Vantagens e desvantagens de revestir com pastilhas

Bonitas e versáteis, as pastilhas são opção para revestir novas fachadas ou revitalizar antigas

Diferente dos demais revestimentos, as pastilhas são muito utilizadas como elemento decorativo em paredes, bancadas, piscinas e fachadas, tanto em condomínios novos como antigos. Com opções em porcelana, cerâmica, vidro, metal ou até mesmo madeira, é preciso ficar de olho nas características técnicas de cada peça e em suas vantagens e desvantagens no dia a dia.

Segundo o arquiteto Rodrigo Kirck, os maiores benefícios são a durabilidade dos materiais e o aumento de proteção hidrotérmica para as fachadas. Além disso, há o fato de, em reformas, possibilitar a revitalização de imóveis já considerados antigos. “Hoje existe uma gama muito variada de produtos, os quais irão se adequar melhor de acordo com cada tipo de empreendimento conforme a altura, o tipo de área a ser coberta, a possibilidade de manutenção e outros fatores”, relata.

Engenheiro civil e diretor do Instituto Catarinense de Engenharia de Avaliações e Perícia (IBAPE-SC), Murilo Azevedo Brasil afirma que entre as opções utilizadas em projetos de retrofit de fachada estão as aeradas ou ventiladas, técnica em que as placas cerâmicas são colocadas através de fixadores metálicos e apresentam, por exemplo, melhoria do conforto térmico e acústico, maior durabilidade, estanqueidade, e possibilitam a utilização de peças cerâmicas de grandes formatos. “A tendência no mundo e no Brasil é de cada vez mais se utilizar as fachadas ventiladas, porém o maior custo desse sistema ainda é um inibidor de utilização da tecnologia”, comenta.

Nas fachadas aderidas, ou seja, quando a cerâmica é colada diretamente no reboco, o engenheiro explica que se utilizam peças menores e que normalmente são fornecidas já com tela para facilitar a aplicação. “Estas peças devem ter baixa absorção de água a fim de permitir maior durabilidade”, ressalta.

Murilo lembra que, de acordo com a norma de desempenho NBR 15.575, tanto o revestimento de placas cerâmicas quanto as fachadas ventiladas devem ter uma vida útil projetada de no mínimo 20 anos. “A vida útil projetada só será alcançada se os processos de manutenção forem corretamente executados”, lembra.
Se por um lado, há economia evitando pinturas constantes, por outro, a manutenção pode trazer problemas como descolamento, quebra, acúmulo de água nas juntas e falta de material para reposição.

Problemas mais comuns

Segundo o engenheiro o descolamento é a manifestação mais séria, devido ao risco de acidentes com usuários e transeuntes, e aos elevados custos necessários para o reparo. O engenheiro ressalta que, nesse caso, a primeira providência a se tomar é isolar a área, pois a queda de peças pode atingir pessoas. “O primeiro sinal dessa patologia é a ocorrência de som oco nas placas cerâmicas quando percutidas, e sua causa é associada à perda de aderência entre algum dos elementos que compõem a fachada e originada por tensões que ultrapassam a capacidade de aderência”.

Podem acontecer ainda depósitos cristalinos de cor esbranquiçada e aspecto escorrido que surgem na superfície do revestimento, resultantes da infiltração de água, comprometendo a estética e podendo provocar degradações profundas. Outros problemas são as manchas e bolores provocados por infiltrações frequentes associadas aos deslocamentos e desagregação dos revestimentos ou a porosidade do material e até mesmo a sujeira acumulada em calhas ou parapeitos. Podem ocorrer ainda trincas e fissuras em razão de esforços mecânicos de tração, que causam a separação das placas e surgem normalmente nos primeiros e últimos andares do edifício. Menos frequente, o gretamento é o efeito formado por uma série de pequenas aberturas na superfície esmaltada das placas cerâmicas dando aspecto envelhecido à fachada.

Seja qual for o problema, o arquiteto Rodrigo Kirck destaca a importância de se ter uma avaliação técnica da causa para só assim se definir uma solução para o problema. “Nunca se deve reaplicar novas pastilhas, sem antes ter uma definição correta da patologia e qual solução técnica aplicar, pois há o risco de acontecer novos descolamentos em um curto período de tempo”, orienta.
Manutenção

Os profissionais destacam a manutenção preventiva como o melhor caminho, pois tem custo muito inferior à manutenção corretiva e salientam a importância de estar atento ao tipo de material, pois cada sistema tem suas especificidades, não sendo algo com uma solução única.

