Organização de documentos e a transparência em condomínios

Como qualquer empresa, os condomínios também possuem diversos documentos que precisam ser devidamente armazenados. Sendo assim, os síndicos são as pessoas responsáveis por realizar essa tarefa e manter a integridade dos mesmos, para que possam ser devidamente entregues aos sucessores ou, até mesmo, para uma auditoria, demonstrando a transparência da gestão, comprovando pagamentos ou para consultar informações ou outras finalidades. É importante que esses documentos e comprovantes estejam organizados, tendo em vista que representam o histórico do condomínio.

 

Além dessa documentação, as guias pagas de FGTS também precisam ser guardadas por no mínimo sete anos, por precaução de ações trabalhistas.

 

Todo mês, muitos papéis se acumulam nos condomínios, mas não é recomendável que fiquem na residência do síndico. É ideal é que o condomínio tenha um local restrito, como uma sala reservada, ou na administradora, com acesso somente ao síndico, para que os documentos sejam arquivados em segurança.

Prestação de contas

Há uma lei que obriga empresas públicas e privadas prestadoras de serviços a enviarem anualmente a seus clientes uma declaração de quitação de débito, evitando que sejam guardados os documentos pagos mês a mês. Sendo assim, basta apenas o mesmo para apresentar a declaração de quitação. Mas, só funciona para rápidas consultas. Para consultas mais detalhadas, são necessários os comprovantes individuais, que devem estar devidamente arquivados.

Como preparar seu condomínio para as chuvas

Reta final de verão e as pancadas de chuva começam a ficar mais recorrentes. A partir delas, alguns problemas estruturais nas edificações passam a ser identificados com maior facilidade, como é o caso de goteiras e infiltrações.

Para encarar as chuvas de verão é preciso estar preparado. Deve-se estabelecer um plano de manutenções preventivas ao longo de todo o ano. Dessa forma, quando as chuvas se intensificarem, não haverá nenhuma surpresa desagradável que resulte em correria, obras imprevistas e gastos extras.

Na manutenção permanente, alguns itens são fundamentais como:

  • Limpeza de calhas, grelhas e ralos;
  • Checagem das telhas, coberturas, toldos e tampas de caixa d’água;
  • Verificação do gerador, óleos, filtro e combustível;
  • Funcionamento das luzes de emergência;
  • Revisão do quadro elétrico;
  • Limpeza do poço do elevador.

sistema de para-raios deve passar, obrigatoriamente, por uma vistoria anual com uma empresa especializada. E o síndico também deve buscar um seguro com cobertura ampla e se certificar de que está cumprindo todas as obrigatoriedades, sendo a principal delas o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB).

Também é relevante checar se todos os itens que podem se soltar e voar do condomínio estejam devidamente afixados. Isso porque, além das chuvas, esta época do ano costuma registrar muitos vendavais. Quanto às árvores, caso haja qualquer suspeita de risco de queda, deve-se acionar a prefeitura e solicitar a poda preventiva.

Por fim, a comunicação entre síndico, funcionários e moradores é fundamental. Tanto na questão de segurança, quanto simples lembretes, são importantes, tais como:

  • “Não circule pelas áreas externas do condomínio durante uma tempestade”;
  • “Feche as janelas antes de sair do apartamento. Evite estagos com a entrada de água.”

 

Fonte: Sindico Net

Saiba como organizar sua despensa corretamente

Basta precisar de um ingrediente para aquele receita, abrir a despensa e que bagunça! O cantinho da cozinha dedicado ao estocamento de produtos alimentícios está quase sempre fora de ordem, com vários produtos fora da validade.

Mas é possível colocar tudo em ordem de maneira fácil – e fazer uma manutenção mensal com pouco trabalho. As organizadoras pessoais Heloísa Sundfeld, da Personal Assistant, e as irmãs Stella e Malú Nogueira, da Organizabox, dão as dicas. Veja o passo a passo:

Confira a data de validade dos produtos

despensa

Lembre-se ainda de, toda vez que for guardar uma compra, verificar a validade do produto já existente na despensa (Foto: Shutterstock)

 

Olhe sempre a data de validade dos alimentos. Jogue fora o que já expirou e coloque na frente os produtos que tiverem mais próximos da data de vencimento. Lembre-se ainda de, toda vez que for guardar uma compra, verificar a validade do produto já existente na despensa. Todos os utensílios e produtos usados com mais frequência devem ficar em locais mais acessíveis.

