Gastos de morar em casa: quais são eles?

Ter sua própria casa, do jeito que você sempre quis, te dá a possibilidade de deixá-la com a sua cara e uma liberdade que não se tem morando com os pais. Isso parece ser muito bom, mas é preciso lembrar que nem tudo é um mar de rosas.

Administrar uma residência demanda um bom planejamento, tempo e principalmente dinheiro — afinal, não são poucos os gastos de casa com os quais você terá que arcar. Por conta disso, decidimos listar quais são os maiores gastos de morar em uma casa, ajudando você a se preparar e ter uma boa noção de como passar por essa grande mudança na sua vida.

Como descobrir quais serão os gastos de casa?

Suas despesas mensais vão variar de acordo com o padrão de vida que você levar, mas é possível fazer uma estimativa. Alguns gastos básicos são levados em conta, como aluguel, supermercado, internet, TV por assinatura, entre outros.

Uma dica para ter um bom controle sobre isso é fazer uma planilha de gastos com todas essas despesas. Com isso, você consegue saber qual é o mínimo necessário para conseguir bancar essa nova fase de vida. Se você não se dá bem com planilhas, saiba que existem também vários aplicativos para ter um bom controle financeiro.

Aluguel ou prestações

O aluguel ou a prestação do financiamento do imóvel é sempre o primeiro item da lista de quem está pensando em morar em uma casa. Afinal, essas são contas fixas que consomem uma grande parte da renda.

Para ter uma noção do possível gasto com esse item, é recomendada a visita a uma imobiliária, assim como a sites que também oferecem esse tipo de informação. Procure pelo tipo de imóvel que você pretende alugar e por regiões próximas ou semelhantes às que você deseja.

Sempre pague o aluguel ou a prestação do financiamento assim que receber seu salário. Assim, você não corre o risco de gastar esse dinheiro com outras coisas e terá um controle maior sobre o que sobrou. Outra dica importante é manter uma reserva financeira dedicada a cobrir esses valores em casos de imprevistos.

É provável que existam também as despesas com os condomínios residenciais, que cobrem algumas vantagens, como segurança e área de lazer. Se você não fizer questão de alguns confortos, opte por um condomínio mais simples para economizar com a taxa.

Despesas fixas

No contexto de finanças pessoais, as despesas fixas são aquelas que devem ser pagas todo mês, mas cujo valor varia mensalmente. Por isso, elas devem ser muito bem administradas. Essas contas incluem água, gás e eletricidade, e existem maneiras de como reduzi-las mudando alguns hábitos.

O consumo de gás, por exemplo, pode ser reduzido fechando o registro sempre que você não estiver cozinhando. Também não se esqueça de se certificar de que seu fogão não apresenta vazamentos — inclusive, para garantir sua segurança.

A água pode ser tanto cobrada de forma individual quanto dividida entre todos os moradores do mesmo prédio. Ainda assim, é possível deixar a conta mais barata dependendo apenas de práticas suas.

Diminuição do tempo de banho, instalação de descargas com fluxos menores de água, utilização das funções econômicas nas máquinas de lavar roupa e louças e atenção à goteiras e vazamentos pela residência são formas de diminuir o seu consumo e, consequentemente, a conta d’água.

Já a conta de energia, geralmente a mais cara das três, pode ser amenizada desligando aparelhos da tomada quando eles não estiverem em uso, apagando as luzes ao sair de algum cômodo, trocando as lâmpadas incandescentes por fluorescentes e reduzindo potência elétrica do chuveiro, dentre outras formas de usar cada vez menos a energia elétrica.

Móveis e decorações

Um detalhe que muito frequentemente passa despercebido pelas pessoas que estão planejamento morar sozinhas é que muitas vezes o imóvel comprado ou alugado não vem mobiliado. Ou seja: será preciso um bom investimento de dinheiro e tempo para encontrar os móveis.

Para economizar dinheiro, pesquise muito bem e sempre em mais de uma loja para encontrar os menores preços e as melhores ofertas. Lembre-se de aproveitar as promoções que ocorrem todo ano em datas comemorativas, como natal, ano novo e dia das mães.

Manutenção

Outro aspecto que pega muitas pessoas de surpresa são as despesas com a manutenção que o imóvel pode ter. Danos ou defeitos de edificação, na parte elétrica e hidráulica são problemas não tão raros assim que podem ser um peso e tanto para as contas.

Além disso, a parte estética também é levada em conta na manutenção. Reformas em geral, pintura de paredes, manutenção de piscina, jardim e caixa d’água devem ser feitas para não perder o conforto que a sua residência fornece.

Por isso, é preciso ter um dinheiro reservado para conseguir contornar esses imprevistos sem ficar apertado. Além disso, sempre tenha em casa as ferramentas básicas para a manutenção da casa, para lidar com as emergências.

