Decorar do primeiro apartamento: como fazer?

Enfim, você conquistou o tão sonhado lar. Mas não é só entrar e morar: a compra de um imóvel, por mais suada que seja, é o primeiro passo para ter o seu próprio cantinho. Mesmo que seja novo, ele chega frio, sem graça. E precisa estar do jeito que você gosta, aconchegante, personalizado.

A arquiteta Cátia Ferreira diz que o primeiro passo para quem vai decorar é definir os ambientes, o que fazer em cada um dos cômodos. Depois disso, começar com as maiores partes, escolhendo móveis planejados, como armários embutidos de cozinha e quartos, por exemplo.

(Foto: Shutterstock)

“Entre as ações que podem ser feitas sem gerar uma grande obra e que ajudam bastante na decoração estão os revestimentos em 3D, que podem ser cerâmicos ou em gesso. Com uma iluminação indireta, dá um efeito de luz e sombra interessante”, diz a arquiteta.

Revestimento com 3D (Foto: Shutterstock)

Cátia explica que a divisão de ambientes com gesso drywall, criando nichos, também é interessante. Segundo ela, o investimento compensa, a instalação é fácil e rápida e o efeito decorativo muito grande. “E não se pode esquecer dos acabamentos, como papel de parede e um tecido bacana nas cortinas, isso é aconchego”.

Quadros e plantas

Aquele grande quadro preenchendo a parede atrás do sofá ainda vale, porém, a arquiteta diz que atualmente os mais usados são quadros pequenos agrupados. “Uma maneira bem moderna é uma ripa de madeira na parede e os quadros pequenos sobre ela na posição horizontal”.

Quadros e plantas (Foto: Shutterstock)

Já a plantas, diz a profissional, são sempre bem-vindas porque dão vida aos ambientes. “Se forem naturais, é preciso ver a luz e sombra mais adequadas. No caso de artificiais, pode até fazer uma parede verde, fica muito bom”.

Plantas em casa (Foto: Shutterstock)

Adesivos

A designer de interiores Tássia Pereira, do escritório TT Interiores, explica que os adesivos autocolantes são uma opção bonita e barata para serem usados em qualquer parede da casa.

Parede com adesivo (Foto: Shutterstock)

“Há hoje em dia mosaicos de madeira fabricados com fitas adesivas, que o próprio morador pode aplicar e personalizar o ambiente. Eles ficam lindos como destaque de uma parede. Outra dica são os revestimentos feitos de poliestireno que são fixados com silicone”, explica ela.

Em alta na decoração, os pallets são versáteis e podem ser usados de diferentes formas, seja como estante, mesas, camas ou sofás. “O pallet é bem resistente, por isso pode ser bem aproveitado na decoração. O legal dele é que você pode personaliza-lo à sua maneira, criando objetos e móveis”, indica a designer de interiores.

Efeitos diferentes de pintura fazem toda a diferença na decoração. Pintar as paredes com cores distintas, ou mesmo fazer desenhos com a tinta, deixam o ambiente personalizado. “Além das tintas tradicionais, com diferentes cores, há no mercado produtos para dar toque de cimento queimado na parede e já vêm prontos, basta aplicar”.

 

Fonte: Zap Imóveis

20 dicas para modernizar edifícios

À medida que as edificações envelhecemsurge a necessidade de obras. Algumas estruturais e funcionais, outras com caráter mais estético. Um piso, uma cobertura ou uma fachada que ainda tenham boa usabilidade são trocados visando modernização arquitetônica, acessibilidade, segurança, adequação a legislações ou mesmo valorização do patrimônio.

 

O nobre e novo bairro do Setor Sudoeste, em Brasília, tem prédios ainda sendo entregues, e outros que já estão para completar 25 anos de idade. Nota-se que diversos prédios residenciais já passaram por uma revitalização (retrofit) em suas fachadas, portarias, pilotis, salão de festas e áreas comuns. Os prédios que ainda não passaram destoam no horizonte.

 

Ao mesmo tempo em que muitos veem como positivos esses necessários avanços, uma minoria vê apenas o lado negativo das intervenções: as taxas extras e os transtornos associados à rotina de obras, como sujeira, entulho, barulho e circulação de operários.

