapateira e estante. “Os supermercados jogam tudo fora, basta pedir permissão e pegar o que você quiser. E seu amigo arquiteto pode apenas desenhar todos esses móveis para você como presente de chá de casa”, completa.

Organizando a casa

É possível adaptar cada ambiente da casa de forma que fique tudo simples e que dê menos trabalho na hora de organizar e limpar. Na cozinha, o ideal é ter o mínimo de móveis e utensílios. “Geladeira, fogão, uma boa bancada ou dois cavaletes com uma porta cortada que pode servir como bancada e pode ser armada e desmontada. Para copos, pratos, talheres, canecas e toda a parafernália de cozinha é bom reduzir em conjuntos de quatro objetos de cada”, ressalta a personal organizer Mônica Ayub. Ela ainda ressalta que, para manter a ordem, se sujar, tem que lavar na hora.

Na área de serviço, a máquina de lavar é fundamental e, com ela, é possível minimizar o trabalho na hora de lavar as roupas. “Não deixe acumular roupa suja: pessoais, de banho e lençóis. Ao estender as roupas, deixe-as bem lisinhas no varal. Isso fará com que você não precise passar nada. Essa dica é preciosa. Tenha ainda um pequeno armário para guardar todos os produtos de limpeza. Coloque os fechados bem acima e os em uso mais baixos”, aconselha.

Na área de serviço, a máquina de lavar é fundamental e, com ela, é possível minimizar o trabalho na hora de lavar as roupas (Foto: Shutterstock)

Para o banheiro, a falta de armário não é um problema, já que a bancada pode receber os objetos mais usados. “Uma dica importante é aproveitar para lavar o banheiro enquanto toma banho. Duas vezes por semana está ótimo”, diz a personal organizer. No quarto, se os móveis forem de pallets, basta um colchão. “Senão tiver armários, use araras. Compre, no máximo, quatro peças de lençóis. O mesmo vale para toalhas de banho e rosto. Todos brancos porque não mancham e dão menos trabalho para repor”, complementa.

Dicas de limpeza

(Foto: Lucas Gabriel)

– Quanto mais minimalista a decoração, menos objetos para tirar pó;

– Piso em cerâmica? Basta passar pano com água sanitária e está limpo;

– Piso em madeira? Basta passar pano com cera líquida (qualquer uma) e está limpo;

– Plantas? As que requerem pouca água: cactos e seixos brancos ficam lindos juntos;

– Objetos decorativos: faça um open house com todos os seus amigos, amigas, pais, irmãos, parentes e uma lista do que você precisa. Aproveite e dê uma festinha com muito charme e com seu estilo. Afinal, a casa é sua! E, para limpar, avise que cada um vai ajudar. A casa fica limpa e no dia seguinte você vai trabalhar feliz da vida.

 

Fonte: Zap Imóveis

Como limpar acabamentos de inox?

O mais indicado é usar pano macio ou esponja de náilon com água e sabão ou detergente neutros. Depois da limpeza, é fundamental passar um pano seco que remova toda a água para evitar manchas na superfície. “Marcas de dedos podem ser eliminadas com pano umedecido em álcool isopropílico”, afirma Tiago Lima, consultor técnico da Associação Brasileira do Aço Inoxidável (Abinox). O mercado ainda oferece produtos específicos para inox, que também são boas alternativas. E atenção: palha de aço e produtos à base de cloro – como água sanitária – são proibidos.

 

Fonte: Minha Casa

Saiba como organizar sua despensa corretamente

Basta precisar de um ingrediente para aquele receita, abrir a despensa e que bagunça! O cantinho da cozinha dedicado ao estocamento de produtos alimentícios está quase sempre fora de ordem, com vários produtos fora da validade.