Como se preparar para esses gastos

Ter uma boa noção das despesas é uma parte importante, mas, depois de conhecê-las, é necessário estar preparado para esses gastos planejados e os pontuais.

Se você perguntar para qualquer pessoa que mora sozinha, o conselho será para já começar a economizar desde agora. Por isso, se esse é o seu plano de vida, já é bom ter isso em mente.

Se os gastos que listamos aqui parecem ser demais para o seu orçamento, ou se você ainda precisa economizar um pouco mais, mas tem pressa de sair de casa, uma boa opção é dividir uma residência com uma ou mais pessoas. Morar com amigos, além de ser uma ótima experiência de convívio, alivia muito as contas.

Viver em casa realmente exige um enorme preparo financeiro e bastante pesquisa. Apesar disso, mesmo com tantos gastos de casa, um bom planejamento e o conhecimento prévio dos inconvenientes que podem acontecer tornam possível o sonho de ter um lugar para chamar de seu. Gostou das dicas? Tem alguma dúvida ou quer compartilhar alguma experiência? Conte para a gente nos comentários!

 

Fonte: Viva Real

Entenda todas as obrigações fiscais e contábeis de um condomínio

Infelizmente, contabilidade e gestão tributária são áreas que sempre causam medo nos síndicos. Por conta da falta de informação ou da quantidade de siglas e números, as obrigações contábeis do condomínio podem acabar se tornando fonte de dor de cabeça na gestão financeira do condomínio.

Queremos ajudar você a cuidar da contabilidade do condomínio e realizar a prestação de contas com segurança e propriedade. Portanto, preparamos essa publicação com tudo o que você precisa saber sobre obrigações contábeis do condomínio.

Qual o regime tributário de condomínio?

Em primeiro lugar, vamos começar falando sobre o regime tributário do condomínio. Regime tributário é o nome dado ao conjunto de leis e normas que determinam o tipo de tributação que uma pessoa jurídica deve obedecer. Em outras palavras, é a partir do regime tributário que se define quais impostos uma empresa deverá pagar.

Apesar de possuírem CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica), condomínios não são considerados pessoas jurídicas perante a lei. Como todo o dinheiro arrecadado pelo condomínio deve ser utilizado para arcar com as despesas e melhorias no empreendimento, não existe lucro dentro do âmbito condominial. E, desta forma, condomínios não geram renda.

Por não produzirem renda e nem prestarem serviços, os condomínios não se enquadram em nenhum modelo de regime tributário. Porém, isso não quer dizer que condomínios não precisam pagar impostos ou lidar com obrigações fiscais. A seguir, compreenda melhor quais são as obrigações contábeis do condomínio.

Obrigações contábeis de condomínio

Uma das partes mais importantes da administração condominial, é arcar com as obrigações contábeis. Inclusive, fazer o recolhimento de impostos e realizar as obrigações fiscais e previdenciárias é um dos deveres do condomínio. Dessa maneira, não arcar com essas demandas dentro do prazo estabelecido pelo eSocial pode resultar em multas administrativas.

Entenda quais são as obrigações contábeis do condomínio, divididas entre fiscais e previdenciárias:

Obrigações fiscais do condomínio

Primeiramente, vamos começar este artigo explicando o que são as obrigações fiscais do condomínio. As obrigações fiscais são parte importante da gestão tributária do condomínio. Sobretudo porque elas compõem uma série de encargos e declarações que o condomínio deve entregar aos órgãos públicos. Logo, o condomínio que não estiver quite com os seus compromissos junto à Receita Federal ou Estadual, pode vir a sofrer penalidades. Saiba quais são as principais obrigações fiscais do condomínio:

Cadastro CNPJ

Mesmo sem ter personalidade jurídica, é obrigatória a inscrição do condomínio junto à Receita Federal. O cartão do CNPJ deve ser guardado pelo síndico em local seguro e organizado. Da mesma forma, o condomínio precisa estar devidamente registrado  no Cartório de Registro de Imóveis. Essa medida é determinada pelo novo Código Civil brasileiro, conforme o Art. 1.332.

DARF

A DARF do condomínio é o Documento de Arrecadação de Receitas Federais. Em síntese, essa obrigação fiscal é uma guia emitida pelo Ministério da Fazenda e pela Receita Federal para que o contribuinte faça o pagamento de tributos. Assim, a DARF serve tanto para realizar o pagamento de tributos de operações financeiras, quanto para cumprir com determinadas obrigações contábeis, como o IRPF, PIS, COFINS, CSLL, entre outros.

