Vantagens e desvantagens de revestir com pastilhas

Bonitas e versáteis, as pastilhas são opção para revestir novas fachadas ou revitalizar antigas

Diferente dos demais revestimentos, as pastilhas são muito utilizadas como elemento decorativo em paredes, bancadas, piscinas e fachadas, tanto em condomínios novos como antigos. Com opções em porcelana, cerâmica, vidro, metal ou até mesmo madeira, é preciso ficar de olho nas características técnicas de cada peça e em suas vantagens e desvantagens no dia a dia.

Segundo o arquiteto Rodrigo Kirck, os maiores benefícios são a durabilidade dos materiais e o aumento de proteção hidrotérmica para as fachadas. Além disso, há o fato de, em reformas, possibilitar a revitalização de imóveis já considerados antigos. “Hoje existe uma gama muito variada de produtos, os quais irão se adequar melhor de acordo com cada tipo de empreendimento conforme a altura, o tipo de área a ser coberta, a possibilidade de manutenção e outros fatores”, relata.

Engenheiro civil e diretor do Instituto Catarinense de Engenharia de Avaliações e Perícia (IBAPE-SC), Murilo Azevedo Brasil afirma que entre as opções utilizadas em projetos de retrofit de fachada estão as aeradas ou ventiladas, técnica em que as placas cerâmicas são colocadas através de fixadores metálicos e apresentam, por exemplo, melhoria do conforto térmico e acústico, maior durabilidade, estanqueidade, e possibilitam a utilização de peças cerâmicas de grandes formatos. “A tendência no mundo e no Brasil é de cada vez mais se utilizar as fachadas ventiladas, porém o maior custo desse sistema ainda é um inibidor de utilização da tecnologia”, comenta.

Nas fachadas aderidas, ou seja, quando a cerâmica é colada diretamente no reboco, o engenheiro explica que se utilizam peças menores e que normalmente são fornecidas já com tela para facilitar a aplicação. “Estas peças devem ter baixa absorção de água a fim de permitir maior durabilidade”, ressalta.

Murilo lembra que, de acordo com a norma de desempenho NBR 15.575, tanto o revestimento de placas cerâmicas quanto as fachadas ventiladas devem ter uma vida útil projetada de no mínimo 20 anos. “A vida útil projetada só será alcançada se os processos de manutenção forem corretamente executados”, lembra.
Se por um lado, há economia evitando pinturas constantes, por outro, a manutenção pode trazer problemas como descolamento, quebra, acúmulo de água nas juntas e falta de material para reposição.

Problemas mais comuns

Segundo o engenheiro o descolamento é a manifestação mais séria, devido ao risco de acidentes com usuários e transeuntes, e aos elevados custos necessários para o reparo. O engenheiro ressalta que, nesse caso, a primeira providência a se tomar é isolar a área, pois a queda de peças pode atingir pessoas. “O primeiro sinal dessa patologia é a ocorrência de som oco nas placas cerâmicas quando percutidas, e sua causa é associada à perda de aderência entre algum dos elementos que compõem a fachada e originada por tensões que ultrapassam a capacidade de aderência”.

Podem acontecer ainda depósitos cristalinos de cor esbranquiçada e aspecto escorrido que surgem na superfície do revestimento, resultantes da infiltração de água, comprometendo a estética e podendo provocar degradações profundas. Outros problemas são as manchas e bolores provocados por infiltrações frequentes associadas aos deslocamentos e desagregação dos revestimentos ou a porosidade do material e até mesmo a sujeira acumulada em calhas ou parapeitos. Podem ocorrer ainda trincas e fissuras em razão de esforços mecânicos de tração, que causam a separação das placas e surgem normalmente nos primeiros e últimos andares do edifício. Menos frequente, o gretamento é o efeito formado por uma série de pequenas aberturas na superfície esmaltada das placas cerâmicas dando aspecto envelhecido à fachada.