 

Com base em minha experiência em administração de condomínios e visão de mercado, listo 20 dicas para a execução de obras em condomínios:

 

Não opte pela empresa mais barata, mas sim pela que possui maior solidez financeira, experiência e compromisso de longo prazo. Os orçamentos são muito importantes para balizar as decisões, mas o síndico não tem obrigação de contratar o preço mais baixo. Pague o preço justo, mas não economize, evitando assim transtornos futuros;

 

  • Monte um conselho de obras para compartilhar as decisões e visões;
  • Verifique o histórico da prestadora de serviço em si e também de seus dirigentes. Há empresas que em tese já prestaram serviços para grandes clientes, mas possuem diversos CNPJs, são alvos de pesadas ações na Justiça e que são registradas em nome de terceiros que, às vezes, sequer participam das decisões ou execução das obras;
  • Consulte os clientes anteriores dos construtores selecionados. Visite as obras e serviços supostamente executados para comprovar sua veracidade e qualidade;
  • Contrate ou exija seguro específico para as obras; são muito baratos frente ao total do investimento;
  • Pense nas pessoas mais pobres. Muitos itens como vasos sanitários, recortes de piso, vidros e armários são descartados em contêineres de entulho, apesar de estarem em boas condições de uso. Há muitas entidades que recebem doações deste tipo de material;
  • Pense na sustentabilidade do planeta. O tema de reciclagem de resíduos de construção está cada vez mais presente no Brasil e no mundo. Em nosso prédio, vários itens em uso (vidros, vasos, quadros de aviso, obras de arte, etc) são oriundos de contêineres de entulho do bairro;
  • Importante reforçar a máxima: o incômodo é temporário e os benefícios permanentes;
  • Implemente barreiras físicas quando necessário para bloquear o trânsito de apressados ou rebeldes. Em obras em andamento, já vi pessoas invadindo áreas isoladas e de risco, apesar de avisos e sinalizações;
  • Pense no legado que está sendo deixado para o condomínio e durma realizado como ser humano. O reconhecimento do público pode não ser o esperado. Por vezes, ignoram o trabalho, tempo e riscos envolvidos. No entanto, é necessário manter o idealismo vivo;
  • A fila dos que reclamam e criticam pode ser grande e dos que ajudam pequena. Assim, uma atitude de frieza e indiferença das pessoas deve ser interpretada como um sinal positivo. Ela significa que as atividades estão transcorrendo bem e sem impactar de forma negativa a rotina da edificação.
  • Fotografe e filme o “antes”, o “durante” e o “depois” da obra. Os mais empolgados podem até produzir um pequeno documentário sobre a obra;
  • Contrate arquitetos, designers de interiores, engenheiros e mesmo advogados para orientação. As ideias deles provavelmente são melhores que as suas;
  • A forma com que tratamos o lixo atualmente é diferente e sua quantidade produzida vai muito além do que era no passado. Dessa forma, novas obras devem levar em conta esse fato. Algumas edificações podem prever também local para alocação de contêineres de entulho de obras;
  • O uso de bicicletas e patinetes nas grandes cidades só aumenta. A criação ou adaptação de local para estacioná-los, seja em prédios comerciais ou residenciais, é muito importante;
  • O reúso de água é uma tendência forte, seja pelo lado financeiro, ambiental ou mesmo em razão da redução de disponibilidade dos recursos hídricos.
  • A instalação de placas de captação solar para geração de energia está cada vez mais difundida e acessível.
  • Carros elétricos passam aos poucos a serem usados no Brasil. Novos prédios ou aqueles passando por expressiva modificação devem prever local para recarga desses veículos.
  • Para edificações maiores, às vezes contrata-se uma empresa para executar a obra e outra para fiscalizá-lavisando a imparcialidade.
  • Participe de cursos e visitas técnicas. Veja outros prédios que tenham uma trajetória de sucesso. De forma geral, os administradores prediais estão de coração aberto para compartilhar suas glórias e experiências.

 

Fonte: Síndico Net

Acabe com cheiros ruins na sua casa

Quem não gosta de um empanado ou uma batata frita de vez em quando, não é mesmo? Mas é só esquentar o óleo e começar a fritura que a vizinhança toda já sabe o seu cardápio no almoço. Se o cheiro chega longe, imagina dentro da sua casa. Mas existem formas muito simples de acabar com esse e outros odores.

Pare de abrir todas as janelas e xingar a coifa e anote aí!