DIRF

É a Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. Essa obrigação contábil tem a finalidade de fiscalizar o Imposto de Renda. Ela deve ser entregue uma vez por ano, sempre na segunda quinzena de fevereiro.

RAIS

Significa Relações Anuais de Informações Sociais. Assim sendo, o RAIS serve para fiscalizar as contratações feitas por condomínios e empresas no país. Segundo às normas, deve entregue ao Ministério do Trabalho anualmente, através do site do órgão.

Obrigações previdenciárias do condomínio

Por sua vez, os tributos voltados à previdência social são obrigatórios apenas para os condomínios que possuem funcionários contratados. Contudo,  também existem as obrigações previdenciárias no caso de contratação de prestadores de serviço terceirizados. Confira:

Mão de obra com carteira assinada

FGTS

Em primeiro lugar, vamos falar sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. O pagamento é feito mensalmente, com base de cálculo de 8% da remuneração mensal do funcionário. Ademais, deve ser quitado até o dia 7 do mês seguinte em que o salário foi pago.

INSS

Em seguida, temos o INSS. O valor desse tributo previdenciário equivale a 20% do salário do profissional. Ele é recolhido até o dia 20 do mês subsequente.

PIS

O PIS é o encargo que financia o seguro-desemprego. Desse modo, a alíquota é equivalente a 1% da folha de pagamento. Entretanto, é importante conferir o valor cobrado pela sua região, pois a quantia varia conforme as normas do município.

CAGED

É o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, criado com a finalidade de controlar as admissões e demissões sob o regime da CLT. Para isso, deve ser entregue até o final do dia que antecede o início do trabalho de um novo funcionário no condomínio.

IRRF

Resumidamente, este é o Imposto de Renda Retido na Fonte. É apurado mensalmente e deve ser entregue até o último dia útil dos primeiros dez dias do mês seguinte ao salário.

IRPF

Por outro lado, também há o  Imposto de Renda de Pessoa Física. Deve ser entregue anualmente, até o último dia útil do mês de fevereiro.

RAT

Significa Riscos Ambientais do Trabalho e substitui o antigo Seguro de Acidente de Trabalho. Nos condomínios, é retido o percentual de 2%, que é multiplicado pelo valor do FAP (Fator Acidentário de Prevenção), de 0,03%.

Contribuição sindical: essa obrigação contábil de condomínio deixou de ser exigida com a Reforma Trabalhista, em 2017. Desde então, a contribuição ao sindicato patronal e das categorias é voluntária.

Mão de obra terceirizada

Muito se engana quem pensa que contratar prestadores de serviço autônomos e terceirizados é o mesmo que não pagar obrigações contábeis.

Em contratações com valor acima de R$ 215,05 por nota fiscal, o condomínio deve fazer retenção da contribuição com:

  • PIS;
  • COFINS (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social);
  • CSLL (Contribuição Sobre o Lucro Líquido);
  • Ou então, através do INSS.

Se a empresa contratada é optante pelo Simples, recolhe-se apenas os 11% do INSS. Se não, é recolhido 1% do CSLL, 3% de COFINS e 0,65% de PIS, pagos através de DARF (Documento de Arrecadação da Receita Federal), pelo código 5952. É preciso que esses pagamentos sejam feitos até o dia 20 do mês subsequente.

Pronto! Agora você já possui tudo o que precisa saber para lidar com as obrigações contábeis do condomínio. Próximo passo: mãos à obra!

 

Fonte: Blog Townsq

Como fazer a prevenção de acidentes no condomínio?

Medidas de prevenção de acidentes são fundamentais em condomínios, além de cuidar de toda parte operacional é dever do síndico também sempre prezar pelo bem estar e pela segurança dos moradores em prol da harmonia do ambiente e do convívio. Separamos algumas dicas de como realizar medidas de prevenção de acidentes em condomínios e como evitar situações de riscos dentro de um condomínio. Confira!

 

Um dos primeiros passos para garantir a segurança, é fazer com que todos os moradores e proprietários tenham acesso a todas as normas de segurança definidas pelo síndico e conscientizar os moradores e proprietários que prevenir acidentes é dever de todos. A comunicação com a gestão deve ser de fácil acesso, por isso é importante escolher bem os canais utilizados, que podem ser digitais ou físicos. Quanto mais os moradores tiverem acesso, melhor o entendimento dos direitos e deveres de cada um, e menos dor de cabeça para o síndico.

 

Principais normas de segurança para prevenir acidentes

 

Rotas de fuga

 

É muito importante que o prédio ou condomínio possuam rotas de fuga, esses ambientes precisam estar sempre em perfeito estado de manutenção e conservação para a utilização em caso de emergência e sempre livres de possíveis barreiras.