Seja qual for o problema, o arquiteto Rodrigo Kirck destaca a importância de se ter uma avaliação técnica da causa para só assim se definir uma solução para o problema. “Nunca se deve reaplicar novas pastilhas, sem antes ter uma definição correta da patologia e qual solução técnica aplicar, pois há o risco de acontecer novos descolamentos em um curto período de tempo”, orienta.
Manutenção

Os profissionais destacam a manutenção preventiva como o melhor caminho, pois tem custo muito inferior à manutenção corretiva e salientam a importância de estar atento ao tipo de material, pois cada sistema tem suas especificidades, não sendo algo com uma solução única.

Murilo Brasil lembra que é muito importante que a manutenção obedeça ao manual de uso, operação e manutenção do prédio, evitando-se a perda de garantia e de desempenho precoce e dificultando atingir a vida útil da fachada. O engenheiro orienta que se faça a lavagem da fachada a cada três anos, com pressão moderada para não danificar o rejunte, limpando com pano umedecido e detergente neutro e verificando todos os elementos. “Deve-se ter especial atenção quanto à integridade do selante, observando-se o surgimento de fissuras, descolamento das bordas e sua elasticidade”, conclui.

Fonte: Condomínios SC

As novas regras do crédito imobiliário

As decisões do Banco Central (BC) sobre o crédito imobiliário incluídas na Resolução 4.676 do Conselho Monetário Nacional (CMN) alteram significativamente as normas do setor. Além de elevar o montante e melhorar as condições da oferta de recursos para a habitação, é ampliada a liberdade de contratação e fortalecido o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI). O BC afirmou, em nota, que “busca estimular o desenvolvimento de novas estruturas de captação, flexibilizar as condições de contratação, incentivar operações com imóveis de menor valor e simplificar e aumentar a efetividade do direcionamento dos recursos da poupança”.

A partir de 1.º de janeiro de 2019, passará de R$ 900 mil para R$ 1,5 milhão o teto máximo de operações do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), com ou sem o uso de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Isso ampliará a oferta de crédito para as classes média e média alta, favorecendo imóveis na planta, em construção ou novos. As faixas de renda mais baixa também disporão de recursos adicionais, pois os bancos receberão estímulos para conceder financiamentos pelo SFH para unidades de até R$ 500 mil.

A Resolução 4.676 permite livre pactuação de taxas, mas o custo máximo de operações do SFH continuará sendo de 12% ao ano. Hoje é de 8% a 10% ao ano. “As condições de mercado sugerem que não haverá alta nos juros”, disse o diretor de Regulação do BC, Otávio Damaso. Em especial, as regras fortalecem a Lei 13.097/2015, que criou a Letra Imobiliária Garantida (LIG), um instrumento promissor para a concessão de financiamentos imobiliários pelos bancos.

Haverá, segundo o BC, aumento da parcela dos recursos dos depósitos de poupança destinada à aquisição, construção, reforma e ampliação de imóveis residenciais. Damaso estima que R$ 80 bilhões adicionais serão destinados ao crédito habitacional.

A amplitude das mudanças levou o BC a estabelecer o prazo de cinco meses para que as regras entrem em vigor. Além da liberdade de contratação, haverá estímulos ao desenvolvimento do mercado de securitização de ativos imobiliários e diminuição do peso do crédito direcionado.

O momento de baixa atividade do mercado de imóveis parece ser oportuno para as mudanças. Com superoferta de recursos, a competição deverá crescer e inibir a alta de custos.

Fonte: CIPA

Não escorregue na segurança ao decorar sua casa

Um apartamento bonito e bem decorado é o sonho de qualquer um, não é mesmo? Porém, a beleza não deve ser prioridade na sua casa nova. Afinal, de que vale ter um imóvel de luxo que não oferece nenhuma segurança aos moradores? Pensando nisso, na nossa matéria de hoje separamos algumas dicas para você decorar a sua casa evitando erros que podem ser prejudiciais à saúde da sua família.

