Problemas que devem ser vistos antes da reforma

Está querendo fazer alguma reforma na sua casa ou escritório?! Então, fique atento, pois é preciso observar alguns pontos antes de realizá-la. Na matéria de hoje, falaremos sobre os problemas que devem ser vistos antes da reforma, para que você consiga se preparar adequadamente. Confira!

  • Estrutura

Se você está planejando fazer uma reforma que mude portas ou janelas de lugar, ou então quer construir um novo andar ou demolir paredes… Nem cogite fazer isso sem o parecer de um especialista (engenheiro ou arquiteto). Só um profissional habilitado poderá dizer, com certeza, as mudanças que são ou não permitidas, sem que a estrutura da casa/apartamento e sua segurança e de sua família sejam comprometidas.

  • Elétrica

As instalações elétricas devem ser verificadas antes de qualquer obra. Os cabos e fios precisam estar em boas condições, evitando problemas, como quedas de energia, choques elétricos, sobrecargas, curtos e, inclusive, incêndios. Aproveite a reforma e peça a um eletricista que faça uma revisão de toda a parte elétrica, antes de fechar paredes e pisos.

  • Hidráulica

Também é importante verificar se as instalações hidráulicas estão com algum problema, como vazamentos. Se sim, faça os reparos antes de iniciar qualquer reforma. Verifique todos os tubos e conexões e, se estiverem danificados ou muito velhos, aproveite para, durante a obra, substituí-los por produtos novos e de qualidade garantida.

  • Infiltração

Elas são bastante comuns, infelizmente, e podem se manifestar de maneiras diversas, como próximas ao chão ou no teto. Independente de onde surja, não adianta de nada maquiar o problema. Portanto, identifique suas causas, ajustando-as e corrigindo os pontos danificados com impermeabilizante, durante a obra.

  • Mofo

O mofo, além de ser feio e deixar o ambiente com um odor desagradável, estimula o aparecimento e agravamento de doenças respiratórias e alérgicas. Se você está com esse problema em casa, livre-se dele antes de iniciar a obra – utilizando, nela, bons impermeabilizantes, evitando que o problema volte a acontecer.

  • Trincas e rachaduras

As trincas e rachaduras nas paredes podem ser apenas superficiais, mas também representar problemas bem mais sérios, que podem até comprometer a estrutura da casa. Procure um profissional que identifique a causa da fissura, fazendo os ajustes necessários antes de consertar a parte estética do problema.

E então, o que você achou dessas informações e dicas que trouxemos?! Utilize-as para ficar bem preparado antes de qualquer reforma que queira fazer, planejando-se bem para ela e evitando ter que fazer reparos posteriormente, gastando mais tempo e dinheiro do que deveria. #FicaADica

Jardim do condomínio exige mais cuidados no verão

O jardim do condomínio é um local que precisa de muitos cuidados, que devem se intensificar em dias mais quentes, como esses de verão que estamos enfrentando. Resolvemos, então, abordar esse tema no post de hoje, te ajudando a saber a melhor maneira de agir durante essa estação.

Com o verão, além do calor intenso, as chuvas também se tornam mais comuns. Esse clima contribui para o desenvolvimento da área verde, porém, infelizmente, também favorece o surgimento de pragas e doenças vegetais. É preciso ficar atento às plantas, com manutenções contínuas.

Se você conta com a assessoria de profissionais especializados (como um paisagista e/ou técnico de jardinagem), é interessante que eles façam uma avaliação de toda a área verde quinzenalmente, observando e indicando as ações que precisam ser implementadas.

Dentre os cuidados mais frequentes estão, por exemplo:

– Corte de gramas;

– Controle de fungos e pragas;

– Escolha das plantas mais adequadas para cada área.

Guiando-se pelas orientações profissionais, o condomínio conseguirá cuidar melhor do seu jardim, preservando os trabalhos de planejamento e manutenção feitos no espaço ao longo do tempo, e mantendo as plantas mais saudáveis e bonitas – com custos reduzidos, se feito corretamente.