Mas é possível colocar tudo em ordem de maneira fácil – e fazer uma manutenção mensal com pouco trabalho. As organizadoras pessoais Heloísa Sundfeld, da Personal Assistant, e as irmãs Stella e Malú Nogueira, da Organizabox, dão as dicas. Veja o passo a passo:

Confira a data de validade dos produtos

despensa

Lembre-se ainda de, toda vez que for guardar uma compra, verificar a validade do produto já existente na despensa (Foto: Shutterstock)

 

Olhe sempre a data de validade dos alimentos. Jogue fora o que já expirou e coloque na frente os produtos que tiverem mais próximos da data de vencimento. Lembre-se ainda de, toda vez que for guardar uma compra, verificar a validade do produto já existente na despensa. Todos os utensílios e produtos usados com mais frequência devem ficar em locais mais acessíveis.

Organizar cereais em potes é boa ideia

cereal
Os cereais, depois de abertos, devem ser colocados em potes herméticos para uma melhor conservação (Foto: Shutterstock)

 

Nada de abrir um saco de feijão ou macarrão, usar apenas uma parte, e voltar com eles para a despensa na mesma embalagem. “Os cereais, depois de abertos, devem ser colocados em potes herméticos para uma melhor conservação”, ensina Heloísa. “Mantenha sempre os potes etiquetados com o nome do produto e a data de validade”, acrescenta Stella.

Potes ou prateleiras móveis podem ajudar na organização

prateleiras_despensa
Os potes são fundamentais na organização de uma despensa (Foto: Shutterstock)

O mercado oferece uma gama enorme de opções que certamente atenderão as mais diversas necessidades. Os potes são fundamentais na organização de uma despensa. As prateleiras móveis, algumas com vários “andares” e que podem ser montadas e desmontadas, são excelentes para otimização do espaço, auxiliando na organização e na criação de espaços extras.

Produtos de limpeza devem ficar longe dos alimentos

despensa_limpeza
O cheiro dos materiais de limpeza pode comprometer os alimentos, sem falar do risco de vazamentos (Foto: Shutterstock)

A lavanderia ou área de serviço são o local ideal para os produtos de limpeza. Eles devem ficar longe dos alimentos. “O cheiro dos materiais de limpeza pode comprometer os alimentos, sem falar do risco de vazamentos. O ideal é mantê-los em ambientes distintos, porém se isso for inviável, mantenha-os os mais distantes possível. Separe os materiais de limpeza em caixas ou cestas plásticas”, explica Malú.

Faça uma limpeza mensal na despensa

Aproveite para esvaziar a despensa antes de uma compra grande. Tire tudo e prepare o espaço para receber as novas compras. Utilize sempre produtos neutros, sem cheiros fortes. Uma esponjinha com detergente neutro, depois um pano com água e por último um pano seco pode ser uma opção.

despensa_organizada
Utilize sempre produtos neutros, sem cheiros fortes (Foto: Shutterstock)

Álcool também funciona. O importante é garantir que o espaço estará seco quando for retornar utensílios e produtos para o local. “Essa prática além de manter sua despensa organizada auxiliará você na elaboração da lista de compras, evitando a compra de produtos desnecessários e o esquecimento de algum item. Lembre-se também de lavar as latas e vidros antes de guardá-los”, aconselha Stella.

Para armários com umidade, eis a solução

Existem alguns antimofos no mercado que são boas opções. Mas lembre-se de nunca colocar nada com cheiro forte próximo dos alimentos. Alguns truques caseiros podem ser a solução do problema da umidade e até insetos. “Para controlar o mofo e os insetos use um potinho aberto com sal ou com bicarbonato de sódio dentro do armário. Eles absorvem a umidade”, diz Malú. Heloísa ensina outra saída: “Pode colocar uns pedaços de giz embrulhados em um pedaço de tule, ou produtos específicos para tirar umidade, mas que não tenham cheiro”, orienta a profissional.

 

Fonte: Zap imóveis

Como a tecnologia está construindo cidades mais seguras e sustentáveis?

O fluxo de pessoas para as áreas urbanas é uma preocupação de governos no mundo todo e parece ser um processo sem volta. De acordo com as Nações Unidas, o percentual de pessoas vivendo em áreas urbanas chegará a 68% até 2050. Com essa movimentação, problemas típicos de grandes centros urbanos se tornam ainda maiores – como é o caso da criminalidade, da burocracia, da necessidade de infraestrutura de comunicação e da emissão de carbono.