1) Pisos antiderrapantes: devem ser utilizados em áreas que recebam água, como banheiros, lavanderias, varandas, ao redor de piscinas e demais espaços externos. Vale lembrar que existem diversos tipos de pisos, uns rústicos e outros mais modernos. Cabe ao morador escolher aquele que mais se adequa a decoração de sua casa.

2) Escadas: para esses espaços é imprescindível o uso de corrimão e pisos antiderrapantes. Em nenhuma hipótese coloque tapetes ou algum elemento que possa se desprender na escada. Vale lembrar que a altura dos degraus deve ser confortável e sua largura deve comportar duas pessoas sem precisar que uma dê espaço para a outra.

3) Tomadas: banheiros, lavanderias e cozinhas são locais onde as tomadas demandam mais cuidado por causa do possível contato com a umidade. Uma dica é usar aparelhos movidos a pilha nesses cômodos. Se não for possível, procure colocar as tomadas sobre as pias e não muito próximas à superfície. Se tiver crianças em casa, não esqueça de comprar protetores e instalá-los em todas elas.

4) Banheiros: para esses espaços um banheiro funcional é excelente. Isto é, um ambiente visualmente limpo e moderno onde os objetos necessários para uso pessoal estão sempre próximos ao usuário.

5) Vidros: a utilização de vidro na decoração demanda bastante cuidado. Quando se tem crianças ou idosos em casa, as mesas de centro não são recomendadas. Já que elas podem causar inúmeros acidentes. Uma dica para esses casos é adotar um puff estofado como mesa de centro.

6) Redes: as redes de proteção são itens de extrema necessidade quando se tem crianças em casa. Porém, antes de implantá-la um planejamento deve ser feito. Cada uso definirá o tamanho ideal da trama. Depois disso, é possível definir a partir da cor que melhor combine com a fachada sua residência.

Em suma, os pontos citados anteriormente são coisas tão simples que muitas vezes passam despercebidas. Por isso, fique atento e observe se alguns desses erros estão sendo cometidos na sua casa. Por último, não esqueça de compartilhar essas informações com seus familiares e amigos.

 

Saiba tudo sobre a lei da empregada doméstica

Chegar em casa depois de um dia cansativo de trabalho e ter tudo limpinho e arrumado é o sonho de muita gente. E ele tem nome: empregada doméstica. Mas saiba que é preciso cumprir uma série de regras para a contratação de uma profissional, a começar pelo registro em carteira – exigido quando o serviço ocorre mais de duas vezes na semana (deixa de ser apenas diarista).

Veja as dicas para fazer direito:

A lei

Após a aprovação da Lei Complementar nº 150, em 2015, que regulamentou a Emenda Constitucional n° 72, conhecida como a PEC das Domésticas, foi estendido à empregada doméstica os direitos dos demais trabalhadores registrados com carteira assinada (em regime CLT).

Direitos

“A empregada doméstica deve receber, pelo menos, um salário mínimo, ter jornada estabelecida de até 44 horas semanais e, no máximo, 8 horas diárias, podendo ser contratada em regime parcial. É obrigatório o controle individual de frequência, hora extra, FGTS, entre outros”, explica a advogada Denise Lago, especialista em Direito Trabalhista do escritório Posocco & Associados. No site portal.esocial.gov.br/empregador-domestico/direitos-do-trabalhador-domestico estão mais detalhes.

Como funciona

O empregador deve fazer o cadastro dele e da empregada diretamente no portal eSocial, para isso precisa do PIS ou NIT (Número de Inscrição do Trabalhador) da pessoa que será contratada. A guia de recolhimento mensal ao INSS pode ser gerada no próprio site. “O empregador sempre recolherá 12% do salário pago, referentes à sua contribuição obrigatória. O empregado pagará um percentual, que varia de 8% a 11%, mas que o patrão fica responsável por pagar e depois desconta do salário”, detalha a advogada Roberta de Oliveira Azevedo, que tem escritório em Jundiaí (SP).