Se o trabalho é bem feito durante todo o ano, no período dos dias mais quentes de verão o propósito será o mesmo: conservar e manter as plantas, da melhor forma possível. Assim, é importante não deixar só para essa estação os cuidados com a área verde, mas fazê-lo durante todo o ano.

Outro ponto importante dessa manutenção constante e preventiva é a valorização do imóvel. Além de ajudar a melhorar a qualidade do ar e agradar aos condôminos que frequentam o edifício e seus visitantes, é, também, um ponto de destaque no mercado imobiliário.

Veja, a seguir, alguns tópicos que devem ser observados:

– Defina os galhos que precisam ser podados, evitando cortar aquelas que são necessários para a saúde da árvore. Cortar os galhos que estão em excesso favorece o envio de nutrientes para as partes saudáveis da planta. A poda da árvore também serve para moldar um formato, o que é indicado de ser feito uma vez a cada estação.

– Capinar áreas verdes faz com que elas fiquem mais bonitas e viçosas, evitando o crescimento excessivo.

– Opte por valorizar as espécies nativas, que trazem sustentabilidade ao jardim, não necessitando de tantos nutrientes ou irrigação, já que são adequadas àquele clima.

Esperamos que, com as informações e dicas que trouxemos nessa matéria, você consiga cuidar melhor das áreas verdes do seu condomínio, mantendo-as saudáveis e bonitas durante o ano inteiro, livres de pragas e outras companhias indesejadas. #FicaADica

Qual é mais eficaz: segurança eletrônica ou recursos humanos?

Com o passar do tempo, aprimora-se a tecnologia e, nos condomínios, os recursos e equipamentos de segurança se modernizam. Na matéria de hoje, resolvemos fazer um comparativo entre os sistemas de segurança feitos eletronicamente e os que utilizam recursos humanos. Confira!

As vantagens de utilizar avançadas tecnologias para aumentar a segurança e o conforto dos condôminos são muitas, mas, para facilitar a visualização delas, observemos, a seguir, alguns pontos, contrapondo a mão de obra de profissionais de segurança com os recursos tecnológicos.

  • 24/7

A segurança ideal é aquela que funciona 24 horas por dia, 7 dias da semana, ao longo de todo o ano. Como as pessoas possuem necessidades diversas (como ir ao banheiro e se alimentar, por exemplo), é impossível que elas cumpram esse requisito inicial, independente de sua competência e comprometimento.

Além disso, problemas pessoais e de saúde também interferem, além de algumas distrações, que influenciam o trabalho, como, por exemplo, o uso do celular e conversas paralelas. Tudo isso interfere na qualidade e na eficiência de qualquer sistema que envolva pessoas, o que, em contrapartida, não acontece quando a segurança utiliza a tecnologia.

  • Custos

O custo com mão de obra pode variar um pouco, mas, de qualquer forma, é muito elevado. Além dos salários dos funcionários, é preciso arcar com os encargos trabalhistas, além de outras despesas (vale-transporte, seguros etc.), que chegam a representar cerca de 50% a mais do custo salarial.

Além disso, de acordo com a CLT, cada funcionário só pode cumprir 44 horas semanais em sua atividade. Considerando que uma semana tem 168 horas, seriam necessários, portanto, quatro funcionários para cumprir uma vigilância durante as 24 horas por dia, nos 7 dias da semana. Há, ainda, os feriados, férias e eventuais faltas, que, provavelmente, despertam a necessidade de mais um funcionário. Ou seja: custos elevadíssimos.

Enquanto isso, a implantação de um sistema de segurança eletrônica, apesar de exigir um aporte financeiro inicial significativo, tem custos mensais infinitamente menores e, já em curto prazo, é possível perceber a economia. Essa mesma economia pode, posteriormente, ser revertida em benefícios para os condôminos, podendo gerar, inclusive, a redução da taxa condominial.