Organizar cereais em potes é boa ideia

cereal
Os cereais, depois de abertos, devem ser colocados em potes herméticos para uma melhor conservação (Foto: Shutterstock)

 

Nada de abrir um saco de feijão ou macarrão, usar apenas uma parte, e voltar com eles para a despensa na mesma embalagem. “Os cereais, depois de abertos, devem ser colocados em potes herméticos para uma melhor conservação”, ensina Heloísa. “Mantenha sempre os potes etiquetados com o nome do produto e a data de validade”, acrescenta Stella.

Potes ou prateleiras móveis podem ajudar na organização

prateleiras_despensa
Os potes são fundamentais na organização de uma despensa (Foto: Shutterstock)

O mercado oferece uma gama enorme de opções que certamente atenderão as mais diversas necessidades. Os potes são fundamentais na organização de uma despensa. As prateleiras móveis, algumas com vários “andares” e que podem ser montadas e desmontadas, são excelentes para otimização do espaço, auxiliando na organização e na criação de espaços extras.

Produtos de limpeza devem ficar longe dos alimentos

despensa_limpeza
O cheiro dos materiais de limpeza pode comprometer os alimentos, sem falar do risco de vazamentos (Foto: Shutterstock)

A lavanderia ou área de serviço são o local ideal para os produtos de limpeza. Eles devem ficar longe dos alimentos. “O cheiro dos materiais de limpeza pode comprometer os alimentos, sem falar do risco de vazamentos. O ideal é mantê-los em ambientes distintos, porém se isso for inviável, mantenha-os os mais distantes possível. Separe os materiais de limpeza em caixas ou cestas plásticas”, explica Malú.

Faça uma limpeza mensal na despensa

Aproveite para esvaziar a despensa antes de uma compra grande. Tire tudo e prepare o espaço para receber as novas compras. Utilize sempre produtos neutros, sem cheiros fortes. Uma esponjinha com detergente neutro, depois um pano com água e por último um pano seco pode ser uma opção.

despensa_organizada
Utilize sempre produtos neutros, sem cheiros fortes (Foto: Shutterstock)

Álcool também funciona. O importante é garantir que o espaço estará seco quando for retornar utensílios e produtos para o local. “Essa prática além de manter sua despensa organizada auxiliará você na elaboração da lista de compras, evitando a compra de produtos desnecessários e o esquecimento de algum item. Lembre-se também de lavar as latas e vidros antes de guardá-los”, aconselha Stella.

Para armários com umidade, eis a solução

Existem alguns antimofos no mercado que são boas opções. Mas lembre-se de nunca colocar nada com cheiro forte próximo dos alimentos. Alguns truques caseiros podem ser a solução do problema da umidade e até insetos. “Para controlar o mofo e os insetos use um potinho aberto com sal ou com bicarbonato de sódio dentro do armário. Eles absorvem a umidade”, diz Malú. Heloísa ensina outra saída: “Pode colocar uns pedaços de giz embrulhados em um pedaço de tule, ou produtos específicos para tirar umidade, mas que não tenham cheiro”, orienta a profissional.

 

Fonte: Zap imóveis

5 dicas infalíveis para conduzir a assembleia de condomínio

Nem sempre é fácil conduzir uma reunião de condomínio sem que nada saia do controle, por isso trouxemos 5 dicas infalíveis para conduzir uma assembleia de condomínio da melhor maneira possível.

1- Preparando os condôminos

O primeiro passo para convocação dos moradores em uma reunião de condomínio é dar um aviso de 15 dias antes da data agendada.

Aproveite a oportunidade para divulgar as pautas da reunião de condomínio no mural de recados ou qualquer meio de comunicação. Informe o título e uma pequena descrição sobre os assuntos abordados na assembleia.

2- Escolha o local correto

Escolha um local agradável e selecione uma música ambiente. Crie um clima mais ameno antes da reunião. Prepare o local com antecedência, organize as cadeiras em círculos para que o diálogo fique facilitado. Uma ótima dica é começar com uma mesa de café.

Mantenha também os materiais organizados e mostre aos condôminos por meio de cópias ou projetados em uma parede branca.

3- Conduzindo a assembleia

É importante escolher os moderadores da assembleia de condomínio e o presidente da mesa. O presidente é o responsável por orientar e conduzir toda a reunião.