Murilo Brasil lembra que é muito importante que a manutenção obedeça ao manual de uso, operação e manutenção do prédio, evitando-se a perda de garantia e de desempenho precoce e dificultando atingir a vida útil da fachada. O engenheiro orienta que se faça a lavagem da fachada a cada três anos, com pressão moderada para não danificar o rejunte, limpando com pano umedecido e detergente neutro e verificando todos os elementos. “Deve-se ter especial atenção quanto à integridade do selante, observando-se o surgimento de fissuras, descolamento das bordas e sua elasticidade”, conclui.

Fonte: Condomínios SC

Não escorregue na segurança ao decorar sua casa

Um apartamento bonito e bem decorado é o sonho de qualquer um, não é mesmo? Porém, a beleza não deve ser prioridade na sua casa nova. Afinal, de que vale ter um imóvel de luxo que não oferece nenhuma segurança aos moradores? Pensando nisso, na nossa matéria de hoje separamos algumas dicas para você decorar a sua casa evitando erros que podem ser prejudiciais à saúde da sua família.

1) Pisos antiderrapantes: devem ser utilizados em áreas que recebam água, como banheiros, lavanderias, varandas, ao redor de piscinas e demais espaços externos. Vale lembrar que existem diversos tipos de pisos, uns rústicos e outros mais modernos. Cabe ao morador escolher aquele que mais se adequa a decoração de sua casa.

2) Escadas: para esses espaços é imprescindível o uso de corrimão e pisos antiderrapantes. Em nenhuma hipótese coloque tapetes ou algum elemento que possa se desprender na escada. Vale lembrar que a altura dos degraus deve ser confortável e sua largura deve comportar duas pessoas sem precisar que uma dê espaço para a outra.

3) Tomadas: banheiros, lavanderias e cozinhas são locais onde as tomadas demandam mais cuidado por causa do possível contato com a umidade. Uma dica é usar aparelhos movidos a pilha nesses cômodos. Se não for possível, procure colocar as tomadas sobre as pias e não muito próximas à superfície. Se tiver crianças em casa, não esqueça de comprar protetores e instalá-los em todas elas.

4) Banheiros: para esses espaços um banheiro funcional é excelente. Isto é, um ambiente visualmente limpo e moderno onde os objetos necessários para uso pessoal estão sempre próximos ao usuário.

5) Vidros: a utilização de vidro na decoração demanda bastante cuidado. Quando se tem crianças ou idosos em casa, as mesas de centro não são recomendadas. Já que elas podem causar inúmeros acidentes. Uma dica para esses casos é adotar um puff estofado como mesa de centro.

6) Redes: as redes de proteção são itens de extrema necessidade quando se tem crianças em casa. Porém, antes de implantá-la um planejamento deve ser feito. Cada uso definirá o tamanho ideal da trama. Depois disso, é possível definir a partir da cor que melhor combine com a fachada sua residência.

Em suma, os pontos citados anteriormente são coisas tão simples que muitas vezes passam despercebidas. Por isso, fique atento e observe se alguns desses erros estão sendo cometidos na sua casa. Por último, não esqueça de compartilhar essas informações com seus familiares e amigos.

 

4 dicas de arrumação para aplicar todos os dias

Para um bagunceiro de carteirinha, ser uma pessoa mais organizada pode parecer impossível. Mas, alguns exercícios básicos já podem ajudar a tornar mais fácil a tarefa de deixar o ambiente ao redor mais agradável. Muitos falam por exemplo que arrumar a cama ao acordar é o primeiro passo para a transformação. E, de fato, chegar em casa à noite e ter uma cama arrumadinha é um daqueles pequenos prazeres que nem dá para explicar. É o famoso “quentinho no coração”. Abaixo, trazemos algumas dicas do site Apartment Therapy que podem ser aplicadas hoje mesmo.

– Cada coisa no seu lugar

A primeira coisa para não ter uma casa desordenada (que dará muito mais trabalho de arrumar depois) é colocar tudo no seu lugar ao fim do dia. Não vá para cama antes de lavar a louça, depositar as roupas no cesto para lavagem ou de passar rapidamente uma vassoura na casa. Depois que você pegar o hábito verá como o trabalho não é tão grande, além de compensar muito. Lembre da famosa frase do educador Paulo Freire: “É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal forma que, num dado momento, a tua fala seja a tua prática”.

– Bagunce menos

O segundo item é óbvio, mas pode até te livrar daquele primeiro item. Se você não bagunçar, não terá nada para arrumar. Simples assim. A dica (pessoas organizadas não entenderão a dificuldade de praticar isso) é sempre ter em mente que se você tirar algo do lugar, uma hora terá que colocá-lo de volta. Então, não deixe sapatos ou roupas espalhadas pela casa, por exemplo. Ao tirar do corpo automaticamente deposite-os em seus respectivos utensílios. Sujou? lave; não vai mais usar? guarde. Mais uma vez é preciso praticar o ritual como um mantra.