 

Teste para detecção de vazamentos de gás

 

Esse teste para detectar possíveis vazamentos na tubulação de gás deve ser realizado periodicamente. E para os moradores que possuam o gás de botijão, é importante lembrar  deverão mantê-lo, dentro do apartamento, em local com bastante ventilação.

 

Extintores de incêndio

 

Os extintores devem estar dentro do seu prazo de validade e manutenções deve ser realizada anualmente. É obrigatório que a cada 25 metros tenha um extintor no local. Além disso, devem conter o selo do INMETRO e trazer a data de sua última manutenção.

 

Vistoria (AVCB)

 

O Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros precisa ser renovado a cada três anos pelo Corpo de Bombeiros, com o intuito de sinalizar quais são as adaptações e alterações necessárias ao cumprimento da legislação em vigor, de forma a manter o empreendimento sempre atualizado e seguro em caso de necessidade. Cada condomínio deve verificar as datas que ocorrem o vencimento do seu AVCB

 

Iluminação de emergência

 

Toda construção com mais de cinquenta pessoas deve ter, obrigatoriamente, iluminação de emergência a cada 15 metros. Além disso, as áreas comuns, como salão de festas, áreas de lazer e garagem também devem contar com ela.

 

Com essas dicas,  esperamos tornar essa tarefa tão complexa um pouco mais fácil e deixar seu prédio ou condomínio mais harmônico e seguro para todos.

Guia rápido: como economizar água no condomínio

Você sabia que um adulto usa, aproximadamente, 100 litros de água por dia?

Se esse dado já assusta, saiba que ao ano são gastos mais de 30.000 litros! Em grandes condomínios a quantidade de água gasta pode assustar os moradores.

Algumas medidas simples podem ajudar a diminuir o valor da conta no fim do mês e ajudam(e muito) a preservar o meio ambiente. Confira:

Hidrômetros

Uma das dicas mais recorrentes quando o assunto é ‘como economizar água’ é a individualização dos hidrômetros. A partir do momento que cada morador tomar ciência do quanto gasta de água por mês, ele se motivará a gastar menos, pois verá o impacto direto na conta.

O investimento para trocar os hidrômetros pode parecer alto inicialmente, mas os benefícios a longo prazo fazem com que o investimento valha a pena.

Reutilização de água

Caso a estrutura do condomínio seja suficiente, avalie a possibilidade da construção de reservatórios para coletar e armazenar água da chuva. Essa água pode ser coletada através das calhas e armazenadas no subsolo.

Caso seja do interesse do síndico e dos moradores, há a possibilidade de instalar equipamentos para filtrar e proporcionar a reutilização de água.

Cobrindo as piscinas

Você sabia que mesmo em dias um pouco mais frios a água da piscina evapora?

Exatamente! Condomínios que cobrem as piscinas economizam aproximadamente 380 litros de água por mês.

Cheque vazamentos

As inspeções periódicas são fundamentais para verificar a existência de vazamentos. Essa verificação pode gerar uma economia de 20% no custo mensal.

A cada seis meses, as inspeções deverão estar em pauta para votação em assembleia. Na vistoria, o técnico deverá identificar todos os vazamentos no condomínio. Caso o problema seja em decorrência do mau uso nas unidades, o morador deverá arcar com as despesas.

Redutores de vazão

A instalação de redutores de vazão em torneiras e chuveiros ajuda a economizar água. O investimento é garantido e a economia é notável logo no primeiro mês após a instalação.

Outra alternativa é a troca dos vasos sanitários para sanitários inteligentes. Estes vasos possuem uma caixa acoplada que despeja de 3 a 6 litros de água.

10 dicas para apostar na decoração de banheiros pequenos

A decoração de banheiros pequenos pode parecer um desafio para muitos. A ideia é otimizar os espaços e torná-los funcionais, além disso, charmosos. Cada elemento da decoração deve ter um propósito e ser útil de uma forma ou de outra para criar um ambiente agradável e harmonioso.

Confira estas 10 dicas para você repaginar seu banheiro pequeno:

Iluminação

Traga o máximo possível de luz para o ambiente. Os banheiros pequenos bem iluminados vão parecer mais espaçosos que ambientes escuros, afinal, cômodos pequenos necessitam de muita luminosidade, seja natural ou artificial.

  • Nas paredes: Clores claras são ideais para banheiros pequenos, elas dão amplitude para o espaço. Já os tons mais escuros cortam o ambiente fazendo-o parecer menor.
  • Luzes: Um único ponto de luz no teto cria sombras, por isso, faça um apanhado conciliando a luz natural da janela, iluminação no teto e iluminação atrás de espelhos ou nas laterais, por exemplo.

iluminação de banheiros done right

Espelhos

Ambientes pequenos ficam mais amplos com um simples espelho, assim, instale um espelho maior do que você normalmente iria utilizar no seu banheiro. A luz refletida irá ampliar seu banheiro pequeno tornando-o mais espaçoso. Os espelhos são úteis não só para checar o visual, eles podem ser uma verdadeira peça de design. As luzes refletidas ajuda a fazer com que os espaços fiquem maiores, ganhando em amplitude. Então, mesmo que no seu banheiro pequeno possa caber um mini espelho, isso faz toda a diferença.