Para esta função é necessário firmeza e neutralidade. Os moderadores conduzem a assembleia evitando aglomerações, discussões e debates longos e sem fundamentos.

Outro ponto importante é o tempo de reunião, estabeleça limites de tempo para cada um dos assuntos. Afinal, ninguém gosta de reuniões de condomínio que duram uma eternidade.

4- Mantenha o foco e atenção total

Outro problema bastante comum em assembleias e reuniões de condomínio diz respeito a conversas paralelas, discussões e conversas cruzadas.

Mas como fazer para que todos se atenham aos assuntos em pauta? O presidente da mesa deve informar que os assuntos que serão discutidos naquele dia foram pré-estabelecidos, mas que o morador será procurado pelo síndico para conversar sobre o assunto abordado.

5- Após a reunião

Muitas dúvidas podem surgir durante a reunião. Por isso é comum que pequenos grupos de moradores permaneçam por mais tempo no local.

Aproveite esse tempo para esclarecer as dúvidas e comentar as decisões tomadas na assembleia. O presidente da mesa deve, junto a um funcionário da administradora de condomínios, redigir a ata da reunião recém terminada. A ata deve ser entregue no prazo estabelecido expresso na convenção.

 

Fonte: Condo Brasil

IPTU sobe 87% em prédio da Zona Oeste do RJ

Aumento de 87% do imposto choca moradores de prédio no RJ

Segunda parcela da revisão do imposto tem revoltado moradores. Impugnação deve ser pedida até 8 de março.

Moradores do Condomínio Ponto Nobre Residencial Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, reclamam de aumento de 87% no IPTU 2019 e vão contestar o valor na prefeitura.

Em 2018, os donos dos 84 apartamentos tiveram que desembolsar R$ 347,82. Em 2019, o IPTU subiu para R$ 650,07. Eles afirmam que já esperavam um aumento, mas não tão alto, e sustentam que não viram melhorias no bairro.

O síndico Marcelo Mendes conta que em 2018 procurou revisar o valor. “Disseram que a prefeitura tinha feito melhorias no bairro. Óbvio que não houve”, afirma.

IPTU remodelado

Neste ano, o contribuinte carioca está arcando com a segunda parcela da correção do IPTU. Em 2018, a prefeitura mexeu na planta genérica do Município do Rio, que regula os valores do imposto e estava desatualizada havia 20 anos. Os valores cobrados no ano passado corresponderam à metade do reajuste previsto. A outra parte está sendo cobrada neste ano.

Com as alterações das regras a partir da correção da planta genérica, o IPTU passou a ser cobrado de aproximadamente 60% dos quase 2 milhões de imóveis do Rio (cerca de 1,050 milhão). Até 2017, o imposto era cobrado de somente 760 mil imóveis (40% do total). Cerca de 250 mil contribuintes pagavam apenas a taxa de coleta de lixo.

Como fazer

Se o contribuinte não concordar com o valor venal – base estipulada pela prefeitura para calcular o imposto, poderá abrir um processo de impugnação até 8 de março em um dos postos de atendimento do IPTU. Os formulários estão disponíveis na página da Secretaria Municipal de Fazenda.

Já para correção de dados cadastrais, como área construída, idade de construção ou posição, o procedimento é outro, também em um dos postos de atendimento do IPTU. A documentação também está na página da secretaria.

Endereços

Secretaria Municipal de Fazenda (Cidade Nova)

  • Rua Afonso Cavalcanti 455, Anexo
  • Das 9h às 16h

Tijuca

  • Rua Desembargador Isidro 41
  • De segunda a sexta, das 9h às 17h

BarraShopping

  • Av. das Américas 4.666, 3º Piso, ao lado do Centro Médico
  • De segunda a sexta, das 10h às 20h; sábados, das 10h às 16h

Center Shopping (Freguesia)

  • Rua Geremário Dantas 404, Piso G2, Lojas 501 e 502
  • De segunda a sexta, das 10h às 20h; sábados, das 10h às 16h

West Shopping (Campo Grande)

  • Estrada do Mendanha 555, Loja 282
  • De segunda a sexta, das 10h às 20h; sábados, das 10h às 16h

RioSul Shopping (Botafogo)

  • Rua Lauro Müller 116, Estacionamento G4, Setor Amarelo
  • De segunda a sexta, das 10h às 20h; sábados, das 10h às 16h

NorteShopping (Cachambi)