  • Estabilidade

Como os sistemas eletrônicos são projetados para funcionar sem falhas, eles têm formas de funcionar, mesmo em situações de emergência. Por exemplo, caso falte energia elétrica, um conjunto de baterias pode entrar em ação, permitindo que todas as funções permaneçam ativas.

Além disso, são realizadas manutenções preventivas, a fim de evitar defeitos e problemas técnicos, e instalados sistemas que podem substituir os principais, sem interrupções, em eventuais falhas dos mesmos, garantindo maior segurança, controle e conforto, e qualidade e eficiência nos processos.

Ou seja, é possível perceber que a tecnologia e seus recursos podem oferecer diversos benefícios, tanto do ponto de vista econômico, como, principalmente, da qualidade e efetividade dos sistemas instaurados. Que tal levar esse assunto para uma reunião no seu condomínio, debatendo-o com seus vizinhos?!

Aprenda dicas para economizar água no verão

Resolvemos trazer, na matéria de hoje, dicas de como economizar água, mesmo no verão – a estação mais quente do ano. Por isso, seja na sua casa, apartamento ou condomínio, fique atento a esses tópicos, e poupe recursos – naturais e financeiros. Veja mais a seguir!

Durante o verão, o consumo de água aumenta, já que as altas temperaturas fazem com que as pessoas gastem mais esse recurso tão precioso. Porém, com consciência e o uso de alguns dispositivos específicos, é possível economizar bastante. Confira nossas sugestões!

  • Torneiras

Faça, periodicamente, a manutenção delas, evitando o desperdício. Aliás, existem torneiras com sistemas antidesperdício que, com arejador, evitam respingos, economizando até 50% de água.

  • Chuveiros

Esse é outro aparelho que gasta muita água. Os modelos mais modernos acompanham redutores de vazão, que ajudam a economizar até 50% de água, além de também economizar energia elétrica. É essencial, também, diminuir o tempo de banho, o que, logicamente, ajuda, e muito, a economizar. Faça um esforço e vá diminuindo seu tempo aos poucos.

  • Lavadora de alta pressão

Ela utiliza até 80% menos água do que uma mangueira, para lavar a mesma área. Por isso, vale muito o investimento. Para a lavagem de carros, essa é a opção mais recomendada, limpando melhor o carro, além de gastar uma quantidade muito menor de água.

  • Lava louças

Essa invenção, se usada corretamente, ajuda muito no consumo de água, gerando uma economia de até 90% quando comparada a uma lavagem manual – além de poupar muito esforço físico. Utilize-a sempre cheia, aproveitando ainda mais e reduzindo o desperdício de recursos.

Lembrando que todas as mudanças só fazem sentido se você e sua relação com os recursos naturais também mudarem. É preciso ter consciência e, assim, lidar melhor com a água, a energia e os demais recursos do planeta, utilizando-os com equilíbrio. #FicaADica

Brincadeiras de antigamente que ainda fazem sucesso nas férias

Resolvemos trazer, na matéria de hoje, algumas brincadeiras antigas, que fizeram muito sucesso entre as gerações passadas e podem, ainda hoje, levar alegria para a criançada, com poucos recursos e muita criatividade – durante as férias ou em outros momentos. Continue lendo o post e confira!

  • Caça ao tesouro

Faça uma lista de objetos e esconda-os em pontos diferentes da casa – obviamente, em locais acessíveis às crianças. Se as crianças já sabem ler, escreva dicas criativas. Se não sabem, desenhe um esboço dos itens escondidos. Ao final, quem achar pode levar um prêmio, como alguns bombons, por exemplo.

  • Cabaninha

Com um lençol e o apoio de cadeiras ou sofá, incentive as crianças a montar cabaninhas, em qualquer lugar da casa. Elas podem, depois, levar seus brinquedos lá para dentro, você pode contar uma história pra elas ou pode ser um local para uma soneca especial.