Elimine odores de forma fácil e saiba como deixar seu lar sempre cheiroso (Foto: Shutterstock)

Frituras

Odores causados por fritura têm solução (Foto: Shutterstock)

“Enquanto você estiver fazendo a fritura, ou logo após, colocar em outra panela rodelas de limão ou suco de limão em água fervente. O aroma do limão vai invadir todo seu ambiente, substituindo o mau cheiro”, explica Aline Cunha, personal organizer. O mesmo efeito pode ser conseguido com canela, diz a home expert Flávia Ferrari. “Pegue uma frigideira limpa e coloque no fogo com uma colher de sopa de canela em pó. Logo sua cozinha ficará perfumada”. Cuidado apenas para não queimar a canela e deixar outro cheiro ruim.

Pipoca de micro-ondas

É aquele cheirinho que fica de pipoca? (Foto: Shutterstock)

Usando limão ou vinagre, você consegue tirar o mau cheiro do ambiente. Com o vinagre, além de fazer a higienização do micro-ondas, você vai eliminar o odor, ensina Aline. “Passe vinagre branco com um pano em todo o aparelho. Coloque o suco de um limão em algum recipiente e ligue por 30 segundos, deixando evaporar no micro-ondas.O mau cheiro será substituído por um aroma agradável”, garante ela.

Potes plásticos

Eles são fundamentais para guardar de tudo, mas, por mais lavados que sejam, sempre conservam odores residuais de algum alimento. “A dica para eliminar esses odores sem sacrifício é colocar um pouco de água dentro do pote com uma colher de sopa de sal de fruta (antiácido). Depois, é só agitar, deixar agir por alguns minutos e enxaguar. É bom fazer isso de vez em quando em todas as vasilhas”, detalha Flávia.

Cheiro no forno

Nínguem merece aquele cheiro de queimado né ? (Foto: Shutterstock)

Para tirar o cheiro de queimado ou outro desagradável do forno convencional, corte uma maçã ao meio e deixe as duas metades descansarem 12 horas dentro do forno (desligado, claro!). “Depois é só descartá-las e o cheiro já se foi”, brinca Aline Cunha. “Mas se o cheiro está muito crítico em todo o ambiente, use cebola. Parece loucura tirar o mau odor com cebola? Acredite, é muito funcional. É só cortá-la ao meio, colocar em um recipiente com um pouquinho de água e deixar pernoitar”.

Mofo

Para eliminar o cheiro de mofo, a recomendação da personal organizer é o vinagre branco. “Devido à sua acidez, ele elimina o mofo do seu armário, ambiente ou espaço. No caso do armário, colocar três colheres de sopa em um potinho. Depois de 24 horas o mau cheiro foi eliminado, aí pode usar o mesmo vinagre para passar por todo o armário. Não se preocupe, o cheiro de vinagre permanece aproximadamente 30 minutos”.

 

Fonte: Zap Imóveis

Organizar a casa é desafio de quem sai da residência dos pais

Quando chega a hora de deixar a casa dos pais, independentemente da idade que se tem,  a primeira sensação que sentimos é a da de liberdade. Porém, não demora para descobrir que as roupas não se lavam e passam sozinhas, a comida não chega na mesa com um passe de mágica e a cama não é forrada automaticamente.

A decisão de ter seu próprio canto traz muita responsabilidade. A mudança significa deixar para trás uma época de conforto e comodidade e pensar que é o momento de aprender a organizar as finanças e também a própria casa. Para muitos, é o começo do zero, porém organizar a própria vida pode ser mais simples do que parece. Confira as dicas.

Se a etapa for encarada como algo natural, facilita a adaptação. “Ter o próprio espaço é uma das delícias de deixar para trás uma fase da vida e aprender a tomar conta de si mesmo e da casa. Difícil? Nem tanto. O mais bacana em ter seu próprio canto é a liberdade conquistada e as responsabilidades que você terá. Taxas de condomínio, luz, telefone, organização, compras, tudo o que você nunca fez pode ser simples”, garante a personal organizer Mônica Ayub.

Manter o guarda-roupa organizado é sempre um desafio (Foto: Shutterstock)

A economista Viviane Vasconcelos sentiu na pele as mudanças na hora de deixar a casa dos pais. Acostumada a ter comida e roupa lavada, até então não tinha se dado conta do que era preciso para manter a casa organizada. “Sempre morei com meus pais e fui muito acostumada a acordar e escolher o menu do dia. A funcionária fazia meu cafezinho, almoço e jantar. Então sempre fui muito acostumada a ter tudo no horário certinho, até casar com 31 anos”, afirma.