Compreender a movimentação e o comportamento das pessoas é essencial para combater esses problemas, e tecnologias como a Internet das Coisas, Big Data, Inteligência Artificial e computação em nuvem são peças-chave para garantir que o crescimento desses ambientes seja seguro e sustentável.

As iniciativas de cidades inteligentes estão criando novos ecossistemas, novos mercados e novas economias totalmente digitais em todo mundo. E o conceito de cidades inteligentes só é real se existir a utilização intensiva de tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) em espaços urbanos, e elas precisam ser sensíveis ao contexto da área, gerando dados que serão usados para melhorar a gestão urbana e social. Porém, para que isso aconteça, é necessário o básico de infraestrutura das próprias TICs.

Neste contexto, a conectividade é a condição indispensável de um ecossistema avançado que possibilite a criação de cidades inteligentes. Estar preparado para o 5G, possuir redes de fibra óptica cortando a cidade e o armazenamento na nuvem são pilares substanciais que deverão direcionar os investimentos.

Porém, antes de ser inteligente, a cidade precisa ser segura. Isso porque a segurança é a mais básica necessidade social e, além disso, a infraestrutura para cidades seguras (conectividade e armazenamento) pode ser inteligentemente direcionada para quase a totalidade das demais iniciativas de cidades inteligentes.

Vários países no mundo já recebem projetos dentro do conceito de Safe City, inclusive o Brasil. No Rio de Janeiro, existe o Luz Azul, um projeto da empresa Venses Tecnologia em parceria com o Secovi Rio que consiste na instalação de câmeras de vigilância identificadas com uma luz azul voltadas para a rua. As imagens captadas são armazenadas em na nuvem da Microsoft (AZURE) e compartilhadas com a Polícia Civil em tempo real.

Segurança pública de qualidade é uma necessidade de todo grande centro urbano e o uso de tecnologias é comprovadamente eficaz para garantir não só um sistema de segurança inteligente, como também para promover melhor qualidade de vida para os habitantes, por meio de soluções que visam melhor eficiência de todo o ecossistema das cidades.

 

Fonte: Condomínios Verdes

O condomínio está com dívida. E agora?

Para a segurança do síndico e dos condôminos, todo condomínio deve ter contabilidade regular, diz o presidente do CRCSC.

Um dos maiores problemas para o condomínio é a inadimplência dos moradores. Mas, e quando a situação é inversa e o condomínio é que está devendo? O que fazer? “Trata-se de um desafio recorrente no dia a dia dos síndicos e que causa grandes impactos na administração, seja pela questão financeira no orçamento ou pelo aspecto moral”, avalia o presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Santa Catarina (CRCSC), contador Marcello Seemann. Para esclarecer as principais dúvidas na hora de resolver as despesas condominiais, o Jornal dos Condomínios entrevistou o presidente do CRCSC e o advogado Alberto Luís Calgaro, especialista em Direito Imobiliário.

Mas o que leva o condomínio a chegar a essa situação? Acumular pequenas dívidas? Pagar contas e tributos em atraso? Falta de planejamento? “Pela lógica, não deve faltar dinheiro para as contas, pois a arrecadação mensal da taxa de condomínio deve ser o necessário para cobrir todas as suas despesas mensais. Afinal, o condomínio não é uma empresa, não exerce atividade econômica e não possui lucro, mas tão somente realiza o rateio mensal das suas despesas entre os condôminos”, atesta Alberto Calgaro.

Segundo ele, o acúmulo de dívidas pelo condomínio, via de regra, é causado por má gestão do síndico – que gasta mais dinheiro do que poderia -, ou que calcula mal a previsão orçamentária para fixação do reajuste anual do valor da taxa condominial. Mas, de outro lado, afirma ele, há também as situações inesperadas como, por exemplo,um aumento imprevisível do percentual de inadimplência da taxa condominial, do reajuste de despesas com terceiros acima da inflação (salários de empregados, água, luz etc.).