  • Pega-varetas

Separe 25 palitinhos de churrasco e pinte, com tinta guache: 6 amarelos, 6 verdes, 6 vermelhos, 6 azuis e 1 preto. A ideia é pegar as varetas sem mexer nas outras. A pontuação é feita de acordo com as cores, e a preta vale mais pontos.

  • História em quadrinhos

Com um bloco de papel, desenhe, na parte inferior do bloco, a partir da esquerda, um boneco, um carro, um cachorrinho ou qualquer coisa que será colocada em movimento. Na página seguinte, repita a figura, com a pose um pouco diferente e um pouco mais para a direita da página. Repita o processo e veja, ao final, o resultado, folheando as páginas com o polegar, conferindo o desenho se movendo.

  • Macarrão colorido

Coloque um pouco de macarrão cru (preferencialmente, penne) num saco plástico com zíper, adicionando uma colher de sopa de vinagre branco e 2 a 3 gotas de corante alimentar. Feche o saco e deixe a criança agitar, até que a massa fique toda colorida. Retire, espalhe sobre papel toalha e espere secar. Repita o processo com outros saquinhos e novas cores. Utilize a massa para fazer colares e pulseiras coloridos, usando barbante ou linha de bijuteria.

  • Fantoches com saco de papel

Desenhe um rosto num saquinho de papel de cabeça para baixo, e pronto, você já tem um fantoche. Para melhorar os personagens, decore com fios de barbante, criando cabelo, botões para os olhos… Complete com glitter e detalhes em canetinhas coloridas.

E então, o que você achou das sugestões que trouxemos para animar as férias da criançada, ao mesmo tempo que incentivam sua criatividade?! Esperamos que tenha gostado e se inspirado a colocá-las em prática junto a seus filhos, sobrinhos, netos, irmãos, afilhados… Depois nos conte os resultados!

 

 

Danos causados por rachaduras e fissuras

As rachaduras e fissuras podem ser muito mais perigosas do que aparentam, causando danos realmente preocupantes. Falaremos melhor sobre essas anomalias na matéria de hoje, que precisam ser tratadas e resolvidas corretamente. Confira mais informações a seguir!

Podendo esconder problemas que vão muito além da estética, as rachaduras, trincas e fissuras que surgem nas paredes e tetos precisam de atenção redobrada. Elas podem aparecer por mudanças na temperatura, recalques do solo ou, até mesmo, má execução de obras.

De qualquer forma, por poderem representar problemas bem mais sérios do que se costuma imaginar, qualquer sinal de um desses problemas precisa ser analisado com muito cuidado, mesmo quando são, aparentemente, inofensivos. E, para isso, deve-se contar com ajuda profissional.

Assim, a primeira coisa a ser feita deve ser solicitar uma investigação por um especialista no assunto, que saberá identificar a causa do problema. A partir dessa avaliação técnica, descobrindo a origem do transtorno, procura-se o tratamento correto para ele.

Outro ponto importante desse assunto é o uso indevido de impermeabilizantes e vários outros produtos tidos como “milagrosos” em situações quando são identificadas rachaduras, por onde ocorrem infiltrações, vazamentos e/ou goteiras, causando umidade no ambiente.

O que acontece é que, querendo resolver o problema de forma mais barata e rápida, a pessoa acredita que o impermeabilizante solucionará a questão, o que, em muitos casos, acaba apenas mascarando o problema e, além de não resolvê-lo, ainda pode fazer com que ele piore.

Então, independente da anomalia encontrada, a sugestão é uma só: procure o auxílio de um especialista, escute o que ele tem a dizer, deixe que ele identifique o real problema e suas causas e, então, te aconselhe sobre a solução para o ocorrido, já que, sem dúvidas, ele saberá o tratamento mais adequado. #FicaADica

 

Vazamentos de gás: como evitar!