– Arrumação exata

Outra coisa importante para quem quer manter um lar organizado é saber exatamente onde cada item da casa ficará guardado. Pegou uma revista ou encarte de exposição, por exemplo? Qual espaço este item deve ocupar em sua casa? Quando você define onde cada coisa deve ficar, separando por categorias, fica bem mais fácil manter os espaços organizados.

– Não tem hora para limpar

Você até pode separar um horário ou dia da semana para limpeza, mas o fato é que pendências surgem a todo momento e não dá para esperar o “dia da limpeza”. A chance da bagunça se acumular e virar algo ainda menos convidativo é grande. Em outras palavras, quanto mais você deixa para depois, pior fica. Portanto, assuma uma rotina de limpeza sem neuras. Não pense muito também. Faça o que pode ser feito na hora e aprecie o prazer de habitar em um espaço limpo e organizado todos os dias.

Fonte: Ciclo Vivo

Dicas para deixar a sua sala de jantar mais bonita

No passado, sala de jantar era sinônimo de status. Era nesse ambiente que as famílias exibiam sua riqueza através da fartura de alimentos e de toalhas, arranjos, castiçais, louças e jogos de talheres caros.

Os mais abastados investiam excessivamente na decoração da casa e mantinham essa área reservada para as maiores celebrações e reuniões.

Na modernidade e na contemporaneidade, a sala de jantar passou a reunir o que tem de melhor na vida – comida, amigos e família!

Se antes a sala de jantar era menos frequentada, em contrapartida, hoje, tem se tornado cada vez mais popular.

Ela continua sendo um dos espaços sociais mais importantes das residências. É onde as famílias se reúnem para interagir de maneira íntima e descontraída.

E o segredo para seu conforto, beleza e praticidade está nos toques sutis dos pequenos detalhes decorativos.

Confira a seguir dicas especiais de como acertar na hora de decorar uma sala de jantar.

1) Estabelecendo um layout para a sala de jantar

Geralmente, na contemporaneidade, a sala de jantar tem um conceito mais aberto. Ela aparece, nas plantas baixas, integrada a outros ambientes, como às salas de estar, cozinhas, jardins de inverno, varandas e sacadas.

Nesse caso, os móveis é que servem de delimitadores ou de divisórias entre as áreas de preparo dos alimentos, de refeição e de descanso físico.

Não importa se o ambiente é pequeno ou grande, a escolha de móveis, de revestimentos e de peças decorativas deve seguir uma mesma linha.

Na sala de jantar, a regra é primar por uma atmosfera arejada, bonita, descontraída e convidativa. Tudo deve ser bem posicionado.

O espaço de circulação das pessoas precisa ser preservado – entre os móveis, no mínimo 60 cm, e entre a mesa e as paredes 1,20m.

2) Escolhendo revestimentos de parede e de piso para a sala de jantar

Uma maneira de quebrar com a monotonia da sala de jantar é aplicar cor às paredes. Os tons neutros podem tornar o ambiente muito cansativo.

Para despertar o apetite e aguçar o paladar, os tons de verde ou vermelho são ótimas opções.

Dependendo dos planos livres disponíveis, o proprietário do imóvel pode optar por revestimentos mais caros, como as pedras e os tijolos aparentes; ou mais baratos, como os adesivos.

Se a sala tiver um tamanho pequeno, um espelho proporcionaria a sensação de mais amplitude – peças lisas, sem molduras, são as melhores.

De acordo com certas correntes de pensamento, como o Feng Shui, acredita-se que o reflexo da mesa multiplicaria a prosperidade da família.

Outra dica são os quadros com gravuras de frutas e flores, evocando boas energias para esse setor da casa.

No piso, sob as mesas e cadeiras, pode-se ter um tapete. Sim, os tapetes também funcionam na decoração de salas de jantar, principalmente, protegendo o piso do movimento das cadeiras.

Só que as peças que são indicadas para outros cômodos não são as mesmas para esse caso.

Elas devem ter um fio mais curto e ser de um material mais resistente e de fácil limpeza.

3) Planejando a iluminação da sala de jantar

A primeira questão que deve ser destacada quanto à iluminação de salas de jantar é que não pode haver reflexos nos olhos das pessoas. Nem a área da mesa pode ficar muito quente.

Durante o dia, quanto mais luz natural melhor. Cortinas ou persianas são úteis para fazer a regulação da entrada dos feixes de luz, tornando o visual mais refinado. Já a luz artificial precisa receber uma atenção maior.

Para a sala de jantar ficar aconchegante, recomenda-se a utilização de um sistema de luz difusa, preferencialmente na cor amarela.