Na verdade, diz Calgaro, é importante destacar que ser síndico é uma atividade complexa, pois ele administra o patrimônio de terceiros, assumindo inúmeras obrigações e, consequentemente, responsabilidades. “Ele é responsável pelo funcionamento do condomínio e, em alguns casos, pelos pagamentos e recebimentos. Sua responsabilidade é fazer a parte financeira de forma correta e prestar contas da arrecadação e utilização dos valores aos condôminos”, emenda Seemann.

Como evitar transtornos

Para Alberto Calgaro, é recomendável que o síndico busque o auxílio de profissionais para lhe assessorar na gestão. Uma boa empresa do ramo de administração e contabilidade condominial, por exemplo, saberá orientar o síndico sobre todas as obrigações legais, além de fazer o controle de folha de pagamento dos empregados do condomínio e a emissão das guias de recolhimento dos tributos e contribuições devidas.

Mesmo contando com a assessoria de uma empresa ou profissional, é importante destacar que o síndico continua sendo responsável pela administração do condomínio, motivo pelo qual – auxiliado por um Conselho Fiscal atuante – deve sempre conferir as guias emitidas e pagamentos realizados, de modo a se certificar que todas as obrigações estão sendo corretamente cumpridas.

“De tempo em tempo o síndico também pode solicitar certidões negativas junto aos órgãos públicos (INSS, Receita Federal e Municipal etc.) de modo a se assegurar de que não há nenhuma obrigação pendente, ou, se houver, para que possa resolvê-la o mais cedo possível”, alerta o advogado.

Ele lembra também que todos os anos as despesas condominiais sofrem reajuste e, igualmente, a taxa condominial deve ser reajustada, sob pena de ficar defasada e faltar dinheiro para o pagamento das despesas. “Caso o síndico perceba que vai faltar dinheiro para as despesas mensais, deve imediatamente dar conhecimento ao Conselho Fiscal, para que se identifique se é uma situação excepcional, ou se há a necessidade de reajustar a contribuição condominial”, ressalta Calgaro.

Nesse segundo caso, destaca o advogado, o síndico deve convocar uma Assembleia Geral Extraordinária, apresentando aos condôminos o déficit existente e propondo formas de aumentar a arrecadação do condomínio. Agindo assim, o síndico dá conhecimento da situação a todos e pode encontrar uma solução para fazer frente às despesas, dividindo a responsabilidade com a Assembleia Geral e não podendo ser acusado no futuro de ter omitido tal fato dos condôminos.

“Para a segurança do síndico e dos condôminos, todo condomínio deve possuir contabilidade regular, com Livros Diário e Razão, sendo o Livro Diário registrado em cartório, pois a contabilidade registra todas as operações ocorridas no CNPJ do condomínio”, aconselha o contador Marcello Seemann, lembrando que as administradoras e os escritórios de contabilidade precisam encaminhar ao condomínio, após o processamento das informações, toda a documentação, para que esta fique sob a guarda do condomínio.

“Documentos trabalhistas não devem ser descartados. Demais documentos como extratos bancários, despesas, etc. devem ser guardados por no mínimo cinco anos. Quando houver contratações de terceirizados, o condomínio deve exigir da empresa que foi contratada a cópia dos documentos do trabalhador. Esse processo é importante para verificar se a empresa terceirizada está pagando o salário correspondente, recolhendo o FGTS e INSS, pois como o trabalhador realiza suas atividades nas dependências do condomínio, este se torna corresponsável”, explica Seemann.

Confira as complicações para o condomínio

– Se o condomínio estiver com dívidas, estas estarão registradas no seu CNPJ, portanto não será possível emitir certidões negativas. Isso pode prejudicar as operações com bancos e fornecedores. Os impostos e contribuições como PIS sobre a folha de pagamento, INSS, FGTS, impostos retidos na fonte, ISS, IPTU, quando em aberto, são encaminhados posteriormente para Dívida Ativa. Esses impostos podem ser quitados de uma só vez ou, em alguns casos, podem ser parcelados.

– O síndico responderá civil e criminalmente caso seja comprovada alguma má-fé de sua parte em relação à administração. Sobre cobrar algo do síndico, sempre será na esfera civil ou criminal, para tentar reaver valores, caso o encarregado tenha causado algum dano ao condomínio.