Porém, mesmo depois de casar, a rotina não mudou muito. “Não fugiu muito ao que eu vivia na casa dos meus pais porque continuei mantendo uma funcionária que sempre me ajudou demais”, acrescenta. A virada para as responsabilidades aconteceu mesmo depois que Viviane se separou, seis anos depois. Neste momento, ela decidiu morar sozinha com o filho e assumiu todas as responsabilidades da casa. “Foi bronca porque eu nunca entendi a mágica de se enxugar um chão molhado com muita água, por exemplo. Quando lavava, eu não sabia para onde ia aquela água quando não se via um ralo. Eu não sabia cozinhar, nem limpar a casa, a roupa, nada, foi um caos. Para receitas, eu contava com a ajuda da minha internet porque, quando ela parava de funcionar, eu não conseguia terminar o resto das refeições”, detalha.

É preciso aprender alguns truques culinários (Foto: Shutterstock)

No entanto, diante da necessidade, a economista foi aprendendo. “Hoje em dia já posso dizer que sei me virar sozinha. E como a vida é um eterno aprendizado, aos 37 anos descobri o que é um cará porque tive que começar a fazer feira e tive que começar a me virar em 30 pra dar conta de casa, filho e academia. Entendi que a gente sobrevive mesmo sem saber fazer nada porque, no final, a gente acaba aprendendo”, acrescenta.

Apenas o necessário

Com a parte financeira sob controle, é hora de partir para as questões mais práticas, como a organização da casa. Apesar de parecer missão complicada, o novo canto só fica bagunçado se o dono gostar, é o que garante a personal organizer Mônica Ayub. O primeiro passo deve ser uma seleção do que levar para a casa nova. “O primeiro passo é fazer uma triagem de verdade de tudo o que você tem na casa de seus pais: roupas, livros, objetos pessoais e objetos de decoração”, explica.

No caso das roupas e sapatos, ela aconselha fazer três pilhas, uma para o que será doado, uma para o que realmente é usado e a última para o que vai fora ou será reciclado. “Reduza ao máximo seu guarda-roupa para poder ter espaço para tudo na casa nova, que, possivelmente será algo menor”, afirma Mônica. “Lembre-se de ter camisas e calças fáceis de passar, ou mesmo nem passar, caso de camisetas, pólos, calças jeans, cuecas e meias”, completa.

A primeira faxina da casa é sempre um desafio (Foto: Shutterstock)

Para livros, a personal organizer afirma que o ideal é doar tudo o que não lê há mais dois anos. “Dê aos seus amigos os best sellers que você nunca mais irá ler. E arrume uma pequena biblioteca com o que conta: clássicos mundiais e grandes autores que transcendem o tempo”, diz. No caso dos CDs, a solução pode ser mais radical. “Vamos combinar que são totalmente “démodé”. Seu celular serve para as músicas e você e economiza espaço”.

Na hora de escolher a decoração, é possível economizar e não pesar o bolso neste início de nova vida. “Continue com foco minimalista. Converse com um arquiteto amigo e diga que você quer ideias de decoração sustentáveis. É mais barato e fica super bacana, da sala ao quarto”, esclarece. O pallet pode servir como solução para sofás, puffs, cama, armário, poltrona, mesa de centro, sapateira e estante. “Os supermercados jogam tudo fora, basta pedir permissão e pegar o que você quiser. E seu amigo arquiteto pode apenas desenhar todos esses móveis para você como presente de chá de casa”, completa.

Organizando a casa

É possível adaptar cada ambiente da casa de forma que fique tudo simples e que dê menos trabalho na hora de organizar e limpar. Na cozinha, o ideal é ter o mínimo de móveis e utensílios. “Geladeira, fogão, uma boa bancada ou dois cavaletes com uma porta cortada que pode servir como bancada e pode ser armada e desmontada. Para copos, pratos, talheres, canecas e toda a parafernália de cozinha é bom reduzir em conjuntos de quatro objetos de cada”, ressalta a personal organizer Mônica Ayub. Ela ainda ressalta que, para manter a ordem, se sujar, tem que lavar na hora.

Na área de serviço, a máquina de lavar é fundamental e, com ela, é possível minimizar o trabalho na hora de lavar as roupas. “Não deixe acumular roupa suja: pessoais, de banho e lençóis. Ao estender as roupas, deixe-as bem lisinhas no varal. Isso fará com que você não precise passar nada. Essa dica é preciosa. Tenha ainda um pequeno armário para guardar todos os produtos de limpeza. Coloque os fechados bem acima e os em uso mais baixos”, aconselha.