  • Avenida Dom Helder Câmara 5474, Loja 3021, Cobertura, Vida Center
  • De segunda a sexta, das 10h às 20h, sábados, das 10h às 16h

 

 

Fonte: g1.globo.com

Academias em condomínio: cuidados necessários

A academia no condomínio, além de ser uma de lazer para os condôminos, tende a valorizar o prédio. Os condomínios-clube, são conhecidos por oferecer aos moradores mais conforto e praticidade, além da segurança que está cada vez mais em alta. Além de ser considerado um diferencial, se exercitar sem precisar sair de casa. Pois, além de  economizar recursos financeiros, trás mais conforto. Mas, ter essa estrutura requer do síndico um cuidado maior que o normal. Porque só ter o ambiente não é o suficiente, além disso é fundamental que seja assegurada todas as regras de segurança e a qualidade do serviço prestado.

 

Medidas que devem ser adotadas para o bom funcionamento da academia em prédios

Elabore um regulamento para uso da academia em condomínio

Como qualquer área comum, deve ser regulamentado pelo síndico as regras de uso da academia em condomínio. Convocar uma assembleia para definir as regras para utilização do espaço, é fundamental. Após serem devidamente definidas em assembleia e, registradas no Regimento Interno do condomínio. É necessário comunicar a todos de maneira ampla  sobre as regras desse ambiente, fixando um informativo nos elevadores e quadro de avisos.

 Opte por equipamentos de qualidade e faça a manutenção periódica

 

É fundamental prezar pela qualidade dos produtos e pela segurança dos usuários. Mas, também é muito importante que os equipamentos sejam devidamente utilizados pelos moradores, para reduzir o risco de acidentes e até mesmo para aumentar a durabilidade dos aparelhos.

Devido ao uso recorrente, os equipamentos podem sofrer desgastes naturais, que podem gerar a necessidade de uma manutenção com maior periodicidade.

 

Promova o controle e monitoramento dos acessos às áreas comuns do prédio

 

Ter o controle e o monitoramento das áreas comuns do prédio é muito útil para gerenciar com mais precisão o fluxo de entrada e saída de moradores nos espaços de uso coletivo. Por a academia do condomínio ser um ambiente com um fluxo bem grande de pessoas, é importante que a entrada e saída sejam monitoradas e registrados para acompanhamento.

Condomínios horizontais

Condomínios horizontais são uma opção para quem deseja segurança, privacidade e lazer

Muitas pessoas que escolheram a capital mais nova do Brasil para morar e investir apostam em condomínios horizontais de alto padrão

É cada vez mais comum as pessoas agregarem ao sonho da casa própria à ideia de segurança, lazer e privacidade. Basta acompanhar o mercado imobiliário e perceber o crescimento na quantidade de condomínios que foram construídos nos últimos anos. Já são mais de 6 condomínios horizontais de alto padrão espalhados pela Capital mais nova do Brasil, que hoje conta com pouco mais de 290 mil habitantes.

Em uma cidade ainda sem grandes índices de violência ou favelas, o que faz as pessoas optarem por condomínios fechados? Para Adrian Estrada, sócio de dois empreendimentos horizontais e que lançará mais um ainda este ano, a escolha por morar em condomínio horizontal é por qualidade de vida e segurança, agregada a outros benefícios. “Morar em um condomínio requer pensar no conforto, privacidade e segurança da família, além disso, propicia lazer em casa, vida em comunidade, redução de custos, aumento da qualidade de vida e também uma boa forma de fazer investimento, pois dificilmente um condomínio irá desvalorizar no mercado imobiliário”, afirma o investidor, Adrian.

Existem muitos fatores envolvidos na hora de tomar a decisão por morar em um condomínio, para alguns moradores palmenses, mesmo com o sonho da casa própria já realizado, o desejo por segurança, privacidade e conforto ainda é resistente. É o caso da nutricionista Larissa Keller que ainda não adquiriu uma casa em condomínio, mas tem essa como uma de suas metas. “Eu acho que condomínio é muito seguro e hoje em dia a segurança é uma das prioridades de qualquer família. Eu tenho crianças também, então eu ficaria mais tranquila em relação a eles brincando, automóveis. Dá mais liberdade para poder andar de bicicleta, de patins, fazer uma atividade física e também o contato com a natureza. Tenho preferência por um lugar que tenha árvores, que você escute os pássaros de manhã para ficar tranquila e curtir o final de semana em família com mais saúde”, finaliza Larissa.