Fazer contrato

É muito importante elaborar um contrato de trabalho constando, além da jornada e remuneração, as funções desempenhadas pela empregada. Ambos devem assinar o documento concordando. Há modelos disponíveis na internet, inclusive no eSocial. “Pode-se estender a jornada diária da empregada, de segunda a sexta-feira, além das oito horas e retirar o trabalho no sábado, devendo essa compensação ser pactuada entre as partes”, diz Roberta.

Cuidados

Para o empregador garantir um local de trabalho sempre seguro, de forma a prevenir riscos de acidentes ao trabalhador, terá que investir em aquisição de equipamentos de proteção (como luvas, óculos de proteção, botas etc.) e medidas de alerta em caso de riscos de acidentes (como sinalizar ou avisar sobre um degrau onde há risco de tropeçar).

Imposto de Renda

No que diz respeito à dedução do Imposto de Renda, pode-se deduzir os recolhimentos das contribuições pagas ao INSS. Agora em 2018 o total é limitado a R$ 1.171,84 (relativo ao ano-calendário 2017). Todo ano há uma pequena correção no valor.

Fonte: Revista Zap

Consuma as frutas da estação e economize água

Aderir a uma dieta balanceada, repleta de frutas e legumes, é a escolha certa para quem deseja melhorar a saúde. Mas, para que cresçam, amadureçam e estejam prontas para o consumo, as frutas precisam ser irrigadas de forma correta, de modo a receberem a quantidade de água adequada para seu desenvolvimento. O que muita gente não sabe é que consumir as frutas da estação ajuda a economizar água, isto porque as frutas da época estão acostumadas com as condições climáticas da temporada e, na maioria das vezes, não necessitam de irrigação extra para crescerem.

Ao pensar na quantidade de água que é consumida para a produção das frutas, é preciso considerar não só a quantidade de água que o fruto carrega no momento em que você o saboreia, mas também em todos os litros que foram necessários durante o cultivo desse alimento. O resultado dessa conta vai depender muito do tipo de fruta e das condições em que ela foi produzida.

Se for cultivada em terreno e região propícios para o seu desenvolvimento natural e na sua melhor época, isto é, “durante a sua estação”, vai consumir muito menos água e, possivelmente, apenas água de chuva. Já para produzir fora da estação da fruta, será necessária a irrigação e, com isso, mais água.

De acordo com Fábio Miranda, pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), um quilo de manga, por exemplo, pode exigir até 450 litros de água de irrigação para ser cultivado, caso seja produzido fora de época no semiárido do Nordeste. Nesta região, o volume de irrigação é alto também para outras frutas produzidas fora da estação, como a goiaba (400 litros/kg para a irrigação), o mamão (360 litros/kg) e a melancia (140 litros/kg).

Segundo o especialista, quando uma fruta é produzida em sua estação, a irrigação geralmente não é necessária. Isso significa algo importante: preferir frutas da época ajuda a economizar água! Por isso, tomar a simples atitude de comprar frutas da estação na região onde você vive pode ajudar a diminuir o impacto hídrico de sua produção – o que é muito bom para o meio ambiente e, consequentemente, para todos nós.

Quando cultivados fora da estação, frutas, hortaliças e legumes precisam não só de mais água, mas também de mais recursos para o seu crescimento – a produção geralmente exige maior uso de insumos como pesticidas e fertilizantes. Isso encarece a produção – motivo pelo qual os legumes, as frutas e as hortaliças da estação são mais baratos e abundantes do que os alimentos produzidos fora de época.

Mas como saber quais são as frutas da estação? Existem muitas listas divulgadas, com informações que algumas vezes são divergentes, já que a “época da safra natural” pode variar de ano para ano em função do clima e de região para região, o que talvez confunda o consumidor. A melhor dica então é ficar de olho nos preços e no aumento da oferta do produto. Ambos são indicativos de que a estação do produto chegou.