– Quando o Condomínio contrata uma administradora, ela fará o papel do financeiro, de arrecadar e pagar as contas, portanto terá as mesmas implicações que o síndico. Se houver alguma má-fé por parte da administradora do condomínio, ela sofrerá processos cíveis e criminais. De qualquer forma, as dívidas continuam sendo no CNPJ do condomínio.

-As dívidas do condomínio estão atreladas ao seu CNPJ. Se o proprietário do imóvel quiser vender seu apartamento e houver débitos no condomínio, o novo proprietário estará assumindo essa dívida.

– Em caso de dívidas de impostos, as contas irão para Dívida Ativa. Em caso de débitos com fornecedores, bancos, tais débitos constarão no Serasa e SPC. É importante frisar que as dívidas podem impedir operações bancárias e com os fornecedores.
Fonte: Marcello Seemann, contador

ENCARGOS

O condomínio possui inúmeras obrigações fiscais e previdenciárias, seja como contribuinte ou como substituto tributário. Os encargos, segundo Alberto Calgaro, podem variar conforme cada caso, mas em geral pode-se citar:

– Recolhimento de INSS sobre o pró-labore do síndico;
– Recolhimento de INSS, FGTS, PIS sobre o salário dos funcionários;
-Retenção e recolhimento de INSS, PIS/COFINS/CSLL e ISS quando da contratação de prestadores de serviços (essas obrigações podem variar conforme o enquadramento da empresa de prestação de serviços);
– Recolhimento da contribuição sindical patronal no dia 31 de janeiro de cada ano;
– Desconto da contribuição sindical dos funcionários na folha de pagamento do mês de março e recolhimento ao sindicato dos empregados no mês de abril de cada ano;
– Recolhimento da taxa para solicitação de vistoria do Corpo de Bombeiros nos sistemas de prevenção e combate a incêndio.

 

Fonte: Condomínios Sc

Jardim do condomínio exige mais cuidados no verão

O jardim do condomínio é um local que precisa de muitos cuidados, que devem se intensificar em dias mais quentes, como esses de verão que estamos enfrentando. Resolvemos, então, abordar esse tema no post de hoje, te ajudando a saber a melhor maneira de agir durante essa estação.

Com o verão, além do calor intenso, as chuvas também se tornam mais comuns. Esse clima contribui para o desenvolvimento da área verde, porém, infelizmente, também favorece o surgimento de pragas e doenças vegetais. É preciso ficar atento às plantas, com manutenções contínuas.

Se você conta com a assessoria de profissionais especializados (como um paisagista e/ou técnico de jardinagem), é interessante que eles façam uma avaliação de toda a área verde quinzenalmente, observando e indicando as ações que precisam ser implementadas.

Dentre os cuidados mais frequentes estão, por exemplo:

– Corte de gramas;

– Controle de fungos e pragas;

– Escolha das plantas mais adequadas para cada área.

Guiando-se pelas orientações profissionais, o condomínio conseguirá cuidar melhor do seu jardim, preservando os trabalhos de planejamento e manutenção feitos no espaço ao longo do tempo, e mantendo as plantas mais saudáveis e bonitas – com custos reduzidos, se feito corretamente.

Se o trabalho é bem feito durante todo o ano, no período dos dias mais quentes de verão o propósito será o mesmo: conservar e manter as plantas, da melhor forma possível. Assim, é importante não deixar só para essa estação os cuidados com a área verde, mas fazê-lo durante todo o ano.

Outro ponto importante dessa manutenção constante e preventiva é a valorização do imóvel. Além de ajudar a melhorar a qualidade do ar e agradar aos condôminos que frequentam o edifício e seus visitantes, é, também, um ponto de destaque no mercado imobiliário.

Veja, a seguir, alguns tópicos que devem ser observados:

– Defina os galhos que precisam ser podados, evitando cortar aquelas que são necessários para a saúde da árvore. Cortar os galhos que estão em excesso favorece o envio de nutrientes para as partes saudáveis da planta. A poda da árvore também serve para moldar um formato, o que é indicado de ser feito uma vez a cada estação.