Estudos realizados em 2017, divulgados pela Revista da Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, mostram que os condomínios horizontais são um tipo habitacional que têm se expandido pelo mundo e algumas das razões para tal crescimento é a falta de qualidade de vida nas cidades, a ineficiência da gestão pública, a insegurança e a oportunidade de espaço, que entra em contraposição aos apartamentos ofertados no centro da cidade.

Condomínios em Palmas

Dois desses empreendimentos estão localizados no Costa Dourada, área nobre da cidade com acesso direto ao Lago de Palmas, sendo os condomínios Caribe Residence e Resort e Polinésia, que tem acesso facilitado por uma das mais recentes avenidas de Palmas, a NS 15. No mesma bairro e em fase de construção, está o Caribe Golfe & Spa, que contará com o primeiro campo de golfe do estado.

Outros condomínios horizontais são: Aldeia do Sol, Mirante do Lago, Alphaville, Privillege, entre outros.

Diferença entre condomínios horizontais e verticais

O condomínio horizontal é composto por lotes com casas construídas com plantas arquitetônicas “personalizadas”, ou seja, cada unidade habitacional é erguida de acordo com os desejos e as necessidades dos respectivos investidores.

Por ocuparem terrenos amplos, esse modelo de condomínio geralmente é implantado nas chamadas áreas de expansão urbana, locais com fácil acesso e boa infraestrutura.

Fonte: http://surgiu.com.br/

Como o corpo diretivo pode ajudar o síndico na administração?

A maior parte das convenções determinam como obrigatório um conselho fiscal, que geralmente é criado por três integrantes, com mais frequência em condomínios grandes.Cabe aos conselheiros, realizar a fiscalização e o fluxo das contas do prédio. Auxiliam e fiscalizam toda parte financeira do condomínio, e ainda ajudam o síndico com decisões importantes relacionadas à fornecedores e grandes contratos, por exemplo.

Cabe ao conselho também autorizar ou não o síndico a criar despesas que não façam parte das previstas pelo orçamento original do condomínio. Ou seja, funciona como um “tribunal de contas” do condomínio.

 

Zelador

Como o próprio nome do cargo nos sugere, o zelador é a pessoa responsável por zelar para que o bom andamento das atividades cotidianas do condomínio seja sempre presente. É quem resolve os problemas mais técnicos e que possam surgir a qualquer momento, devendo estar sempre alerta. Por causa disso, mesmo que o  zelador tenha uma carga horária definida, é recorrente que ele more no prédio e seja sempre presente em casos de emergência.Além disso, é ele que comanda as atividades de outros funcionários da limpeza, segurança e portaria.

Sistema integrado

As funções do corpo direto são muitas. Por isso, é necessário que sejam organizadas de maneira adequada essas informações,evitando problemas. E que o condomínio se organize por algum sistema informatizado. Sendo possível garantir que todas informações estejam organizadas e que seja gerado um histórico de decisões tomadas.

 

Como o corpo diretivo pode ajudar o síndico na administração?

A maior parte das convenções determinam como obrigatório um conselho fiscal, que geralmente é criado por três integrantes, com mais frequência em condomínios grandes.Cabe aos conselheiros, realizar a fiscalização e o fluxo das contas do prédio. Auxiliam e fiscalizam toda parte financeira do condomínio, e ainda ajudam o síndico com decisões importantes relacionadas à fornecedores e grandes contratos, por exemplo.

Cabe ao conselho também autorizar ou não o síndico a criar despesas que não façam parte das previstas pelo orçamento original do condomínio. Ou seja, funciona como um “tribunal de contas” do condomínio.

Zelador

Como o próprio nome do cargo nos sugere, o zelador é a pessoa responsável por zelar para que o bom andamento das atividades cotidianas do condomínio seja sempre presente. É quem resolve os problemas mais técnicos e que possam surgir a qualquer momento, devendo estar sempre alerta. Por causa disso, mesmo que o  zelador tenha uma carga horária definida, é recorrente que ele more no prédio e seja sempre presente em casos de emergência.Além disso, é ele que comanda as atividades de outros funcionários da limpeza, segurança e portaria.

Sistema integrado

As funções do corpo direto são muitas. Por isso, é necessário que sejam organizadas de maneira adequada essas informações,evitando problemas. E que o condomínio se organize por algum sistema informatizado. Sendo possível garantir que todas informações estejam organizadas e que seja gerado um histórico de decisões tomadas.