Fonte: Condomínios verdes

Pesquisa revela que mulheres são maioria na busca de imóveis

As mulheres são a maioria na busca de imóveis para compra e aluguel no Brasil, é o que aponta uma pesquisa realizada pelo Viva Real, empresa do Grupo ZAP. O levantamento que aponta o perfil de quem deseja comprar ou alugar imóvel no país, contou com mais de 12 mil entrevistas, e mostrou que a compra de imóveis atrai pessoas com idade mediana de 43 anos e em sua maioria casados (58%). Os imóveis para locação atraem pessoas mais jovens com idade mediana de 35 anos, e solteiras (40%).

Na pesquisa, observando o tópico de escolaridade, vemos que graduados no ensino superior e pós-graduados são a maioria na busca de imóveis, para venda representam 69% e para locação, 64%. Isso reflete na renda que se concentra, principalmente, em pessoas com ganho de até R$ 10.000.

Vendo a principal finalidade para que se deseja um imóvel temos uma quase unanimidade: a “moradia”, 94% para quem busca imóveis para locação e 88% compra. Em seguida “lazer” (6% de quem pretende comprar e 3% locação), “negócios” (1% compra e 3% locação), por fim, investimento com 5% das pessoas que pretendem comprar.

O tempo de busca de quem procura um imóvel para locação dura, em média, até dois meses (84%). Para quem busca comprar, o total é de 67% para até três meses.

A pesquisa do Viva Real revela também que, entre os que buscam a locação, 81% dos pretendem se mudar para o novo imóvel em até três meses. Para quem busca comprar, esse período dobra: 67% em até seis meses. “As novas composições familiares já impactam no tipo do imóvel desejado para compra e locação. De acordo com a pesquisa, 23% das pessoas que buscam imóvel para locação pretendem morar sozinhas e 36% com apenas mais uma pessoa”, explica Cristiane Crisci, Gerente de Inteligência de Mercado do Viva Real.

Caixa reduz juros

A Caixa Econômica Federal estimulará de forma significativa o mercado imobiliário com as novas regras de financiamento anunciadas recentemente. De acordo com a Gerente de inteligência de Mercado do VivaReal, Cristiane Crisci, o valores limites vão de encontro a demanda de imóveis no Brasil. “Cerca de 50% dos usuários dos sites ZAP e Viva Real buscam imóveis até R$ 300 mil e se somarmos até R$ 800 mil, esse percentual chega a 85% dos valores de imóveis mais desejados para compra pelos usuários”, afirma.

Além disso, e quanto a planta, 45% dos brasileiros indicam preferência por comprar imóveis com 2 dormitórios, 37% por três dormitórios e 11% por um dormitório.

Fonte: Revista Zap

4 dicas de arrumação para aplicar todos os dias

Para um bagunceiro de carteirinha, ser uma pessoa mais organizada pode parecer impossível. Mas, alguns exercícios básicos já podem ajudar a tornar mais fácil a tarefa de deixar o ambiente ao redor mais agradável. Muitos falam por exemplo que arrumar a cama ao acordar é o primeiro passo para a transformação. E, de fato, chegar em casa à noite e ter uma cama arrumadinha é um daqueles pequenos prazeres que nem dá para explicar. É o famoso “quentinho no coração”. Abaixo, trazemos algumas dicas do site Apartment Therapy que podem ser aplicadas hoje mesmo.

– Cada coisa no seu lugar

A primeira coisa para não ter uma casa desordenada (que dará muito mais trabalho de arrumar depois) é colocar tudo no seu lugar ao fim do dia. Não vá para cama antes de lavar a louça, depositar as roupas no cesto para lavagem ou de passar rapidamente uma vassoura na casa. Depois que você pegar o hábito verá como o trabalho não é tão grande, além de compensar muito. Lembre da famosa frase do educador Paulo Freire: “É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal forma que, num dado momento, a tua fala seja a tua prática”.