Como organizar meu banheiro pequeno?

A escolha certa de móveis e alguns truques simples ajudam a otimizar o espaço e deixá-lo mais bonito.

  • Use as paredes: Muitas vezes esquecidas, as paredes podem servir para pendurar objetos. Utilize porta-trecos para colocar escovas de dentes, pincéis de maquiagem, entre outros objetos.
  • Nichos: São ótimos para organizar e guardar objetos decorativos e itens do dia-a-dia. Além de te ajudar na organização do espaço, você também terá um banheiro decorado charmoso.
  • Espaço extra: Colocar uma prateleira sobre a porta do banheiro pode ser uma boa opção para guardar objetos que não são usados diariamente.

nichos para organização de banheiros pequenos

Esconda o tapete do banheiro

Ter um tapete de banheiro no chão o tempo todo pode fazer seu banheiro pequeno parecer ainda menor. Guarde o tapete quando não estiver usando e expor o piso, dessa forma, o espaço parecerá ser maior.

Cor de destaque

O próximo passo é escolher as cores de destaque que serão usadas para decorar seu banheiro pequeno. No caso de ambientes pequenos, os tons claros devem predominar nas paredes, pois elas trazem leveza e proporcionam uma sensação de amplitude ao local. A ideia é seguir as tendências de tonalidade nas ferragens do banheiro e nos objetos de decoração.

Estrutura de banheiros pequenos

Portas

As portas mais comuns e tradicionais ocupam muito espaço, tomando o ambiente e limitando a decoração. A utilização de portas de correr em banheiros pequenos é prática e ajuda a otimizar o espaço. Aliada da decoração, as portas de correr se deslocam sutilmente na horizontal e podem ser usadas em todos os tipos e tamanhos de ambientes.

banheiros pequenos com porta de correr

Pisos

Mesmo que suas paredes e teto sejam em tons claros, um piso escuro negará o efeito e, assim, irá demarcar exatamente o tamanho do banheiro. Quem opta por reformar o apartamento ou construir uma casa possui uma infinidade de opções de pisos a escolher para o banheiro. Os pisos em porcelanato são os mais procurados por profissionais e clientes, uma vez que são duráveis, resistentes, não são escorregadios, além de possuir diversas texturas, cores e medidas.

Box

O box para banheiro influencia na estética do ambiente e precisa ser escolhido com muito critério. A utilização de portas de chuveiro de vidro transparente fazem seu banheiro pequeno parecer maior, enquanto, o vidro fosco quebra o espaço e faz parecer menor do que já é. O mesmo vale para uma moldura em volta do vidro. Em banheiros pequenos, dê preferência à box com porta de correr de duas ou três folhas para facilitar a entrada e saída.

Banheiros pequenos dimensão box vidro

Cubas

Para banheiros pequenos, as mais indicadas são as redondas porque elas costumam ser menores e se adequam perfeitamente a qualquer tipo de pia.

Vasos Sanitários

Para banheiros pequenos, o ideal são os vasos sanitários com válvula de descarga pois eles ocupam menos espaço que os vasos sanitários com caixa acoplada, uma vez que o sistema de descarga fica instalado na parede. Como o sistema hidráulico fica dentro da parede, a manutenção é mais complicada. A água sai com mais pressão e em maior volume para dispensar os dejetos.

O modelo com caixa acoplada pode ser um pouco mais caro do que o modelo tradicional. Esse modelo é acompanhado por uma caixa que oferece uma quantidade de água em reservatório e dispensa a água em uma quantidade menor do que o outro modelo. Por esse motivo, o vaso sanitário com caixa acoplada gasta menos água, sendo mais sustentável. Em contra partida, ocupa mais espaço no ambiente.

Banheiros pequenos tem solução

Os banheiros pequenos são um desafio na hora de decorar mas isso não significa que não podemos brincar com a arquitetura e decoração do lugar. Com apenas algumas mudanças no seu banheiro é possível torná-lo um ambiente harmônico e agradável e, ainda sim, aproveitar do espaço.

 

Fonte: Benvenuto

Como reformar uma parede?