Uma explosão em apartamento causada pelo vazamento de gás atingiu todos os andares de um prédio, no bairro de São Conrado, na Zona Sul do Rio de Janeiro, e sensibilizou a todos, também alertando para cuidados com o uso do sistema de gás em suas casas. Além de pessoas muito feridas, o prédio foi muito comprometido, o síndico informou que o prédio tem seguro, mas que o conserto de cada apartamento vai ficar por conta dos moradores.

Existem dois tipos de gás para utilização em domicílios, e ambos necessitam de cuidados e atenção dos usuários, caso contrário, os danos causados por um vazamento de gás, por exemplo, podem ser gravíssimos:

Gás Natural

O gás natural é uma fonte de energia segura e não precisa de botijões ou cilindros para armazenar, fornecendo energia de forma contínua. É necessário que as instalações e equipamentos estejam em ordem para evitar vazamento de gás, e também outros problemas, por ser uma substância delicada. Para lidar com segurança, devem ser tomados os seguintes cuidados:

  • Não apoiar ou guardar objetos nas tubulações de gás.
  • Cuide para que as tubulações de gás não entrem em contato com cabos elétricos.
  • Afaste materiais inflamáveis ou corrosivos das tubulações.
  • Feche o registro de gás após a utilização dos aparelhos.
  • Feche a válvula do medidor de gás caso se ausente de sua residência por vários dias.
  • Não obstrua as áreas de ventilação.
  • Caso a chama do gás estiver amarelada ou com falhas, é provável que seja uma falha na combustão, é preciso reparar imediatamente.
  • Na cozinha, a conexão dos fogões à instalação de gás natural, deve ser feita em tubo flexível metálico, conforme norma NBR 14177. A instalação necessita de um registro de gás em local de fácil acesso. Para evitar o desgaste do tubo, que pode provocar vazamento de gás, o mesmo não deve estar em contato com superfícies quentes e as conexões devem estar em boas condições e bem apertadas.
  • Se houver falta de gás natural, por motivo diferente de corte, siga as instruções do fabricante para a abertura das válvulas, caso o fornecimento não seja restabelecido, contate o serviço de emergência autorizado.
  • Se sentir cheiro de gás, chame imediatamente a assistência técnica autorizada.

GLP (Gás liquefeito de Petróleo)

Também conhecido como gás de cozinha,  é acondicionado dentro de cilindros em estado líquido (botijões). Ele produz o cheiro característico quando há um vazamento de gás. O GLP não é uma substância tóxica, porém se inalado em grande quantidade, produz efeito anestésico.

  • Nunca instale o botijão em locais fechados.
  • Evite passar a mangueira do botijão por trás do fogão, pois pode danificá-la.
  • Mantenha o registro do botijão sempre fechado.
  • Na troca, nunca deite o botijão.
  • Peça gás em revendas confiáveis (Se estiver amassado, enferrujado ou com lacre violado, recuse o produto).
  • Para identificar vazamento de gás: Utilize uma esponja de louça com sabão esfregue ao redor da borboleta de conexão, se houver vazamento, se formarão pequenas bolhas de espuma.

Independente do sistema de gás de seu condomínio, é preciso que todos estejam atentos e haja manutenção regular para verificar se as instalações estão em boas condições, pois os acidentes graves, como o citado anteriormente pelo vazamento de gás, acontecem  majoritariamente por negligência a reparos ou mau uso.

Agora que você já sabe como garantir a segurança e evitar vazamentos de gás, verifique se em seu condomínio está tudo dentro dos conformes, e fique tranqüilo para aproveitar a vida em condomínio!

Fonte: Blog SocialCondo

Crianças em condomínios: o que você precisa saber?

Grande parte dos condomínios brasileiros têm crianças, que precisam seguir algumas regras (elas e seus responsáveis), para que tudo continue transcorrendo da melhor maneira no edifício, evitando desentendimentos e acidentes. Sobre esse tema, falaremos melhor no post de hoje. Confira!

A boa convivência no condomínio é muitíssimo importante para todos os condôminos, sendo, também, de responsabilidade de cada um deles. E as crianças não poderiam ficar de fora. Elas precisam ser instruídas por seus responsáveis sobre essa questão, evidenciando a importância do respeito e da gentileza.