– Bagunce menos

O segundo item é óbvio, mas pode até te livrar daquele primeiro item. Se você não bagunçar, não terá nada para arrumar. Simples assim. A dica (pessoas organizadas não entenderão a dificuldade de praticar isso) é sempre ter em mente que se você tirar algo do lugar, uma hora terá que colocá-lo de volta. Então, não deixe sapatos ou roupas espalhadas pela casa, por exemplo. Ao tirar do corpo automaticamente deposite-os em seus respectivos utensílios. Sujou? lave; não vai mais usar? guarde. Mais uma vez é preciso praticar o ritual como um mantra.

– Arrumação exata

Outra coisa importante para quem quer manter um lar organizado é saber exatamente onde cada item da casa ficará guardado. Pegou uma revista ou encarte de exposição, por exemplo? Qual espaço este item deve ocupar em sua casa? Quando você define onde cada coisa deve ficar, separando por categorias, fica bem mais fácil manter os espaços organizados.

– Não tem hora para limpar

Você até pode separar um horário ou dia da semana para limpeza, mas o fato é que pendências surgem a todo momento e não dá para esperar o “dia da limpeza”. A chance da bagunça se acumular e virar algo ainda menos convidativo é grande. Em outras palavras, quanto mais você deixa para depois, pior fica. Portanto, assuma uma rotina de limpeza sem neuras. Não pense muito também. Faça o que pode ser feito na hora e aprecie o prazer de habitar em um espaço limpo e organizado todos os dias.

Fonte: Ciclo Vivo

Medidas de segurança simples para quem mora sozinha

É preciso tomar medidas de segurança em casa, principalmente para quem mora sozinho. Mulheres que moram sozinhas são ainda mais alvo de ladrões, invasores e infelizmente pessoas de má índole. Então é importante que você tenha boas medidas de segurança para fugir de problemas.

Nesse artigo damos algumas dicas simples para você usar na sua casa e se sentir mais segura. Assim você evita ao máximo que algo possa acontecer com você ou com o seu lar e seus pertences.

Discrição com seus pertences

Empregados, visitas que você não conhece bem, pessoas que você vai precisar receber em casa para algum serviço. Infelizmente nunca se sabe qual a índole das pessoas, às vezes até pessoas que achamos conhecer fazem coisas negativas. Então é recomendável que você tenha discrição com seus pertences.

Mulheres de preferência que morem sozinhas, vale a pena chamar alguém de confiança em casa para ficar com você no dia que precisar receber desconhecidos para algum conserto na residência, por exemplo.

Não estamos generalizando ou presumindo que esses trabalhadores são más pessoas. Mas infelizmente nunca se sabe o que se passa na cabeça de alguém. Principalmente um desconhecido, essa dica é apenas uma medida de segurança para prevenir problemas.

Conheça a vizinhança

Vale a pena conhecer a vizinhança. Saber quem é quem, quem mora onde e até fazer amigos. Principalmente para ser avisada se alguém estiver fazendo assaltos nas redondezas ou algo assim.

Assim você também pode pedir ajuda para pessoas próximas, por exemplo, em situações que esteja em perigo. Como no caso de alguém invadir sua residência. Gostaríamos que nenhuma dessas preocupações fosse necessária, mas infelizmente são coisas que podem acontecer.

Evite dar muitos detalhes da sua vida

Mesmo conhecendo a vizinhança. Nunca se sabe exatamente o que as pessoas pensam e como são. Infelizmente alguém que possa parecer confiável pode se aproveitar de uma oportunidade. Então vale muito a pena não expor muito a sua vida.

Tente manter detalhes da sua vida e da sua rotina em segredo. Nada de dar muitos detalhes como comentar que um alarme quebrou ou que vai passar mais tempo fora que o normal determinado dia.