Sobre a mesa de jantar, lustres ou luminárias do tipo pendentes são ótimas opções. Elas devem ficar bem posicionadas em relação ao centro, e entre 75 cm a 1 m acima do tampo.

Se houver espelhos nas paredes ao redor, é fundamental estudar os focos de luz e seus possíveis reflexos.

4) Escolhendo os móveis para a sala de jantar

O ponto mais importante para a definição da decoração da sala de jantar é a escolha do mobiliário.

Que as mesas e cadeiras são os elementos mais básicos, a atração principal desse ambiente, todos sabem. Mas, entender como escolher as peças de formato, material, cor e tamanho certos é algo que poucos dominam.

E a resposta até que é simples.

Tudo vai depender da área disponível em planta e do estilo de decoração pré-determinados pelo projetista!

As mesas são o ponto de partida para qualquer tipo de decoração. O formato desse móvel determinará toda a configuração do layout da sala de jantar e os espaços livres para a circulação das pessoas.

Ele pode apresentar um tampo oval, redondo, quadrado ou retangular. Resumidamente, fala-se que ambientes retangulares combinam melhor com mesas de bordas retas – as demais ficam para salas amplas.

5) Escolhendo os móveis para a sala de jantar

O ponto mais importante para a definição da decoração da sala de jantar é a escolha do mobiliário.

Que as mesas e cadeiras são os elementos mais básicos, a atração principal desse ambiente, todos sabem. Mas, entender como escolher as peças de formato, material, cor e tamanho certos é algo que poucos dominam.

E a resposta até que é simples.

Tudo vai depender da área disponível em planta e do estilo de decoração pré-determinados pelo projetista!

As mesas são o ponto de partida para qualquer tipo de decoração. O formato desse móvel determinará toda a configuração do layout da sala de jantar e os espaços livres para a circulação das pessoas.

Ele pode apresentar um tampo oval, redondo, quadrado ou retangular. Resumidamente, fala-se que ambientes retangulares combinam melhor com mesas de bordas retas – as demais ficam para salas amplas.

Em ambos os casos, para garantir mais conforto, a distância entre a parte inferior do tampo da mesa e o assento das cadeiras deve ser de cerca de 30 cm.

Além do conjunto de mesa e cadeiras, o proprietário do imóvel pode investir em peças complementares para a sua sala de jantar.

São exemplos os aparadores, as cristaleiras e os carrinhos de apoio.

Também os pufes e banquinhos, que serviriam de assentos extras. Clássicos ou modernos não importa. Seu design, cores e materiais devem se adaptar ao tipo de decoração proposto.

O que mais interessa é se são bem estruturadas, resistentes, e se proporcionarão harmonia visual e conforto aos usuários!

6) Decorando a mesa de jantar

As refeições são o momento mais mágico para quem gosta de design. O toque final da sala de jantar ficará a cargo dos utensílios e elementos decorativos. Vestir a mesa com bonitas toalhas, trilhos ou jogos-americanos é só o primeiro passo.

Por cima disso, ficam todos os outros acessórios, como louças, copos, taças, xícaras, travessas, bandejas, faqueiros e guardanapos.

Castiçais, vasos e arranjos florais – reais ou artificiais – são sempre curingas na decoração de mesas de salas de jantar. Seu mix de tons e brilhos dão aquele “algo-a-mais-requintado” que todos apreciam nas casas de revistas!

Fonte: Revista Zap

Como conseguir mais espaço em casa apenas mexendo na decoração

Atualmente é muito comum ver famílias inteiras morando em apartamentos cada vez menores e, com isso, tudo deve ser milimetricamente calculado para que dê espaço para os móveis e moradores de uma forma confortável. Pensando nisso, nossa matéria de hoje vai dar algumas dicas para você conseguir mais espaço no seu lar apenas mexendo na decoração. Confira!

1) Aposte na tinta

O trabalho de pintura é uma ilusão de ótica. Podemos colocar a mesma cor em praticamente todo o  ambiente com variações de tons. Essa monocromia faz ele parecer maior. Lembre-se também de utilizar, de preferência, tons claros.

2) Coloque espelhos

Espelhos podem ser usados em salas, lavabos, closets e hall de entrada, por exemplo. Ele amplia o ambiente, além de dar um toque extremamente pessoal. Mas fique atento ao que ele vai refletir para que isso não se torne um incômodo futuramente.

3) Portas estilosas

Portas tipo camarão, sanfonada ou de correr, são uma ótima opção para quem não pode perder espaço.

4) Móveis que ajudam

Saber escolher os móveis é essencial! Escolha um mobiliário eficaz e leve, como vidros e espelhos. Estes, são interessantes porque dão uma sensação de transparência.