 

A má conservação das paredes criam uma aparência deselegante para o ambiente e influenciam diretamente na estética do imóvel, como um todo. Ao detectar uma parede que precise de cuidados, precisamos identificar quais são os seus problemas, se está com fissuras, bolhas, com a pintura descascada ou mofada. Separamos quatro dicas de como reparar as paredes e dar um “up” no espaço. Confira!

 

Não tente tapar o sol com a peneira

Caso o seu problema seja derivado de infiltrações ou outros problemas estruturais, é necessário que seja feito o reparo interno, antes do externo. Ao melhorar apenas a estética, você estará desperdiçando dinheiro, pois o problema voltará e outro reparo será necessário.

 

Usar materiais adequados

É muito importante, que antes de ser reparada, seja analisado o material utilizado na construção. Mas, caso não saiba, o profissional contratado para o serviço certamente saberá.

 

Mofo nas paredes

As origens do mofo podem ser diversas, como: falta de ventilação do ambiente, falta de sol ou, ainda, condições climáticas desfavoráveis. Para eliminá-lo, basta fazer aplicações de água sanitária, com pelo menos uma hora de exposição e depois do enxágue e secagem completa poderá ser feita a aplicação de tinta.

 

Uso de fundo

Para que seja garantida a qualidade e durabilidade das pinturas, é necessário que seja feita aplicação de fundo, como massa corrida por exemplo.

 

Para melhores resultados, indicamos que seja contratado um profissional capacitado para realizar o serviço. Mas se você é adepto ao “faça você mesmo”, mãos à obra!

 

  

Apê cheio de vida: 5 dicas pra decorar com plantas

Uma casa com plantas é sempre um ambiente gostoso. E cuidar de plantas é mais fácil do que muita gente imagina, basta um pouco de atenção. Há plantas que precisam de luz direta e outras que gostam apenas de claridade, plantas que recebem água a cada dois dias e plantas que gostam do seco. O importante é combinar com seu estilo de vida e com o ambiente que você tem.

 

Invista em suportes
Nenhum ambiente é pequeno demais para o verde! Plantas podem caber em qualquer canto e é para isso que servem os suportes. Procurando você vai encontrar suportes de todos os estilos, alturas e tamanhos. Seja criativo e não tenha medo de arriscar — um suporte bonito já faz toda a diferença.

 

E nas estampas também!
As plantas e flores também podem estar presentes em almofadas! Padronagens inspiradas em folhagens são uma forma de dar vida e frescor à sua sala. Tente variar os tamanhos das almofadas e brinque misturando estampas, cores e padrões diferentes.

 

Aproveite as escadas
Quem tem escada em casa pode aproveitar os degraus como espaço de decoração: é só colocar vasos nas laterais. As paredes também podem ser preenchidas com vasos suspensos. Fica lindo!

 

Uma dose de charme no banheiro
Existem várias plantas que gostam de ambientes mais fechados e úmidos. É uma forma de manter o lugar charmoso e de melhorar a circulação de ar também. Procure por samambaias, babosas e plantas que se beneficiam de vapor e umidade.

 

Preencha a estante
Tem espaço sobrando na sua estante com livros e outros objetos? Preencha com plantas! Suculentas em especial vão bem em espaços pequenos. Você pode optar por pequenos terrários decorativos, que ainda são ótimos por precisarem de pouca manutenção.

 

 

Fonte: Quinto Andar

Como evitar acidentes domésticos

Acidentes domésticos são mais comuns do que imaginamos, principalmente com idosos e crianças. Mas, boa parte desses incidentes podem ser evitados com algumas medidas de segurança. Confira!

 

Tomadas e fios

Certifique- se que há proteção de todas as tomadas para evitar que aconteça choques. Também é importante evitar o uso de vários aparelhos domésticos na mesma tomada, por meio de extensões e benjamins. Isso pode sobrecarregar a tomada e provocar incêndios.

 

Quedas


Queda são comuns em qualquer fase da vida, mas no caso de quem é idoso, uma simples queda pode se tornar um grande problema devido à fragilidade dos ossos. Recomendamos que sejam instalados tapetes antiderrapantes, corrimão nas escadas e barras no banheiro.

 

Queimaduras no fogão


Um dos grandes perigos da casa está no fogão. Os casos de queimaduras domésticas são muito comuns.A maioria dos acidentes envolvem crianças, que, por curiosidade e desaviso, mexem nas panelas que estão no fogão e acabam virando-as sobre si.
A melhor forma de evitar acidentes desse tipo é manter os cabos das panelas virados para dentro, desse jeito a criança não alcançará para puxá-las nem correrá o risco de passar por perto e bater no cabo da panela, derrubando-a.

 

Quartos


Quinas de móveis merecem toda atenção, pois são causadoras de acidentes. Sempre que possível, dê preferência a bordas arredondadas. Os móveis devem ficar longe das janelas, nunca embaixo!