Chave extra

A chave extra é uma polêmica. Nada de chave debaixo do tapete ou em vaso de planta. Não deixe tão fácil assim. Alguém pode ver em algum momento que você tem uma chave escondida e usá-la.

Procure deixar uma chave extra com um amigo, com seus pais, um irmão, porteiro ou até mesmo algum vizinho que seja realmente de confiança. Assim você sabe quem com certeza tem a sua chave e evita que qualquer um possa ter acesso a ela.

Sistema de segurança

Se você está para se mudar vale a pena procurar um lugar que tenha sistema de segurança se for possível. Cerca elétrica, câmeras e alarmes intimidam sim, são boas medidas de segurança e podem ajudar. Se seu condomínio não tem isso ou você foi morar em uma casa, vale a pena fazer seu sistema.

Uma câmera e alarmes são uma boa. Contratar uma boa empresa de segurança também é legal. Se você não tem muito dinheiro para investir nisso, ao menos use algumas câmeras. Atualmente já é um investimento bem mais acessível. E você pode checar como a sua casa está usando o celular, quando está fora.

A hora de chegar em casa

Se você chega de carro vale a pena dar uma volta no quarteirão para verificar se não tem ninguém desconhecido e suspeito pelas redondezas. Infelizmente é uma prática comum os bandidos aguardarem as pessoas chegarem de carro e atacar na entrada.

Nesse quesito em geral não tem muito o que fazer. Se você está para se mudar vale a pena buscar um bairro mais seguro e também movimentado. Já que os bandidos preferem ruas mais desertas e de preferência escuras.

Discagem rápida

Vizinhos, polícia e até a portaria. É bom ter esses números em discagem rápida. Em situações como alguém invadir a casa e você ter a oportunidade de se trancar em um quarto pode ser útil para pedir socorro.

Atualmente a maioria das pessoas vive com o celular colado nelas. E nesses casos isso pode ajudar. Então facilite para você caso precise pedir ajuda.

Fechaduras

Cadeados podem ser facilmente quebrados. Quem vai morar de aluguel também pode ficar com medo de outra pessoa ter a chave da entrada. Colocar outra fechadura pode ser a solução para as dúvidas.

Assim você evita a entrada de outra pessoa que pode ter a chave da porta e também dificulta para algum invasor que tente quebrar cadeados para entrar. Isso pode te deixar muito mais tranquila.

Nenhuma das dicas dadas nesse artigo quer deixar as moças que moram sozinhas mais preocupadas. Essas medidas de segurança são uma ajuda para que você se sinta mais segura e que possam te ajudar caso você precise em alguma situação. Deixando você preparada e mais protegida de situações negativas.

Fonte: Nada frágil

Uma alternativa para os pais atarefados

Atualmente os pequenos têm passado muito tempo em eletrônicos e, com isso, acabam não frequentando tanto as áreas comuns do condomínio e não se exercitando. O resultado disso todos sabemos, vários problemas de saúde começam a surgir. A principal justificativa dos pais para não colocarem as crianças em atividades físicas é falta de tempo. Com os dias corridos que temos fica realmente complicado levá-los e buscá-los.

Pensando nisso, muitos condomínios já aderiram à ideia de contratar profissionais e colocar atividades diversas dentro do ambiente condominial. Como esse mês comemorou-se o Dia Nacional do Futebol, vamos focar nele. Que tal montar uma escolinha de futebol dentro do condomínio? Aposto que a maioria iria adorar a iniciativa.

Bom, a implantação dessa atividade pode ser feita de diversas formas. Pode ser através da contratação de um profissional de educação física para dar a aula ou firmar um contrato com uma escolinha já existente e ela disponibiliza um profissional para ir até lá nos dias solicitados. Nesse caso, cabe ao condomínio decidir qual o melhor custo-benefício.