5) Acerte nos armários

Brinque com os volumes e cores. Não é necessário ter armários fundos ou que ocupem a parede inteira, pode colocar algumas partes em vidro ou espelho. Vale até deixar vazado para dar uma impressão de maior leveza.

6) Derrube a parede

Vale transformar sua cozinha em americana, pois amplia a área de visão da sala e da própria cozinha. Uma solução legal é colocar painéis de correr ou qualquer outra divisória móvel. Além disso, lembre-se de investir em uma coifa para que o cheiro não se espalhe pela casa toda.

7) Iluminação é tudo

Espaços claros ficam sempre mais amplos. Nos pequenos ambientes evite lustres ou pendentes e dê preferência aos embutidos.

O que achou do nosso post de hoje? Curtiu? Então coloque essas dicas em prática e aproveite melhor o espaço do seu apartamento!!

Saiba os objetos que não podem faltar no quarto do bebê

O excesso de enfeites e móveis pode atravancar o quarto do bebê. Então, optar por objetos úteis e essenciais é o melhor caminho para não errar. Dê preferência para os berços que viram caminha e lembre-se que é bom colocar protetor no colchão para facilitar a vida.

“Cesto para roupa suja ajuda muito nos primeiros meses – que são corridos – para não misturar roupa limpa com roupa suja. Lixeira perto do trocador é fundamental”, ensina a designer de interiores Melina Mundim.

As designers de interiores Cris Araújo e Linda Martins, do Maraú Design Studio, explicam que o projeto para o quarto de um recém-nascido deve ser separado em partes: área de descanso, área de troca e área de amamentação.

“Na área de descanso, o berço é o item mais importante. Na de troca, é a cômoda ou um trocador. A escolha de um ou outro depende do tamanho do quarto. A área de amamentação é muito importante porque é o espaço que a mãe vai ficar muito tempo. Normalmente, nesse local, colocamos uma poltrona confortável”, diz Linda.

Melina pondera que a iluminação precisa ser aconchegante. Se a luminária não tiver dimmer, é bom investir em abajur ou arandela para uma luz mais suave e agradável para o bebê. Porém, é importante que tenha iluminação natural, destaca Cris. “Priorize ao máximo, pois ela proporciona um bem-estar que nenhuma luz artificial consegue reproduzir”.

Cômoda ou guarda-roupa?

Melina não gosta de cômoda, acha que logo torna-se inútil e um armário dura mais tempo. Ao contrário de Linda. “É um móvel coringa, porque pode ser usado como trocador e depois utilizado no quarto como um móvel complementar do guarda-roupa, que é sempre essencial ter”.

Todas concordam que é ótimo ter perto do trocador uma bandeja com os itens necessários como algodão, pomadas, garrafa térmica com água quente e lenço umedecido. Isso faz com que a troca seja mais rápida, segura e gere menos estresse possível ao bebê.

Tapete e cortina

É muito bom para o aconchego do quarto ter cortina e tapete, diz Melina, orientando a dar preferência aos que não acumulam muita poeira para facilitar a limpeza. Para Cris Araújo e Linda Martins, o tapete dá conforto e a cortina controlará o excesso de luz no quarto.

Fonte: Revista Zap

5 vantagens de morar em um apartamento pequeno

Atualmente, o conceito em voga é o “compacto” para todos os aspectos possíveis. Portanto, você também deve considerar que residir em um apartamento pequeno, mas aconchegante, pode estar realmente em alta em todo o planeta e muito em função dos preços do mercado imobiliário.

Porém, a mentalidade de aproveitar cada espaço de sua moradia e se sentir realmente em casa tem favorecido muito quem opta por um apartamento pequeno. Com menos espaço físico, você tem a possibilidade de calcular a ocupação adequada para cada centímetro de acordo com a sua necessidade.

Vale destacar também que se trata de uma situação cada vez mais comum por inúmeros motivos: financeiro, preferência, decoração, praticidade ou conforto. Independentemente do motivo para a sua acomodação em um apartamento pequeno, há diversas formas de torná-lo extremamente funcional e agradável.

1. Decoração mais barata

Uma vez que um apartamento pequeno tem espaço para acomodar uma quantidade de móveis e peças de decoração limitada, cada aquisição deve ser muito bem planejada e calculada para não dar a impressão de que o espaço está lotado. Com o menor número de itens decorativos, os gastos com isso são menores.

Vale mais a pena pensar para que cada peça de decoração tenha um destaque maior e seja significativa para os moradores. No entanto, os proprietários podem se dar ao luxo de investir um pouco mais em peças diferenciadas em função da economia com móveis e o valor do próprio imóvel.