Na área de serviço, a máquina de lavar é fundamental e, com ela, é possível minimizar o trabalho na hora de lavar as roupas (Foto: Shutterstock)

Para o banheiro, a falta de armário não é um problema, já que a bancada pode receber os objetos mais usados. “Uma dica importante é aproveitar para lavar o banheiro enquanto toma banho. Duas vezes por semana está ótimo”, diz a personal organizer. No quarto, se os móveis forem de pallets, basta um colchão. “Senão tiver armários, use araras. Compre, no máximo, quatro peças de lençóis. O mesmo vale para toalhas de banho e rosto. Todos brancos porque não mancham e dão menos trabalho para repor”, complementa.

Dicas de limpeza

(Foto: Lucas Gabriel)

– Quanto mais minimalista a decoração, menos objetos para tirar pó;

– Piso em cerâmica? Basta passar pano com água sanitária e está limpo;

– Piso em madeira? Basta passar pano com cera líquida (qualquer uma) e está limpo;

– Plantas? As que requerem pouca água: cactos e seixos brancos ficam lindos juntos;

– Objetos decorativos: faça um open house com todos os seus amigos, amigas, pais, irmãos, parentes e uma lista do que você precisa. Aproveite e dê uma festinha com muito charme e com seu estilo. Afinal, a casa é sua! E, para limpar, avise que cada um vai ajudar. A casa fica limpa e no dia seguinte você vai trabalhar feliz da vida.

 

Fonte: Zap Imóveis

Use lembranças de viagens para decorar seu apartamento

Quantas fotos resultam de uma viagem? Centenas? E as lembrancinhas? Imã, chaveiro, quadros, enfeites, copos. Tudo isso faz parte das recordações daquelas férias que passaram tão rápido. Por isso, é mais do que justo deixá-los em destaque na sua casa. Como? Use na decoração!

(Foto: PROJETO FERNANDA ANDRADE – decoração viagens) 

“É interessante as pessoas trazerem peças de viagens, sendo elas objetos decorativos ou úteis. A casa deve contar a história dos moradores, os lugares que conheceram ou passaram e que trazem, de alguma maneira, a lembrança de momentos especiais. Isso dá mais identidade aos objetos e personaliza a decoração”, opina a arquiteta Fernanda Andrade.

(Foto: Shutterstock)

Artesanato local, gravuras, pinturas, porcelanas, muranos. Tudo que chega em casa junto com as malas deve ter um local para ser colocado. Para as fotografias, a dica é colocar um mapa do mundo em papel de parede  e escolher uma foto para afixar em cada local já visitado. “A casa fica mais viva com esse tipo de inserção”, diz a designer de interiores Laura Santos.

(Foto: Shutterstock)

Os objetos úteis, como eletrodomésticos, utensílios de cozinha, tradicionais ou de design, também são peças que, além de funcionais, podem ser decorativas. E costumam ser mais baratas fora do País, lembra Fernanda.

“Numa viagem turística, o ideal é trazer peças que possam ter valor sentimental ou que lembram alguma especialidade do local visitado. Lojas e mercados, não só para turistas, mas onde as pessoas locais vão, são bem interessantes de conhecer e fazer boas compras”, diz ela.

Para quem faz muitas viagens e compra em boa quantidade, Laura aconselha a não entulhar tudo em um só lugar. “Deve-se criar espaços próprios para colocá-los, estantes e nichos são ótimas soluções para agrupá-los”.

(Foto: PROJETO LAURA SANTOS 1 – decoração viagens)
(Foto: PROJETO LAURA SANTOS 2 – decoração viagens)

Fernanda concorda: “Lembranças pequenas e colecionáveis podem ter na decoração um cantinho para elas. Quanto às peças maiores, como tapetes, lustres e muranos grandes, é preciso pensar se haverá espaço antes de comprar”.

(Foto: PROJETO LAURA SANTOS 3 – decoração viagens)

Fonte: Zap Imoveis

Dicas para ampliar cômodos pequenos

A metragem das casas pode estar menor, mas isso não significa que o seu lar não possa ter espaços funcionais e confortáveis. Com uma decoração inteligente e alguns artifícios você consegue ampliar os ambientes de casas e apartamentos.

Veja nossas dicas para ampliar cômodos pequenos e tenha ambientes muito mais funcionais e aconchegantes.