– Capinar áreas verdes faz com que elas fiquem mais bonitas e viçosas, evitando o crescimento excessivo.

– Opte por valorizar as espécies nativas, que trazem sustentabilidade ao jardim, não necessitando de tantos nutrientes ou irrigação, já que são adequadas àquele clima.

Esperamos que, com as informações e dicas que trouxemos nessa matéria, você consiga cuidar melhor das áreas verdes do seu condomínio, mantendo-as saudáveis e bonitas durante o ano inteiro, livres de pragas e outras companhias indesejadas. #FicaADica

Danos causados por rachaduras e fissuras

As rachaduras e fissuras podem ser muito mais perigosas do que aparentam, causando danos realmente preocupantes. Falaremos melhor sobre essas anomalias na matéria de hoje, que precisam ser tratadas e resolvidas corretamente. Confira mais informações a seguir!

Podendo esconder problemas que vão muito além da estética, as rachaduras, trincas e fissuras que surgem nas paredes e tetos precisam de atenção redobrada. Elas podem aparecer por mudanças na temperatura, recalques do solo ou, até mesmo, má execução de obras.

De qualquer forma, por poderem representar problemas bem mais sérios do que se costuma imaginar, qualquer sinal de um desses problemas precisa ser analisado com muito cuidado, mesmo quando são, aparentemente, inofensivos. E, para isso, deve-se contar com ajuda profissional.

Assim, a primeira coisa a ser feita deve ser solicitar uma investigação por um especialista no assunto, que saberá identificar a causa do problema. A partir dessa avaliação técnica, descobrindo a origem do transtorno, procura-se o tratamento correto para ele.

Outro ponto importante desse assunto é o uso indevido de impermeabilizantes e vários outros produtos tidos como “milagrosos” em situações quando são identificadas rachaduras, por onde ocorrem infiltrações, vazamentos e/ou goteiras, causando umidade no ambiente.

O que acontece é que, querendo resolver o problema de forma mais barata e rápida, a pessoa acredita que o impermeabilizante solucionará a questão, o que, em muitos casos, acaba apenas mascarando o problema e, além de não resolvê-lo, ainda pode fazer com que ele piore.

Então, independente da anomalia encontrada, a sugestão é uma só: procure o auxílio de um especialista, escute o que ele tem a dizer, deixe que ele identifique o real problema e suas causas e, então, te aconselhe sobre a solução para o ocorrido, já que, sem dúvidas, ele saberá o tratamento mais adequado. #FicaADica

 

Cuidados básicos amenizam os efeitos do calor

Para os síndicos, a estação apresenta desafios no dia a dia da administração de seus condomínios, e alguns cuidados podem ser observados para enfrentar o verão sem maiores sobressaltos.

Veja dicas para amenizar o efeito do calor em alguns setores do condomínio:

Rede Elétrica

“A rede elétrica pode apresentar sérios problemas principalmente em condomínios mais antigos que não passaram por reformas e ainda possuem uma rede obsoleta que não suporta a instalação de diversos equipamentos como ar condicionado. Neste verão tivemos mais de uma ocorrência de picos no consumo de energia elétrica”, lembra Amanda Campos Zeferino, sócia-diretora da Correta Condomínios.

Funcionários

A temperatura elevada também aumenta o metabolismo do organismo, que passa a produzir mais suor para se proteger. Mas essa proteção se torna um problema quando o líquido perdido não é reposto.

“Um ambiente refrigerado e com boas condições de trabalho também evita a queda na pressão e sonolência, que tiram a disposição e o estado de alerta dos funcionários. Uma alimentação leve em intervalos regulares também são cuidados interessantes de ser observados”, analisa Elio Beuter, da Beuter Treinamentos Profissionais.

Ar condicionado

Ligados praticamente 24 horas por dia, esses aparelhos já podem ser considerados as estrelas da temporada. E justamente pelo maior período de tempo que permanecem ligados, a limpeza dos filtros e dutos, que acumulam as impurezas do ambiente, merece atenção dobrada.