 

Pisos e sacadas

É muito importante ter cuidado em não deixar o chão molhado, pois a queda em pisos molhado é muito recorrente e pode causar sérios acidentes. No caso dos tapetes, os antiderrapantes são os mais indicados para a casa inteira.

 

Com esses cuidados, sua casa pode se tornar muito mais segura,oferecendo mais proteção para você e quem você ama.

Piscina em condomínios

O verão chegou e, com ele, as idas à piscina ficam mais frequentes. Diversos condomínios dispõem desse espaço para os moradores se divertirem mas, como tudo que concerne a convivência em comunidade, é preciso tomar alguns cuidados e seguir algumas regras para que todos possam se divertir sem que haja qualquer acidente.

Cuidados com as crianças

As crianças não devem ficar sozinhas na piscina, por mais que saibam nadar. Além disso, para as que nadam ainda sim é indispensável o uso de bóias ou coletes. O famoso macarrão pode ser mais útil para crianças maiores, já que não oferece segurança às pequenas.

Outro cuidado é com pulos na piscina ou brincadeiras mais agressivas. O ato pode terminar em uma batida de cabeça e causar problemas maiores.

Cuidados no uso da piscina em condomínios

O horário ideal para permanecer na piscina é antes das 11h e depois das 16h, em que o sol não está mais tão forte. Além disso, o uso de protetor solar é indispensável. Se for entrar na água, busque opções mais resistente à água e reaplique depois de se molhar ou suar. Se usar algum tipo de óleo bronzeador, o ideal é tomar uma ducha antes de entrar na piscina, para não sujar a água.

 

Competências do síndico

O síndico é o principal responsável pelo condomínio e responde civil e criminalmente por ele. Por isso, ele precisa ter total controle da limpeza, manutenção e perfeito funcionamento da piscina. A instalação de câmeras, cercas em torno da piscina, a manutenção de pisos, grades, escadas e chuveiro e instalação de placas que indiquem a profundidade da piscina são de sua competência.

Além disso, o condomínio precisa seguir as normas da ABNT, de acordo com a NBR 11238 – Segurança e Higiene, a NBR 11239 – Projeto e execução de piscina e a NBR 10818 Qualidade da água. Tais normas regem como deve ser feita a manutenção do espaço bem com as regras estruturais.

Quanto à limpeza, deve-se seguir as regras da Resolução Nº 0003, de 15/02/2001 da Diretoria da Vigilância Sanitária, bem como dispor de uma pessoa qualificada para executar a limpeza. O condomínio necessita de um Alvará Sanitário, além de fazer análises periódicas da água para evitar contaminação. Outra obrigatoriedade é o lava-pés o qual precisa ser higienizado diariamente. Os vestiários precisam ser divididos por sexo, ter pisos laváveis e não escorregadios.

O cumprimento de todas essas regras garante que todos possam aproveitar o verão com tranquilidade e segurança.
Fonte: Condo Brasil

Quais são os fatores que contribuem para a valorização de imóvel?

Normalmente, quando as pessoas procuram por uma casa ou um apartamento, elas se preocupam primeiramente com localização e estruturas que atendam às suas necessidades, esquecendo de pensar nos fatores que contribuem (ou não) para a valorização de imóvel.

Comprar um imóvel é um grande investimento, pois o dono poderá aluga-lo e gerar renda extra, ou até mesmo vende-lo. Por isso, é importante ficar atento aos fatores que valorizam ou desvalorizam o preço do empreendimento a fim de encontrar o lugar ideal e investir seu dinheiro com tranquilidade.

Algumas pessoas acreditam que o principal fator para a valorização de imóvel é a relação entre oferta e procura, mas não é só isso. Aspectos como infraestrutura do bairro, acessibilidade, segurança, condições do imóvel, entre outros, são determinantes na hora de definir um preço de venda.

Para te ajudar a fazer um bom investimento, o CondoBrasil preparou um artigo especial detalhando os fatores que influenciam na valorização de imóvel e como eles poderão mexer com o seu bolso no futuro. Acompanhe!

Localização

Para muitos especialistas em mercado imobiliário a localização é um dos fatores mais importantes na hora de determinar o valor de um imóvel. Por exemplo, você com certeza já encontrou imóveis muito similares, com mesmo tamanho, estrutura e acabamento, mas com preços totalmente diferentes de acordo com a sua localidade.

Isso acontece porque as unidades de alto padrão se encontram nos bairros nobres e são as mais procuradas, enquanto as mais acessíveis ficam nos arredores da cidade. Imóveis localizados em frente ao mar, por exemplo, costumam ser menores e mais caros do que aqueles localizados na periferia.
&nbsp

Acessibilidade

Hoje em dia, com os problemas causados pelo trânsito caótico, ninguém mais quer perder horas parado dentro do carro. Nesse contexto, um empreendimento com uma boa acessibilidade garante mais conforto e qualidade de vida ao morador, tornando-se outro fator determinante na valorização de imóvel.