 Cores claras

Optar por cores claras é um dos principais artifícios para dar a sensação de amplitude. Escolha revestimentos e pisos em tons sóbrios, como branco, off  white, bege ou tons pastéis – essas cores ajudam na iluminação do espaço.

Escolha também tapetes e móveis em tons neutros.  Se quiser deixar o cômodo mais alegre, aposte em cores mais ousadas e fortes em objetos e acessórios, como almofadas e mantas.

Espelhos

Talvez o truque mais conhecido, os espelhos não apenas dão a sensação de profundidade e grandeza, mas também refletem a iluminação, dando mais claridade ao ambiente.

Aposte em uma peça grande, que ocupe boa parte da parede. Só tenha atenção ao local onde o espelho será disposto, para que ele não reflita algo que você não queira mostrar, como uma prateleira que tenha muita informação, por exemplo.

Iluminação estratégica

A iluminação tem papel importante quando se quer amplitude. Uma ótima alternativa é apostar em balizadores como spots de led para iluminar o ambiente – como são peças embutidas, não ocupam espaço.

Pontos de luz estratégicos, com luminárias ou pendentes, também podem deixar o ambiente mais aconchegante. Você pode colocá-los sobre uma peça de arte ou objeto de decoração ou mantê-los nos cantos dos cômodos.

Evite abajures ou luminárias de chão, que vão ocupar ainda mais espaço.

 Móveis funcionais

Móveis planejados são uma ótima alternativa para o melhor aproveitamento dos espaços, já que são feitos sob medida, aproveitando cada centímetro do cômodo.

Mas eles não são a única alternativa. Você pode escolher móveis menores e com menos profundidade, o que vai deixar mais espaço livre. Outra dica fundamental é encostar a mobília nas paredes, para que a área de circulação fique livre e os móveis não tumultuem o ambiente.

Invista também em mesas que tenham acabamento de vidro ou espelho – além de deixarem a decoração contemporânea, são materiais que possibilitam uma melhor circulação de luz e aumentam o campo de visão.

 Piso uniforme

Ter um único piso melhora a comunicação entre os espaços, deixando-os mais integrados e fluidos. Uma ótima opção é o uso de porcelanato, material que pode ser utilizado em todos os cômodos da casa.

Dê preferência para as peças lisas, sem desenhos ou texturas. As peças grandes, ao contrário do que muita gente pensa, são as mais indicadas – elas se encaixam muito bem, e dão mais unidade aos ambientes. Outro detalhe importante é o rejunte: quanto menor o espaçamento, mais homogeneidade.

Ah, e atenção à aplicação do piso: peças colocadas na vertical aumentam a sensação de amplitude.

 Outros truques

– Formas retas e decoração clean são mais indicadas para espaços pequenos;

– Ambientes integrados e sem divisões tornam os cômodos mais amplos;

– Portas de correr ocupam menos espaço e integram melhor os ambientes;

– Caso o cômodo tenha pé-direito baixo, pinte os rodapés na mesma cor das paredes;

– Se o pé-direito for baixo, não rebaixe o teto com gesso.

 

Fonte: Casa Show

Perturbação do sossego em condomínio: quais são as regras?

Perturbação de sossego em condomínio. Só quem mora no local sabe como às vezes é difícil ter que lidar com situações desagradáveis. Pode ser um som de festa muito alto, ou mesmo uma conversa, fora de hora, que acaba incomodando o vizinho.

Mas o que fazer nessas situações? Há algum amparo legal, dentro dos condomínios, para que eu posso evitar este constrangimento? A resposta é: sim! Tudo tem que estar previsto na assembleia e devidamente acordado entre os condôminos.

Nos condomínios, de acordo com o artigo 1.336 do Código Civil, são deveres do condômino “dar às suas partes a mesma destinação que tem a edificação, e não as utilizar de maneira prejudicial ao sossego, salubridade e segurança dos possuidores, ou aos bons costumes“.

 

O que pode e o que não pode?

O portal Síndico.Net fez uma lista do que as pessoas podem fazer para que não seja caracterizado como perturbação do sossego em condomínio.

É importante lembrar que a poluição sonora é crime previsto no artigo 54 da Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1.998. A legislação prevê que “causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora: Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa”.