2. Organização fácil

Com um espaço menor, os moradores devem selecionar somente os móveis e eletrônicos que podem atender alguma necessidade. Não existe a possibilidade de se apegar a coisas sem uso, sendo assim, a lista de compras acaba ficando bastante efetiva e objetiva.

Afinal, se a sua casa é compacta, os seus pertences também precisam ser totalmente adequados para não impedir a sua movimentação no interior. A ideia é fazer com que o espaço limitado se transforme em um ponto positivo priorizando a funcionalidade de cada item.

A partir do momento que você mobiliar o seu apartamento pequeno, começa a notar que a organização também é muito prática e rápida, uma vez que são menos itens e espaços a serem colocados em ordem. E o trabalho é bem menor na hora da faxina!

3. Conforto e acolhimento

Um apartamento pequeno pode se tornar um local extremamente confortável e acolhedor em função da intimidade que proporciona. Com uma dimensão menor, a sua residência favorece o contato entre os moradores e as visitas de uma forma mais harmoniosa.

Você tem a chance de fazer com que cada cantinho mostre um pouco de sua personalidade e seja exatamente como deseja. Além disso, a compactação do imóvel estimula que os moradores ocupem os mesmos locais e convivam muito mais e aprendam a lidar com suas diferenças.

4. Menor valor comercial

O preço de um apartamento pequeno também é menor quando se leva em consideração o valor cobrado por um imóvel maior na mesma área da sua cidade. Por isso, a moradia pode ser compacta e do tamanho exato de suas necessidades atuais.

Outro detalhe financeiro importante tem a ver com o valor da escritura ou mesmo do contato de financiamento, pois esses documentos são feitos a partir de um cálculo matemático que leva em consideração o tamanho da propriedade.

Vale destacar que isso pode ajudar a cortar despesas também de água e energia, uma vez que o imóvel que possui menos recintos. Portanto, quem opta por um apartamento pequeno também sente uma diferença importante no momento de arcar com todos esses custos.

5. Menos móveis desnecessários

O ideal é que o seu apartamento pequeno transmita uma atmosfera íntima, confortável e acolhedora, evitando o acúmulo de móveis e acessórios. Por isso, a sua ocupação de espaço precisa ser planejada e organizada para impedir que essa superlotação prejudique o seu cotidiano.

Dessa forma, você não gasta tanto dinheiro tentando preencher espaços, e sim em móveis que realmente facilitarão o seu dia a dia.

Se você comprar e encher o seu imóvel de milhares de coisas sem utilidade pode ter dificuldade até para se locomover do quarto para cozinha e vice-versa. Portanto, é preciso manter todos os recintos organizados e priorizar sempre a funcionalidade na hora de comprar ou montar um novo cômodo.

Você precisa se sentir satisfeito e livre para aproveitar seu lar, pois, o tamanho menor não deve ser um problema. Basta colocar a criatividade e essas dicas em prática para que o seu apartamento pequeno facilmente se transforme em um refúgio ideal da correria do dia a dia.

Fonte: Viva real

Dicas para manter a área de serviço sempre bonita e organizada

A área de serviço é um espaço muito importante em toda casa, mas comumente esse ambiente é esquecido quanto à sua organização e decoração. Para quem se interessa e quer manter o ambiente da área de serviço mais bonito, é bem interessante quando ele tem o mesmo estilo de decoração escolhido para o restante da casa,  porém, isso não é uma obrigação.

Pensando nisso, hoje falaremos um pouco mais sobre modelos de área de serviço, para que você possa se inspirar e garantir uma área de serviço mais organizada e bem decorada em sua casa.

Modelo de área de serviço

Quem mora em apartamento já está acostumado a ambientes integrados, principalmente quando se trata da cozinha com área de serviço.

É comum encontrar cozinha com área de serviço que não possui divisórias entre os dois ambientes, nesse caso a área de serviço planejada juntamente com a cozinha é a melhor opção para que a decoração de ambas sejam similares e assim criem uma harmonia entre os ambientes.

Por isso, para a cozinha com área de serviço opte por utilizar os mesmo revestimentos, cores e estilos de decoração, pode ter certeza que a sua cozinha com área de serviço ficará muito mais bonita.

A ideia de área de serviço planejada também é bem interessante, pois, como a área de serviço costuma ser um ambiente mais compacto porém que recebe grandes equipamentos como máquina de lavar, secadora, tanque, além de varal e de armários, a ideia de ter uma área de serviço planejada é bem tentadora, pois  assim é mais fácil manter tudo em ordem.

Para quem mora em casa térrea, a área de serviço costuma ser maior, pois geralmente casas possuem quintal, assim sobrando espaço para a área de serviço. Porém, não é porque você mora em casa térrea que a ideia de ter uma área de serviço planejada precisa ser descartada.