Além disso, vale a pena conversar com os pequenos sobre, por exemplo, barulho x silêncio, segurança no prédio (dentro e fora das unidades) e cordialidade. Como as normas devem ser respeitadas por todos, os pais precisam enaltecer sua importância, obedecendo e orientando as crianças.

Entre as regras mais comuns, estão, por exemplo:

  • O horário permitido para brincadeiras nas áreas comuns do condomínio, que costuma ser entre 09h-20h, podendo variar em casa edifício, devendo ser respeitado o que consta na Convenção ou Regulamento Interno.
  • As crianças não podem atrapalhar os funcionários do condomínio na execução de suas tarefas. Por isso, não devem ficar em locais inadequados, como, por exemplo, a guarita do porteiro.
  • Crianças pequenas devem, sempre, estar acompanhadas por adultos. Isso é essencial, já que o condomínio pode esconder muitos locais perigosos, como, entre outros, piscinas, instalações elétricas, elevadores e escadas.
  • Mesmo dentro dos apartamentos, as brincadeiras não devem ir até tarde, respeitando o horário de silêncio e o sossego dos vizinhos. Aqui, o horário permitido costuma ser até às 22h.
  • Os funcionários não podem cuidar das crianças do condomínio. Por isso, não deixe seu filho sob os cuidados de nenhum funcionário, nem que seja por “apenas cinco minutinhos”.

E então, o que você achou dessas informações?! São normas que, na realidade, não são nada complicadas e apenas prezam pelo bem-estar e conforto de todos, além do bom funcionamento do condomínio. Por isso, faça a sua parte, incentivando seus filhos a fazerem a deles e, lembre-se: respeito e bom senso em primeiro lugar!

Quem é o responsável pelas ocorrências no condomínio?

Quando alguns problemas acontecem dentro de um condomínio residencial, muitas pessoas se perguntam quem deve ser responsabilizado pelas ocorrências. Para te ajudar a esclarecer esse aspecto, resolvemos trazer o tema para a matéria de hoje. Continue lendo e confira!

Segundo especialistas, o condomínio não pode ser responsabilizado por furtos e assaltos ocorridos em seu interior – salvo em casos em que se confirma a participação de algum funcionário, como por exemplo, quando um porteiro ignora as regras de segurança e libera a entrada do autor do crime sem identificação e autorização.

O mesmo vale para as ocorrências (como os próprios furtos, por exemplo) dentro de casas ou apartamentos. A responsabilidade de zelar pela unidade é do próprio morador. Em contrapartida, é possível pedir indenização do condomínio por roubos em áreas comuns, caso isso conste na Convenção.

Por isso, para evitar diversas situações de perigo, é possível contar com algumas formas de prevenção. Uma delas é o seguro para o condomínio, útil para situações nas quais há danos a bens dos moradores. Outra opção indicada é a utilização de câmeras e um completo sistema de segurança, que ajudam a esclarecer e prevenir infrações.

Por exemplo, quando há uma batida na garagem sem câmeras, não sabendo quem foi o responsável e com o morador afetado conseguindo provar que o acidente fora causado internamente, quem terá que arcar com o conserto é o condomínio – ou um seguro contratado, se for o caso.

Outros acontecimentos comuns, infelizmente, em condomínios, são os acidentes, que podem ser evitados com algumas medidas de prevenção, como, entre outras:

  • Colocação de barras de ferro para auxiliar a locomoção de idosos em certas áreas comuns e banheiros;
  • Instalação de pisos antiderrapantes em locais de risco, como piscinas e saunas;
  • Adequação dos playgrounds às normas de segurança.