A manutenção e limpeza dos equipamentos devem obedecer às especificações de cada fabricante. Sua ausência pode agravar doenças respiratórias, conjuntivites e alergias.

Plantas e Jardins

No verão, as plantas têm maior atividade metabólica e, consequentemente, precisam de mais nutrientes, mas não é simplesmente regar, como explica o engenheiro agrônomo Fernando Marinho, proprietário da Casa Verde Garden Center. “É importante manter o solo com alto teor de matéria orgânica para que absorva mais umidade. Isso pode ser feito através da adubação no fim do inverno ou com a cobertura do solo com serragem, casca de árvore e até a grama cortada.”

“O calor vai secar a cobertura e manter a umidade. Com o solo incrementado, a rega é mais eficiente, não gasta muita água e a planta permanece saudável em vasos e jardins, mas os benefícios aparecem com a continuidade”, completa. Outra dica importante é fazer a rega nos horários mais frescos, mas pela manhã o efeito é potencializado, uma vez que nutre a planta durante as horas mais quentes do dia.

Piscina

O calor também exige cuidados dobrados com a manutenção de piscinas uma vez que a evaporação dos produtos usados na limpeza e a proliferação de algas e micro organismos são maiores.

“É preciso especial atenção com os níveis de cloro, ph e com a filtragem da água. A ação de protetor solar também influencia diretamente a limpeza, assim como ele bloqueia a ação dos raios ultravioletas, também anula totalmente a ação do cloro; claro que é desumano não recomendar seu uso, mas uma ducha antes de entrar na piscina ameniza muito esse efeito”, declara Rafael dos Santos, gerente de manutenção da Cia H2O manutenção de piscinas.

Fonte: Condomínio SC

Crianças em condomínios: o que você precisa saber?

Grande parte dos condomínios brasileiros têm crianças, que precisam seguir algumas regras (elas e seus responsáveis), para que tudo continue transcorrendo da melhor maneira no edifício, evitando desentendimentos e acidentes. Sobre esse tema, falaremos melhor no post de hoje. Confira!

A boa convivência no condomínio é muitíssimo importante para todos os condôminos, sendo, também, de responsabilidade de cada um deles. E as crianças não poderiam ficar de fora. Elas precisam ser instruídas por seus responsáveis sobre essa questão, evidenciando a importância do respeito e da gentileza.

Além disso, vale a pena conversar com os pequenos sobre, por exemplo, barulho x silêncio, segurança no prédio (dentro e fora das unidades) e cordialidade. Como as normas devem ser respeitadas por todos, os pais precisam enaltecer sua importância, obedecendo e orientando as crianças.

Entre as regras mais comuns, estão, por exemplo:

  • O horário permitido para brincadeiras nas áreas comuns do condomínio, que costuma ser entre 09h-20h, podendo variar em casa edifício, devendo ser respeitado o que consta na Convenção ou Regulamento Interno.
  • As crianças não podem atrapalhar os funcionários do condomínio na execução de suas tarefas. Por isso, não devem ficar em locais inadequados, como, por exemplo, a guarita do porteiro.
  • Crianças pequenas devem, sempre, estar acompanhadas por adultos. Isso é essencial, já que o condomínio pode esconder muitos locais perigosos, como, entre outros, piscinas, instalações elétricas, elevadores e escadas.
  • Mesmo dentro dos apartamentos, as brincadeiras não devem ir até tarde, respeitando o horário de silêncio e o sossego dos vizinhos. Aqui, o horário permitido costuma ser até às 22h.
  • Os funcionários não podem cuidar das crianças do condomínio. Por isso, não deixe seu filho sob os cuidados de nenhum funcionário, nem que seja por “apenas cinco minutinhos”.

E então, o que você achou dessas informações?! São normas que, na realidade, não são nada complicadas e apenas prezam pelo bem-estar e conforto de todos, além do bom funcionamento do condomínio. Por isso, faça a sua parte, incentivando seus filhos a fazerem a deles e, lembre-se: respeito e bom senso em primeiro lugar!