 

Situação Lei Solução
Salto alto Pode. O morador não pode ser impedido de andar de salto. Mas como alguns prédios tem a acústica ruim, isso pode se tornar um problema. Bom senso e uma boa conversa. O morador não precisa circular dentro de casa de salto, ainda mais sabendo que incomoda o vizinho. Muitas vezeso vizinho se incomoda e não reclama. Outra solução é colocar carpete e o vizinho incomodado  arcar com o custo.
Fogos de artifício Proibido- Artigo 1.336 do Código Civil, são deveres do condômino “dar às suas partes a mesma destinação que tem a edificação, e não as utilizar de maneira prejudicial ao sossego, salubridade e segurança dos possuidores, ou aos bons costumes O infrator deverá ser multado nos termos da convenção e Regimento Interno.
Obras A realização de obras no interior de unidades deve ter a pré aprovação do síndico ABNT 16.280/2014 e deve respeitar o procedimento do Regimento Interno e Convenção e legal no que for pertinente ao poluição sonora. A legislação prevê a emissão de no máximo 55 decibéis durante o dia e 50 durante a noite para áreas externas e 45 decibéis durante o dia e 40 durante a noite para ambientes internos. (Ruído acima dos limites estabelecidos pela Resolução número 1 de 8.3.90 do CONAMA* , que estabeleceu no seu item II, são prejudiciais a saúde e ao sossego público, os ruídos com níveis superiores aos consideráveis aceitáveis pela NBR 10.151. O infrator deve ser multado e em casos extremos a obra deve ser paralisada judicialmente.
Cães Ter um animal de estimação é exercício regular do direito de propriedade, independentemente do tamanho, o que deve ser  considerada é a perturbação. Um cão que late de forma intermitente pode ser impedido de ser mantido na unidade. O infrator deve ser notificado. E em último caso ter o cão removido por força judicial.
Música alta O limite é a perturbação ao direito alheio. Mesma situação do salto, mesmo que  não ultrapasse os limites legais, poderá perturbar. Bom senso. Uma conversa. O condômino muitas vezes não sabe que incomoda, deverá ser avisado de forma polida. O infrator deverá ser multado nos termos da convenção e Regimento Interno.
Bateria, guitarra Permitido somente com isolamento acústico apropriado Não esquecer que a perturbação sonora é crime, e este caso caracteriza bem isso Lei de Contravenções Penais. “Art. 42. Perturbar alguém o trabalho ou o sossego alheio.” O infrator deverá ser notificado e multado. Em último caso poderá ser impedido judicialmente de tocar o instrumento.
Brigas Se forem constantes e trouxerem perturbação ao sossego, podem sim ter consequências legais. Os infratores devem ser notificados por excesso de barulho e se for um caso constante, multados, e em casos extremos impedidos de utilizar a unidade.
Festas Dentro do tolerável que comporte o salão de festas, ou a unidade. Algumas convenções estabelecem limites e impedem o uso de microfones, aparelhos eletrônicos e festas com fins lucrativos, casamentos, etc. O infrator deverá ser multado e poderá ter o caso na polícia se a interferência for prejudicial.

 

Perturbar o sossego com barulho excessivo é considerado crime previsto na Lei de Contravenções Penais, desde outubro de 1941. Segundo a legislação, “gritaria ou algazarra; exercer profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais; abusar de instrumentos sonoros ou sinais acústicos; e provocar ou não impedir barulho produzido por animal de que tem a guarda” podem resultar em prisão simples, de 15 dias a três meses, ou multa.

 

Tudo dentro da lei

É importante ressaltarmos que qualquer norma, dentro do condomínio, não pode se sobrepor a nenhuma legislação brasileira existente.

Se destoar das normas legais, estes instrumentos são considerados nulos e não obrigarão os condôminos ao seu cumprimento.

A legislação prevê como tolerável a emissão de ruídos de no máximo 55 decibéis, durante o dia, e 50 decibéis, durante a noite, para áreas externas (a piscina, por exemplo).

Já para as áreas internas, o limite permitido é de 45 decibéis, durante o dia, e 40 decibéis, durante a noite.

medida mais extrema seria chamar a Polícia Militar (PM), já que a perturbação de sossego público está prevista na lei, conforme já vimos acima.

 

Uma boa conversa pode resolver tudo

É importante ressaltar que o bom senso continua sendo a melhor “ferramenta” de convívio condominial. Com respeito aos vizinhos – e com bom senso – é possível viver em harmonia no ambiente condominial.

Desta maneira recomendamos sempre uma boa conversa com vizinhos – e se necessário com o apoio do síndico do condomínio – antes de avançar para o âmbito jurídico.