Por isso, é muito importante avaliar a região do imóvel, como a proximidade de hospitais, escolas, bancos, padarias e farmácias, a presença de áreas verdes ou de lazer, como praças e parques, além da facilidade de acesso a serviços públicos ou grandes rodovias.

Segurança

Com a violência e a alta taxa de criminalidade afligindo a população, principalmente nos grandes centros urbanos, as pessoas buscam cada vez mais por locais com mais segurança, principalmente aquelas que vivem com a família ou possuem filhos pequenos.

Um imóvel seguro, seja por estar localizado em uma região com baixo índice de furtos, assaltos, sequestros e demais crimes, seja por ter em sua estrutura aparatos de segurança, como câmeras de monitoramentos em pontos estratégicos, porteiro 24 horas, alarmes, entre outros, são os mais procurados do mercado.

Tecnologia

Imóveis que possuem itens tecnológicos, como portão eletrônico na garagem e na portaria, porteiro eletrônico ou contratado e interfone, facilitam a vida dos moradores no dia a dia e estão se tornando cada vez mais valorizados.

A maioria dos imóveis hoje em dia possui esses itens, bem como circuitos internos de televisão e instalações prontas para receber automação residencial, principalmente os mais novos com pouco tempo de construção, o que torna o valor desses empreendimentos maior do que o dos mais antigos, que não dispõem do mesmo conforto e tranquilidade.

Condições do imóvel

Propriedades novas são mais buscadas que as antigas e, obviamente, mais valorizadas. Isso se deve ao fato de o acabamento novo ser sinônimo de menos dores de cabeça com reformas ou eventuais problemas.

É importante analisar os materiais usados na construção e no acabamento do imóvel com relação à durabilidade e facilidade de manutenção, pois quanto mais durável e mais fácil de limpar for o acabamento, mais valorizado será o empreendimento. O que justifica a busca por locais com artigos de primeira linha, como mármore, cerâmica, porcelana e madeiras nobres.

Possibilidade de reformas

Encontrar um imóvel que seja exatamente do jeito que sonhamos é muito difícil. Por isso, é importante verificar se o empreendimento desejado apresenta ou não a possibilidade de reformas e alterações com o intuito de atender melhor às expectativas do potencial comprador.

Vale ressaltar que nem sempre as reformas desejadas são necessárias. Muitas vezes as alterações são de cunho pessoal, feitas de acordo com as necessidades do comprador e nem sempre são aquelas procuradas pelo mercado. Isso pode causar dificuldades de venda, fazendo o preço cair e desvalorizando o imóvel, por isso, todas as reformas devem ser analisadas e planejadas com atenção.

Vizinhança

Com a correria do dia a dia, as pessoas querem chegar em casa e ter tranquilidade para recuperar as energias de um dia cansativo. É preciso verificar se a vizinhança não é incômoda e barulhenta, pois isso pode espantar potenciais compradores.

No entanto, não devemos nos preocupar apenas com o perfil dos moradores da região, mas também com os tipos de construções ao redor. Os imóveis devem ser feitos com projetos e materiais de boa qualidade, como acontece em grandes condomínios residenciais.

Ter estabelecimentos 24 horas, escolas, universidades e outros centros comerciais por perto também contribui para ampliar as ações de segurança do bairro, tornando a região mais tranquila.

Outro ponto importante é a distância entre os imóveis. Se forem construídos muito próximos uns dos outros, a privacidade dos moradores diminuirá, tornando esses empreendimentos menos procurados, assim como casas cercadas por edifícios.

Espaço disponível

Imóveis mais amplos, com grande área construída, são mais caros que os menores e isso não é novidade. No entanto, é preciso levar em conta a distribuição dos cômodos, pois isso também influencia na valorização do empreendimento.

Um apartamento com sala enorme e quartos pequenos, por exemplo, pode ser menos atrativo do que aqueles que possuem quartos grandes e salas menores. Além disso, espaços como quintal ou varanda podem ser mais procurados por famílias com crianças, mas não tão interessantes para aqueles que buscam por mais praticidade.

Realizando uma boa pesquisa e uma avaliação cuidadosa sobre os fatores que contribuem para a valorização de imóvel, será possível encontrar o empreendimento dos seus sonhos e investir o seu dinheiro sem preocupação. Fique atento, pois a presença desses itens chama a atenção de potenciais compradores e torna a procura mais elevada.

Fonte: Condo Brasil