Seja em apartamentos pequenos onde a cozinha com área de serviço ocupam  o mesmo espaço ou em casa térrea onde o modelo de área de serviço costuma ser maior, a ideia de ter uma área de serviço planejada é sempre boa para que esse ambiente fique mais organizado, prático e funcional.

Itens essenciais para área de serviço

Alguns itens são essenciais para manter a área de serviço sempre organizada, funcional e bem bonita. Veja a lista a seguir e inclua esses itens em seu modelo de área de serviço desejada.

Prateleiras e armários

Prateleiras e armários são essenciais em toda área de serviço, afinal são elas que vão ajudar na organização dos produtos de limpeza. Os armários e prateleiras são uma boa forma de ocupar de maneira útil as paredes da área de serviço e se você investir em uma área de serviço planejada, com certeza o espaço aproveitado será ainda maior.

Varal

No mercado é possível encontrar modelos diferentes de varal, tem o varal de chão, o varal de teto e o varal de parede. A vantagem do varal de teto é deixar o chão e a parede livres, por isso ele é tão comum em cozinha com área de serviço. Porém, você pode ter mais do que apenas um modelo de varal na sua área de serviço planejada.

Torneira

A torneira com certeza é um item indispensável em qualquer modelo de área de serviço, pois ela é utilizada para fazer a limpeza do tanque, bacia e roupas. E o mercado oferece muitos modelos de torneiras, mas um que se encaixa perfeitamente às necessidades da área de serviço é a torneira de tanque com derivação para máquina.

Cestos e caixas organizadoras

Os cestos e caixas organizadoras são itens que ajudam muito a manter a organização na área de serviço e, dependendo do modelo, os cestos e caixas organizadoras também deixam a decoração da área de serviço mais bonita.

Fonte: Terra

Dicas para manter a cozinha limpa e arrumada

Manter a cozinha limpa e arrumada é, ao mesmo tempo, um sonho e uma dificuldade. Armários desorganizados, louça suja e dificuldade de encontrar algum utensílio na hora que você precisa é muito chato! Calma, vamos dar algumas dicas para você aplicar na sua casa e deixar sua cozinha impecável. Confira abaixo:

1)  Praticidade: além de bonita, sua cozinha deve ser funcional. Os materiais usados nos armários, bancadas, pias, pisos e lustres devem ser escolhidos levando em conta também a manutenção e limpeza do ambiente.

2) Somente o necessário: se você quer facilitar a rotina deste ambiente, cuidado para não se empolgar muito com as infinidades de itens específicos para esta área. Nos armários da cozinha, procure deixar o estritamente necessário.Nada de acumular muitos itens, pois esse hábito dificulta a organização.

3) Fácil acesso para itens do dia a dia: as panelas mais utilizadas devem ficar em paneleiros ou prateleiras.Organizá-las por ordem de tamanhos e todas com as devidas tampas, sempre próximas do fogão, facilita na hora da preparação dos alimentos. A mesma regra também funciona para as colheres, espátulas, conchas, facas e demais peças que serão usadas no cotidiano. O ideal é deixá-las sempre próximas e de fácil acesso. Ao cozinhar, deixe um descanso de talheres do lado do fogão. Isso deixa o espaço de trabalho limpo e organizado.

4) Armários em ordem: na organização dos armários a praticidade continua. As louças e utensílios que serão usados diariamente devem ficar em locais de fácil acesso. Separe por utilidades: pratos rasos, fundos, sobremesa, copos, potes, xícaras, travessas etc.Outra dica legal é setorizar partes dos armários para o café da manhã, jarras para água, sucos, saladeiras, travessas para servir, cestas, etc. Já as tábuas de carnes, legumes e frutas devem ser sempre separadas de acordo com a sua finalidade. As de madeira devem ser abolidas da cozinha, pois facilitam muito a proliferação de fungos e bactérias.

5) Um cantinho para os eletrodomésticos: os aparelhos elétricos, tendo espaço adequado, podem ficar sobre a bancada. Isso facilita muito na hora de usá-los e também ajuda a decorar a cozinha.

6) Potes guardados todos juntos: os potes costumam ser muitos e a maneira de organizá-los também ajuda muito na hora de encontrá-los. Separe-os por tamanho, profundidade e cores. Eles podem ser agrupados tampados ou com as tampas separadas – esta escolha vai depender do espaço que você tem disponível no seu armário.

7) Temperos sempre à mão: os temperos também podem ficar expostos. Existem vários modelos de peças para guardá-los de uma forma super charmosa e funcional. Já os azeites, saleiros e pimenteiros podem ser colocados em bandejas que irão direto para a mesa.