Caso o vizinho não entenda que o barulho dele incomoda, a queixa deve passar para o livro de ocorrências do condomínio. Essas reclamações precisarão ser avaliadas para verificar o que é de responsabilidade do condomínio. A questão de barulho isolado deve ser resolvida entre as partes.

Fonte: Condlink

Como elaborar a folha de pagamento do condomínio

Todos sabem o quanto os funcionários são importantes para o funcionamento do condomínio. Tendo em vista que eles são fundamentais para o andamento dos serviços do local aconteça. Outro ponto fundamental, é o senso comum e o peso da folha de pagamentos nas contas do condomínio.

De acordo com a Aabic (Associação das Administradoras de condomínio), esse investimento representa em média 65% de tudo que é gasto no condomínio. A folha de pagamento é uma forma de comunicação entre empregador e funcionário. Que deve constar todas as informações referentes ao mês.


Como é feita a folha de pagamento

Geralmente, a folha de pagamento dos colabores do prédio são feitas pela administradora ou escritório de contabilidade.

O que deve constar na folha de pagamento


Por ser o documento que contém dados sobre o que cada funcionário irá receber no mês, devendo conter uma série de informações como: valor do pagamento, horas extras trabalhadas e em casos excepcionais: adicional noturno, salário habitação, entre outros. É importante  lembrar que todos esses “extras” ao salário entram no cálculo na hora de calcular os valores enviados ao INSS e ai FGTS. Os descontos também devem contar atrasos e faltas, cota da previdência, contribuição sindical, vale transporte.

 

Diminuindo a folha de pagamento
Por ser um dos principais gastos do condomínio, a folha de funcionários deve receber uma atenção especial do síndico e da administradora. Tendo em vista que as horas extras representam um acréscimo de 50% do valor em relação às “horas comuns”, o ideal é diminuir ao máximo as mesmas.


Empresas terceirizadoras


Esse serviço oferecido por outra empresa possui as mesmas obrigações com os funcionários do condomínio. Sendo importante ressaltar que se a empresa não realizar os  pagamentos como de fundo de garantia ou de seguridade social, entre outros, o condomínio pode ser responsabilizado a realizá-los. Por isso, é extremamente importante monitorar de maneira eficiente, mês a mês, a empresa contratada.

Bandeira tarifária da conta de luz continua verde em março

A bandeira tarifária que será aplicada nas contas de luz em março será verde, ou seja, sem custo extra para os consumidores, de acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A bandeira verde é aplicada desde dezembro do ano passado.

Em nota, a Aneel diz que, apesar da pouca ocorrência de chuvas em janeiro, “o nível de produção da energia hidrelétrica no país ainda se mantém elevado”, o que garante a manutenção da bandeira verde.

O sistema de bandeiras tarifárias, criado pela Aneel, sinaliza o custo real da energia gerada. As cores verde, amarela ou vermelha, nos patamares 1 e 2, indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

Segundo a Agência, com as bandeiras, a conta de luz ficou mais transparente e o consumidor tem a melhor informação, para usar a energia elétrica de forma mais eficiente, sem desperdícios.

Combate ao desperdício

A Aneel alerta que mesmo com a bandeira verde, é necessário manter as ações relacionadas ao uso consciente e ao combate ao desperdício.

Algumas dicas são: tomar banhos mais curtos, de até cinco minutos; não deixar portas e janelas abertas em ambientes com ar condicionado; só deixar a porta da geladeira aberta o tempo que for necessário; utilizar iluminação natural ou lâmpadas econômicas e apagar a luz ao sair de um cômodo.

Mais dicas estão disponíveis no portal da Aneel.

Fonte: Agência Brasil

A importância da administradora para o mercado imobiliário

Ainda é muito comum ouvirmos indagações em torno das razões em contratar uma administradora para operar na intermediação de aluguel, compra e venda de imóveis e administração de Condomínios. A Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (ABADI), como instituição atuante no mercado há 45 anos, sempre reforça a importância da administradora nas transações imobiliárias, uma vez que garante segurança para quem está comprando, vendendo, alugando um imóvel e aos síndicos na administração condominial.

“É um elo de garantia entre as partes”, comenta Carlos Samuel de Oliveira Freitas, presidente da ABADI.

As administradoras de imóveis vêm se atualizando e modernizando cada vez mais para proporcionar melhores intermediações com seus clientes e entender a necessidade de cada um deles.

Fonte: ABADI