O primeiro fator a ser analisado é a demanda. Quantas pessoas querem, suas faixas etárias, melhores dias e horários. Depois disso, deve se estipular um valor mensal ou semanal para a atividade, definir quantos dias por semana ela será realizada, etc. Ou seja, é importante ser bastante organizado para não se perder com tantas informações.

Em suma, o futebol é responsável por uma série de melhorias para o corpo, como o desenvolvimento da densidade óssea femural, aumento da oxigenação do sangue e fortalecimento da função cardíaca. Além disso, ainda é bom para eles se divertirem, gastarem energia, terem contato com outras crianças e se desenvolverem cognitivamente. Aproveite que as férias estão aí e dê essa ideia ao seu síndico ou para os demais moradores.

Portaria remota

Qual deve ser a preocupação do síndico na contratação de uma portaria remota?

É preciso saber o que é necessário para garantir a segurança máxima do condomínio

A portaria remota tem crescido no Brasil cerca de 150% ao ano, de acordo com a Associação Brasileira de Sistemas Eletrônicos de Segurança (ABESE), fato que contribui para o potencial dessa tecnologia ser cada vez mais utilizada e desenvolvida no país. Muitos síndicos pesquisam, cotam e fazem orçamentos para diminuir os gastos dos condomínios; e dentre uma ou outra reunião, os moradores acabam optando por serviços mais baratos e que podem fragilizar a segurança. Para os que já optaram pela portaria remota, sabem que há inúmeros benefícios para o condomínio e não apenas financeiramente.

Mas, afinal, o que o síndico precisa se preocupar ao contratar esse tipo de serviço? Quais são as vantagens que ele oferece frente a outros modelos? Como fazer a adaptação de sistema com os moradores?

“A Portaria Remota é a automação e a gestão dos processos e acessos do condomínio remotamente, controlando todo o ambiente. Quando se implanta isso, é feito um estudo e análise do que o condomínio tem, do que ele precisa, e de onde precisa se adaptar”, explica Walter Uvo, especialista em tecnologia de condomínios da MinhaPortaria.com.

O porteiro convencional agora sai de cena para estar em uma central muito bem equipada e com vigilância 24 horas. A principal diferença da portaria remota é justamente a segurança.

Hoje, muitos condomínios usam o sistema conhecido como portaria eletrônica ou virtual, em que os acessos ao condomínio são feitos por um interfone externo, com o número do apartamento ou casa que o visitante disca e é autorizado pelo morador a entrar. Esse tipo de modelo fragiliza a segurança, pois o morador não é especializado no assunto, além de correr o risco de uma criança atender e liberar a entrada de estranhos.

De acordo com o especialista, para quem opta pela portaria remota há um processo pelo qual síndicos, moradores e outros funcionários envolvidos no prédio devem passar por um treinamento, onde a primeira semana da implantação da nova tecnologia é possível contar com um técnico responsável e logo no primeiro dia já é feito o cadastramento da biometria e foto com cada um dos moradores.

Nesse primeiro encontro já é passado como funciona o sistema, manual e guia.

Na portaria remota, todos os processos de acesso do condomínio ficam em uma central e ficam registrados. Um dos maiores facilitadores é que, em casos de emergências — como um aparelho que apresentou um problema, um portão quebrado etc. — o sistema avisa imediatamente e na mesma hora é chamado um técnico para arrumar, sem custos adicionais para o condomínio, sem a necessidade de fazer orçamentos com terceiros e ter a aprovação do síndico.

“Isso gera uma flexibilidade e mobilidade maior. É um investimento em preventiva de uma forma eficiente. Claro que no começo de qualquer processo é mais complicado, pois você sai da zona de conforto e tem que se adaptar, mas tudo para garantir os benefícios”, afirma.

Ele diz que é preciso entender que a portaria remota tem um custo inicial mais alto que outros modelos de portaria, mas que a eficiência em segurança é mais reforçada e a redução de custos chega a médio prazo.

Fonte: Sindiconet