De forma geral e resumida:

  • Danos só podem ser de responsabilidade do condomínio quando o mesmo tiver causado o prejuízo ao morador;
  • O condomínio também não pode ser responsabilizado por furtos ou assaltos ocorridos dentro do prédio, exceto quando houve a participação confirmada de funcionários ou que alguma cláusula da Convenção assegure a indenização;
  • Para obras de grande porte ou com produtos químicos, é importante contratar um seguro exclusivo para esse fim. Se a obra for feita por algum morador, o condomínio tem o dever de fiscalizar;
  • Se um morador for atacado pelo animal de estimação de outro condômino, a responsabilidade será do dono do animal.
  • Acidentes em áreas comuns merecem atenção especial, devendo analisar cada situação.

E então, o que você achou dessas informações? Esperamos que tenhamos ajudado a esclarecer de quem é a responsabilidade pelas ocorrências do condomínio. Lembrando que é muito importante contar com medidas de prevenção e minimização de riscos, evitando muitos problemas. #FicaADica

 

Como lidar com barulhos no condomínio

Os barulhos diversos são uma das principais causas de brigas num condomínio. Por essa razão, resolvemos abordar esse tema na matéria de hoje, falando sobre algumas regras relacionadas ao assunto e qual a melhor forma para resolver os problemas referentes a isso. Confira!

Antes de tudo, vale a pena refletir sobre o bom senso e o respeito. Não faça com seus vizinhos o que você não gostaria que fizessem com você. Um pouco de empatia não faz mal a ninguém… Coloque-se no lugar do outro, apenas essa atitude já ajuda bastante e evita muitos problemas.

De qualquer modo, as regras relacionadas ao barulho (como o horário de silêncio, por exemplo) devem constar tanto no Regulamento Interno como na Convenção do condomínio. Esses documentos devem ser os norteadores dessa (e de outras) questão.

Normalmente, o período aceito para barulhos gerais (como música alta, mudança de móveis, furadeira etc.) é das 8h às 22h. Mas cada caso é um caso, e essa norma pode ser diferente no seu condomínio – valendo uma consulta aos documentos citados anteriormente.

Além do horário de silêncio, há outros ruídos que, mesmo durante o dia (dentro do horário ‘tolerável’) incomodam muito os vizinhos, como aulas de música, obras muito barulhentas, crianças ou animais muito chorando/gritando muito… Lembrando que tudo deve ter certa tolerância, não devendo ser radical.

Em situações, por exemplo, de obras (sendo feitas em dias e horários permitidos) e crianças muito novas, é necessário ter paciência, tolerando ao máximo. São situações passageiras e que, com certeza, estão tentando ser resolvidas pelo dono da unidade em questão.

Já em outras, como de festas, devem ser cumpridas, imediatamente, as regras do condomínio, em respeito aos outros moradores. O síndico ou zelador deve entrar em contato com a unidade que está dando a festa, pedindo para que o som seja cessado (de acordo com as normas do prédio). Então, todo um processo deve ser seguido.

Se algum barulho estiver incomodando muito os vizinhos, independente de estar no horário de silêncio ou de barulho, a primeira medida a ser tomada é procurar ter uma conversa cordial. A pessoa que está incomodada procura o síndico e fala sobre a situação, e ele (síndico) busca um diálogo com quem está incomodando.

Após a conversa do síndico, se o problema não for resolvido, persistindo o incômodo, uma notificação por escrito deve ser enviada ao condômino que está causando o mal estar. Se, mesmo assim, a situação não for completamente solucionada, o condomínio pode aplicar uma multa nesse morador.

De qualquer maneira, o síndico só deve agir quando a reclamação partir de mais de um condômino. Essas reclamações devem ser feitas, preferencialmente, por escrito (através do Livro de Reclamações ou, até mesmo, por email), para que o síndico tenha argumentos concretos quando for conversar com o morador.

Esperamos que, com essas informações que trouxemos, tenha ficado um pouco mais fácil lidar com e resolver os problemas relacionados ao barulho, que atingem, basicamente, todos os condomínios do país, independente da origem dos ruídos. Boa sorte ao cuidar dessa questão!