8) Panos de prato e sacolas: separe sempre uma gaveta para os panos de pratos e toalhas de mãos, dobrados em forma de rolinhos para ganhar mais espaço e também facilita na hora da escolha. Já as sacolas recicláveis e retornáveis devem ser agrupadas, seja em cestos ou puxa-sacos.

9) Despensa nos trinques: na despensa para mantimentos a organização deve ser levada muito a sério para evitarmos o desperdício de alimentos e a compra de itens desnecessários. Sem contar que uma despensa em ordem deixa muito mais fácil de encontrar o que procuramos.Tente separar os produtos por categorias! Use e abuse dos potes de vidro ou acrílico – prefira os modelos com tampas de fechamento herméticos. Ao passar o produto para os potes, observe a data de validade na embalagem original e com canetas específicas ou etiquetas, marque as validades nos potes. Os produtos também podem ser identificados com as etiquetas colantes, elas existem em vários formatos, modelos  e cores.

10)  Limpeza dos armários e produtos: sempre na chegada de novos produtos o espaço de guardá-los deve ser limpo. Latas, vidros, garrafas, embalagens de sucos, leite e outros produtos também devem ser lavados antes de guardados, lembrando sempre de fazer  o rodízio dos produtos de acordo com a validade de vencimento.

11) Escolha a lixeira ideal: uma lixeira de pedal é sempre mais prática e higiênica – prefira as de chão! Não esqueça também de ter uma específica para reciclados bem sinalizada.

12) Xô bagunça: por fim, não acumule chaves, correspondências, remédios e outros objetos triviais neste espaço! Cada coisa em seu devido lugar

Afinal, com organização, ganhamos tempo, economizamos e sentimos um prazer enorme em qualquer ambiente! Gostou das nossas dicas de hoje? Então compartilhe com seus amigos, familiares e vizinhos para eles descobrirem os truques e terem a cozinha dos sonhos! 😉😉

Quais as melhores cores para o quarto?

O quarto costuma ser o cantinho mais íntimo da casa, o espaço particular de cada um. Nele descansamos, passamos o tempo e recuperamos as energias – e há momentos em que tudo o que queremos é se jogar na cama após um dia longo de trabalho, não é verdade?

Mas, para um bom descanso e relaxamento total, na decoração do quarto não bastam apenas uma cama confortável e travesseiros macios. Saiba que as cores presentes no espaço têm papel fundamental para uma boa noite de sono!

Sim, as cores exercem papel direto no nosso humor e bem-estar, e cada qual tem características e propriedades que as tornam mais ou menos indicadas para determinado tipo de ambiente.

Em dúvida de quais tons escolher para pintar o espaço? Veja nesse post quais as melhores cores para o quarto!

 Azul

Sobretudo para quem tem problemas de insônia, o azul é a cor mais indicada. Trata-se de uma cor fria que traz calma, relaxa a mente e o corpo e o melhor: possibilita que você ouse e brinque na decoração, já que qualquer tom de azul, inclusive os mais violetas, são indicados para esse tipo de cômodo.

No entanto, lembre-se: a regra da boa harmonização deve sempre prevalecer quando falamos de decoração. Logo, se escolher um azul mais chamativo, ou bastante escuro, combine o tom com cores mais neutras, que também são relaxantes.

Verde

Para aqueles mais ansiosos ou estressados, o mais indicado é a substituição do azul pelo verde. Trata-se da cor da natureza, do equilíbrio e da serenidade, sendo a melhor escolha para quem busca vitalidade e saúde, além de relaxamento.

Quanto ao tom, nuances mais brilhantes ou fortes como o verde limão ou o verde bandeira podem ser utilizadas, desde que combinadas com cores mais básicas para criar um ambiente fresco e descontraído.

Tons pasteis

Embora as cores consideradas frias, como o azul, tons suaves de violeta e o verde sejam os mais indicados para trazer relaxamento e serenidade, cores neutras, como tons de marrom claro, cinzas suaves, branco e bege também são boas opções. Elas dão a sensação de aconchego, com a vantagem de serem coringas em qualquer decoração!

Prefere cores quentesCuidado!

As cores quentes têm exatamente o efeito oposto das cores frias, ou seja, estimulam e trazem energia e agitação. Cores como o vermelho, o amarelo e o laranja, portanto, não são indicadas para quartos.

Mas, claro que não existe nenhuma proibição quanto ao uso delas no espaço. Caso você queira algumas delas no ambiente, nossa dica é utilizar esses tons em objetos, acabamentos e acessórios. Assim, você garante a sua cor preferida no espaço e não prejudica o seu repouso.

Agora que você já sabe como as cores podem te ajudar a relaxar, qual prefere para o seu quarto? 

Fonte: Blog Casa show