 

Imposto de renda sobre venda de imóvel

Declarar o IR quando se vende um imóvel é imprescindível, pois se não o fizer, você terá que pagar multas. Para declarar, o vencimento da Pessoa Física – IRPF é até as 23 horas e 59 minutos do dia 28 de abril de 2019, e quem possuir ganho de capital ao vender seu imóvel ou escolher a isenção do imposto é necessário cumprir esse procedimento.

Esse post irá esclarecer detalhadamente aquilo que você precisa conhecer para declarar o IR ao vender um imóvel. Preparamos todos os documentos que devem ser preenchido.

Papelada indispensável

Inicialmente, é necessário baixar dois programas: o Programa Ganhos de Capital – GACP é o primário, pois ajuda à preencher o IR e demanda informações a respeito da transferência, averiguando os ganhos e produzindo fichas de forma automática.

O programa oficial da Declaração do Imposto de Renda para Pessoa Física – DIRF é o secundário à ser preenchido.

É bem breve a listagem dos documentos e é necessário que eles comprovem que a ação foi efetuada de forma lícita. Isto é, as exigências jurídicas devem ser completadas e as informações das partes devem ser disponibilizados.

É relevante conservar a papelada por um período de 5 anos logo após a efetivação da operação comercial, pois o Fisco examina se a prática é válida.

A documentação essencial para aqueles que vendem o imóvel são:

  •  com a finalidade de tornar legítima a operação comercial, é fundamental obter a escritura de compra e venda de imóvel que é adquirida no cartório de notas em que foi efetuada a negociação;
  •  quando o operação é realizada através de um contrato particular entre as partes em um cartório é fundamental ter o documento de compromisso de compra e venda de imóvel;
  •  se o banco proporcionar o montante deve se ter o contrato de financiamento;
  •  quando realiza-se a transação, as partes recebem extratos ou recibos que confirma o pagamento do dinheiro. Logo, os documentos necessários são comprovantes de recebimentos;

 Abas a serem preenchidas

Quando se realiza o GACP, há várias abas com terminologias diversas que devem ser completadas de forma correta.

Conheça de maneira minuciosa todas as abas:

Aba de identificação

Possui a finalidade de reconhecer o imóvel e os dados nele englobados que são:

  •  especificações;
  •  endereço completo;
  •  natureza da operação (caso realizou uma venda ou um compromisso de compra e venda);
  •  data da aquisição pelo comprador;
  •  data de alienação;
  •  montante da transação que é necessário ser expressado em reais e integral, mesmo que o pagamento seja em parcelas.

A alienação deve ser notificada se ela foi paga a prazo, à vista ou à prestação, pois o pagamento influência na averiguação minuciosa de ganho de capital e na taxação.

Aba de adquirentes

Essa é mais fácil, pois é necessário só mostrar o nome do(s) comprador(es) e CPF(s)  e se for pessoa jurídica, sua razão social e CNPJ.

Aba de apuração do custo

Nessa aba se deve informar o montante resultante da corretagem paga e igualmente, é necessário indicar as repercussões do custo da compra, como mês, ano e montante pago para raforma, ampliação, financiamento, ITBI, dentre outras informações.

Aba do cálculo do imposto

Aquele que vende tem a possibilidade de pagar até 15% de IR em cima do lucro de capital concernente à venda. Entretanto, há situações em que pode isentar essa taxa:

  • quando a pessoa adquirir um diferente imóvel no prazo de 180 dias;
  • quando seu único imóvel residencial for vendido por até R$ 440 mil e não pode ter vendido, nos últimos cinco anos, imóveis.

É fundamental informar as informações obrigatórias a fim de que o cálculo possa ser realizada de forma automática. Elas consistem em:

  •  montantes recebidos nos anos anteriores;
  •  quando a última prestação da venda acontecerá ainda neste ano;
  • os valores lucrados durante no decorrer do ano e os tributos pagos durante a apuração;

Aba de consolidação

De maneira automática, a plataforma elaborará uma síntese que investiga a veracidade do lucro total de dinheiro e rendimentos. Consequentemente, gerados serão as fichas de “Rendimentos Tributados Exclusivamente na Fonte” e “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”.

Concluindo, é imprescindível transferir as informações ao clicar em “exportar para IRPF 2019” e assim, os ganhos, de forma automática, serão completados.

 

Fonte: Benvenuto